o colunista

por Cleber Lourenço

01 de julho de 2019, 21h18

Exército brasileiro homenageia nazista e passa vergonha nas redes

Cleber Lourenço: “Os bolsonaristas, em questão, mal apareceram, uma vez que a situação os colocaria em xeque. Afinal de contas, eles acreditam que o nazismo é de esquerda”

Reprodução/Twitter

Geralmente escrevo uma vez por dia por aqui, mas às vezes a insensatez me obriga a escrever mais.

No início da noite desta segunda-feira (1), o Exército brasileiro decidiu homenagear, via Twitter, o major alemão Eduard Ernest Tito Otto Maximilian von Westernhagen, morto por militantes do Comando Libertador Nacional (COLINA), organização criada por dissidentes da Política Operária (POLOP), em Minas Gerais e no Rio de Janeiro.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

O que a publicação do Exército esqueceu de dizer, ou pelo menos tentou amenizar de forma pífia (explicarei mais a frente), foi o fato de que o militar alemão foi um combatente do Exército nazista. Sim, um súdito do Eixo!

Não demorou muito para a publicação no Twitter oficial ser alvo de críticas.

Os bolsonaristas, em questão, mal apareceram, uma vez que a situação os colocaria em xeque. Afinal de contas, eles acreditam que o nazismo é de esquerda. Caso façam a defesa do episódio, estariam defendendo o direito do Exército brasileiro de homenagear alguém que, na visão deles, é um esquerdista?

Risos. Mas a verdade é dura. Menção honrosa para o trecho que decidiu chamar o major nazista de “sobrevivente da Segunda Guerra”.

O pessoal do “Senta a Pua!” e do “A cobra vai fumar!” deve estar muito “honrado”.

O sacrifício deles não valeu muito, pelo visto.

Esse soldado nazista fez parte da frente oriental europeia, que teve início com a invasão da Polônia.

Foi nesta frente que ocorreram as maiores atrocidades com campos de extermínio e marchas da morte. E o homenageado estava lá. Não é por menos que foi homenageado com uma Cruz de Cavaleiro – uma variante da Cruz de Ferro. Esta era a mais alta condecoração concedida pela Alemanha Nazista para reconhecer os atos a bravura em combate ou por uma liderança bem-sucedida e decisiva durante a Segunda Guerra Mundial.

Mas não me surpreendo. Em um ano no qual um membro do Exército da comitiva presidencial foi pego traficando cocaína, e soldados são absolvidos depois de fuzilarem um carro de família e matarem duas pessoas, tudo é possível.

Eu quero saber quando é que as instituições no Brasil voltarão a agir com responsabilidade.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum