Notícias / o colunista / Opinião

Dia 26: os brasileiros contra o Brasil

Em novo artigo, Cleber Lourenço destaca que, até agora, o governo não deixou de provocar o Congresso e em nenhum momento falou sobre emprego, saúde e temas básicos

POR Cleber Lourenço -

Foto: Wilson Dias/ABr

Não vamos negar, dia 26 será um marco no governo que desgoverna o Brasil. Se for um fracasso, será a pá de cal em Bolsonaro e o tapete vermelho para Mourão. Se for um sucesso, será ruim para o Brasil. Então, o jogo é claro! Ou Bolsonaro sairá perdendo ou quem perde é o Brasil, não há meio termo.

Não tomo essa posição com base em minhas convicções pessoais. Membros do governo e do PSL enxergam a mesma coisa. Posso citá-los nominalmente: Joice Hasselmann, Alexandre Frota, Janaína Pascoal, General Santos Cruz, Paulo Guedes.

Estes são apenas alguns dos expoentes da direita brasileira que se mostram contra o chamamento do próximo domingo. Então, vejam só, não é um pensamento de “esquerdista”. Há um temor sobre o quão fundo para o buraco um dos lados da corda será empurrado.

Mas não há nada de “novo”, por mais que a cúpula bolsonarista negue suas digitais no circo de horrores. Infelizmente, já estão espalhadas por todos os lados e vou explicar o porquê:

No início deste ano escrevi em meu site sobre a intenção de Bolsonaro promover um novo tenentismo às avessas em pleno século XXI. Aquelas condecorações e jantares para Olavo, sempre após ofensas aos militares, tinham um objetivo claro: desmerecer a cúpula militar do país.

Olavo foi o patrono dessa linha de pensamento onde é necessário solapar as instituições para que um novo “Duce” possa governar sem entraves. Não só Olavo como Bolsonaro enxergam nos generais, no Congresso e no STF bloqueios e obstáculos para a tomada total do poder. Não é especulação, é fato!

Olavo recebeu um jantar após ofender Santos Cruz, Mourão e todo o topo da hierarquia militar. E aí, logo após mais uma torrente de ofensas aos militares, sabe o que aconteceu? Ele foi condecorado!

A mensagem é clara: “Patentes baixas, aqueles que estão no topo, não representam nossos anseios. Na verdade, são membros de uma quinta-coluna. Traidores do verde-oliva”. Em dois episódios distintos, um este ano, durante uma transmissão ao vivo no YouTube, e outro durante a primeira cúpula conservadora das Américas, Olavo afirmou que os generais entregaram o país aos comunistas. Em 2015, Bolsonaro chegou a ser banido das redes sociais do Exército por acusar os militares de permitirem o comunismo no país.

Se toda a cúpula militar é de comunistas infiltrados e pessoas lenientes com a esquerda, o que os militares do andar baixo devem fazer? Sim, a BADERNA na caserna! Um novo TENENTISMO.

E quem seria o líder deste “libertar patriótico”? Ele mesmo, Jair Messias Bolsonaro, que salvaria um combalido Exército, que foi sucateado com a permissão dos generais. Mentira desmontada em meu Twitter.

Ainda na mesma esteira, o MEC prepara um aparato de perseguição maccartista! Tudo prevendo um “golpe “.

E a coisa segue… Muitos negam, mas o fato é que a Lava Jato se tornou uma instituição com fome de poder e ela joga onde estiver ganhando, seja contra Bolsonaro, seja ao lado de Bolsonaro, seja sozinha querendo levar alguém para o executivo do país. Não importa, quem dá mais leva neste leilão de interesses.

O Brasil perdeu o controle da Lava Jato!  E se tudo ainda der errado, fiquem calmos, eles possuem um “plano B” para 2022, inclusive com panfletagem e tudo incluso. Caso a intentona direitista e o tenentismo falhem, é claro. Se não falhar, então, seria missão do lavajatismo assumir o papel de STF, após o mesmo ser fustigado. A prova de que haveria uma movimentação organizada para queimar o STF, está no episódio da Crusoé. O Partido Lavajatista contava com a arrogância do colegiado para caírem na armadilha. Acertaram. E, no fim, deu o que deu.

Antes disso, dezenas foram os episódios de atrito do Deltan, Moro e o Partido Lavajatista com membros do STF. Só pesquisar… Com Deltan mesmo, sempre que há o risco de que os absurdos da operação sejam cessados, há uma gritaria absurda! Basta apontar algum abuso da operação para que eles apareçam aos berros acusando que a democracia estaria em risco. Me pergunto: desde quando o desrespeito com a Constituição é a garantia de democracia? Complexo.

Bem, até aqui vocês perceberam que o país foi conduzido para o dia 26, só faltava agora atacar mais um pouco o Congresso e então agitar as massas. A senha para o início da operação foi dada semana passada com a “retirada” de Olavo. Vocês não acham engraçado a forma como a retórica pregada por Olavo tomou força, após a sua “saída” do governo? Destruir as instituições, promover o TENENTISMO e atropelar a legalidade são pautas olavistas.

Você viu alguma pauta defendendo os projetos do governo nos protestos do dia 26? Nenhuma! Nada de reforma da Previdência, ou lei anticrime do “conje”. Nenhum projeto! A ordem é clara, solapar os poderes da República para que apenas um sobreviva. Foi só apontarem que a manifestação do dia 26 não tinha propostas, além de promover Bolsonaro ao posto de “Duce”, que correram para enfiar algumas coisas bisonhas.

Bolsonaro, até o ano passado, era contra a reforma da Previdência. Bradava contra Temer e tudo mais. Agora vem com essa?

A coisa toda ficou tão gritante que até mesmo o empresariado brasileiro (em um primeiro momento, depois aderiu) e o Congresso Nacional ficaram em alerta. E, então, percebendo o quão evidente ficou, decidiram colocar algumas pautas genéricas. Não colou. Não só apoiadores da manifestação, como pessoas que observam de fora, dizem que é uma manifestação de força. Uma especial de “Marcha Sobre Roma”. É tão evidente! Esta semana líderes religiosos começaram a “ungir” Bolsonaro, desde Silas Malafaia até Edir Macedo.

No Congresso há um temor de que um novo Jânio dê as caras, porém agora com êxito. Não é por menos que eles já correram parar fazer a sua parte. Deputados se mobilizam para tentar diminuir poderes do executivo. Rodrigo Maia, junto com outros parlamentares, estudam apresentar um outro texto e proposta de reforma para a Previdência e, assim, vão se preparando.

Mas algo ainda me deixa muito preocupado e inquieto! Estou errado? Estou exagerando? Convido-os para uma reflexão: Se não é a reforma, se não é acabar com o desemprego, se não é investir no Brasil. Então seria o quê? O que a família quer com tudo isso?

O ator Sandro Rocha, que faz parte da vanguarda bolsonarista, deixa bem claro qual é o objetivo da intentona direitista:

“Pega teu negócio aí e bora pra Brasília!”

O que seria este “NEGÓCIO”?! Veja o vídeo completo aqui.

E não adianta o governo ou seus apoiadores acusarem o Centrão e o Congresso de colocarem dificuldades no governo. Todas as crises do governo foram geradas pelo… GOVERNO!

Crise com Bebianno? Governo. Dificuldade de passar a reforma da Previdência? Governo. Investigações do Queiroz e Flávio? Governo. Baixa popularidade? Governo. Racha na base do governo? Governo. Ministério da Educação? Governo. E assim vai indo. Até hoje, nem o Centrão, nem a própria oposição colocaram grandes dificuldades para Jair Bolsonaro! Ele mesmo tropeça em seus pés!

E não para por aí! Bolsonaro culpou os trabalhadores pelo desemprego, seu governo reduziu o poder de compra do trabalhador. O salário mínimo também foi atacado gravemente. Este ano, o Congresso havia aprovado um salário mínimo de R$ 1.006, mas o governo resolveu dar R$ 998.

Em cinco estados do país milhões de brasileiros ficarão sem o abono salarial. E, se ainda não bastasse o desemprego galopante, ainda estamos assistindo uma escalada de altas que, em breve, transformará a gasolina, o feijão e o gás de cozinha artigos de luxo.

Até agora, o governo não deixou de provocar o Congresso e em nenhum momento falou sobre emprego, saúde e temas básicos. E, assim, segue carregado de viés ideológico. Só nos dez primeiros dias de governo foram quatro recuos!

É assim que vive o Brasil. Por aparelhos! E ainda há quem lute com unhas e dentes para se manter assim.

Confira muito mais também no meu site: www.ocolunista.com.br

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Faça o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e teve tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo sério e rigoroso a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais. Mas o momento político exige mais da Fórum. Fique sócio e nos ajude a investir para fazer um jornalismo ainda melhor. Esse é o nosso compromisso.

Apoie a Fórum