o colunista

por Cleber Lourenço

O que o brasileiro pensa?
31 de julho de 2020, 22h56

Falta decoro para a Lava Jato

Leia na coluna de Cleber Lourenço: "Essa bagunça que se instaurou no Brasil não faz bem e só prejudica a democracia, que agora é conduzida pela política da gritaria"

Carlos Fernando Santos Lima, Deltan Dallagnol e Januário Paludo, da Lava Jato (Arquivo)

A Lava Jato não possui um pingo de decoro, é desprovida do mínimo senso de civilidade e institucionalidade. Em nota, a operação em Curitiba atacou Aras dizendo coisas como os trechos que coloco logo abaixo:

“Procuradores-gerais, despojados da consciência (…) desprezível vontade de agir servilmente (…)”.

É de uma delinquência jamais vista na história do país. E não é de hoje. Ainda em 2010 o Ministério Público já promovia a gritaria e balbúrdia nas redes sociais com a lei da ficha limpa, em 2013 fez a mesma coisa contra a PEC 37 e quando arrancaram na gritaria os poderes de polícia (algo que eu já discuti aqui e apontei que não é constitucional).

Acontece que o MP faz política desde que a operação Satiagraha mostrou que você pode fazer o que quiser, desde que use como desculpa o combate à corrupção. E olha que a operação era conduzida pela Polícia Federal.

Não é possível que tenhamos instituições e seus membros reagindo e atacando com tamanha virulência, um ódio desmedido.

Eu apontei no meu Twitter que o debate sobre a quarentena de 8 anos não se trata sobre impedir Moro ou Deltan de concorrerem nas eleições de 2022. O debate é mais amplo, se trata de permitir ou não que agentes do estado usem seus cargos e recursos públicos para fazer campanha político-partidária.

Vejam esse diálogo revelado pelo The Intercept Brasil. São dois membros do Estado brasileiro ou dois militantes de uma organização política?

É disso que se trata, fazer agitação política dessa maneira também é falta de decoro! Hoje a turma da Lava Jato afronta o Supremo Tribunal Federal, PGR e qualquer outra instituição que lhe incomode de forma velada.

Em 2013 usaram as redes sociais para ameaçar e colocar a faca no pescoço do Congresso Nacional na votação da PEC 37. Ali a democracia já havia ficado de joelhos.

Sem falar das inúmeras notas acintosas e, por vezes, até mesmo provocativas contra seus alvos. Não é assim que se faz….

Reconheço que o PGR Augusto Aras errou – e muito – ao fazer tais afirmações contra a Lava Jato em uma live. Que alertasse o CNMP (por mais leniente que este seja com os descalabros de Curitiba) e depois emitisse uma nota explicando o motivo, que fizesse qualquer coisa mas dentro da institucionalidade.

Essa bagunça que se instaurou no Brasil não faz bem e só prejudica a democracia, que agora é conduzida pela política da gritaria. Ganha quem vence o duelo de hooligans, quem tem mais torcedores nas redes e promove mais terror e barulho.

Não é por menos que a LavaJato é a mãe da nova política. Essa truculência, gritaria e berreiro são característicos desse movimento político-social que infelizmente afogou o país na mais profunda delinquência.

Já comentei aqui: quem criou o discurso contra a política e de demonização de Brasília não foi o bolsonarismo, ele se apropriou de um discurso criado pela Lava Jato ainda em 2013.

A militância pela destruição da institucionalidade é tão profunda que hoje o MP quer se colocar como o poder moderador de todos os demais poderes, como se ele já estivesse embebido em uma dose interminável de benevolência e ética e tudo fora do MP fosse digno de desconfiança e até mesmo escrutínio em praça pública em alguns casos.

A presunção é tanta que a Lava Jato e amplos setores do MP questionam o governo e o STF, que segunde eles, preparam um projeto que tira poder do MPF em acordos de leniência. Um poder que nunca foi do MPF! Quem faz estes acordos é a Controladoria-Geral da União!

É a mesma coisa da juíza Gabriela Hardt, que busca dar a destinação de recursos que já são da União. Notem que neste caso tudo não passa de mero populismo barato! O Ministério da Saúde sequer usou metade dos recursos destinados para o combate à covid-19, não falta dinheiro por lá, falta competência!

Enquanto isso o Ministério da Justiça dá um verdadeiro baile no MP e opera uma verdadeira Gestapo caçando e localizando opositores do governo!

Quem fiscaliza os fiscais? Quem modera os moderadores?

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags