o colunista

por Cleber Lourenço

Fórum Educação
15 de Maio de 2020, 20h28

É melhor Bolsonaro não contar muito com o centrão

Leia na coluna de Cleber Lourenço: A cada declaração absurda e crise deflagrada pelo próprio governo o custo de permanência do grupo político se torna mais alto, principalmente por já serem mal vistos pela própria base do bolsonarismo

Foto: Marcos Corrêa/PR

Fica cada vez mais complicada a situação do acordo costurado entre o presidente e o grupo político (por intermédio dos militares) conhecido como “centrão”. Isso porque nem foi publicado o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, o que poderá ser um aditivo ainda maior para o fim daquilo que mal começou.

Militares e o centrão tentam se manter longe da radioatividade do núcleo palaciano, algo cada vez mais difícil de se sustentar diante dos destemperos, surtos e arroubos de insensatez cometidos pelo presidente. Para o centrão, isso têm um preço: mais cargos e cargos maiores. para os militares, não.

A situação se tornou tão complicada que já há quem entre no governo sem entrar como Gilberto Kassab, presidente do PSD, que declarou recentemente que o seu partido não faz parte do centrão e que, depois da prisão do ex-deputado Eduardo Cunha, o grupo se dissolveu. Porém, não deixou de gravar a pérola “o partido é independente”. Já sabem o que isso significa, né?

A briga no Ministério da Educação pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) se intensificou nos últimos dias e agora parlamentares pedem a cabeça do ministro Abraham Weintraub, um dos mais próximos do governo e do presidente.

Um dos líderes centrão (que segundo Kassab deixou de existir), Paulinho da Força (SD-SP) criticou a saída precoce do ministro Nelson Teich. Ao jornal Estadão, o deputado Marcelo Ramos (PL-AM) também engrossou as críticas de parlamentares que fazem parte de partidos do centrão.

Paulinho ainda disse:

“Duvido que alguém consiga fazer o presidente aprender com a ciência e perceber que reduzir o isolamento social é colocar mais brasileiros na fila de espera por uma vaga na UTI. O Brasil precisa de liderança, mas vai ser difícil encontrar um ministro que seja capaz de lidar, ao mesmo tempo, com a crise sanitária e com os impulsos de Jair Bolsonaro.”

A cada declaração absurda e crise deflagrada pelo próprio governo o custo de permanência do grupo político se torna mais alto, principalmente por já serem mal vistos pela própria base do bolsonarismo e a cada nomeação política gerar um alvoroço maior que o anterior.

Precisamos aguardar e avaliar como serão os próximos dias. A publicação do vídeo de 22 de abril será determinante para saber o quão caro Bolsonaro poderá e desejará pagar pelo grupo político e pela governabilidade que ele próprio coloca em risco constantemente.

Por ora o presidente apenas conta com Roberto Jefferson (PTB), que ainda cativa apenas os mais celerados e não tem a representatividade que tinha há uns anos. Tem uma imagem muito caricata e espalhafatosa, o que mantém alguns membros do centrão mais afastados do que próximos.

Principalmente por ser um criminoso condenado que tira fotos segurando um fuzil e ameaçando os poderes da República. Virou uma espécie de Dom Quixote da extrema-direita com seus moinhos de vento.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum