o colunista

por Cleber Lourenço

O que o brasileiro pensa?
23 de junho de 2020, 22h52

Militares e Heleno versus Bolsonaro: a mediocridade ou a radicalização

Leia na coluna de Cleber Lourenço: Bolsonaro ainda não escolheu qual caminho irá seguir. Está se reorganizando, precisa ver até onde vai a investigação contra o seu filho Flávio Bolsonaro e quantos dos seus apoiadores restarão após a devassa do STF e da PGR contra aqueles que atentam contra a República

Bolsonaro e o general Augusto Heleno, chefe do GSI (Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil)

As coisas vão de mal a pior em uma velocidade impressionante no governo de Jair Bolsonaro. Ontem eu falei:

(…) Desde a prisão do Fabricio Queiroz, restaram apenas dois caminhos para Bolsonaro e seus celerados de estimação, a “pacificação do governo”, ou seja, um governo fraco e inexpressivo e que mal poderá editar Medidas Provisórias, algo não muito diferente do que temos hoje.

Ou então a guinada total para a radicalização, com um porém: sem Forças Armadas, sem bravata de golpe ou sublevação das polícias, que com isso encontrará o seu fim em um processo de impeachment ou cassação da chapa (…).

Em algumas horas a coisa só afundou ainda mais. O Ministério Público pediu ao Tribunal de Contas da União uma investigação sobre a exoneração de Weintraub. A Justiça também obrigou que o presidente use máscara em ambientes públicos.

A cereja do bolo foi o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, que contrariou Bolsonaro e disse que o STF está certo em delegar a estados decisões sobre Covid-19.

A ala militar já até avisou Bolsonaro que vai vetar nomes indicados por Weintraub para o Conselho Nacional de Educação. Eles já perceberam a rota de colisão e agora vão tentar tomar o barco das mãos do presidente.

Agora que já se enfiaram na bagunça, só resta a redução de danos.

É um clima de fim de festa danado, a valentia de Bolsonaro era bancada pela falsa impressão de que fardados poderiam colocar o fuzil na nuca do país, agora nem isso restou.

Porém, Bolsonaro ainda não escolheu qual caminho irá seguir. Está se reorganizando, precisa ver até onde vai a investigação contra o seu filho Flávio Bolsonaro e quantos dos seus apoiadores restarão após a devassa do STF e da PGR contra aqueles que atentam contra a República.

Dizer que o governo está no início do fim ou que já acabou é de uma irresponsabilidade absurda. Engraçado que essas alegações venham dos analistas que fizeram mil malabarismos para apoiar o governo ou criticar opositores ainda nas eleições de 2018.

O mesmo pensamento “precoce” é recorrente também naqueles que até semana passada badalavam os sinos e anunciavam afoitos um golpe que nunca saiu da imaginação de alguns celerados.

Esse “esvaziamento” do governo não é de hoje, não começou com a prisão do Queiroz.

Ainda em maio, na manifestação encaminhada à Polícia Federal, o general Augusto Heleno, ministro do GSI, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro não teve “óbices ou embaraços” para mexer na equipe que faz sua segurança pessoal.

A afirmação desmente o presidente Bolsonaro, que afirmava que tinha dificuldades de trocar gente envolvida na sua segurança e de seus familiares. Uma justificativa estapafúrdia para não confessar a flagrante interferência na PF.

Isso porque na ocasião o bolsonarismo estava no seu auge das bravatas, ameaçando STF, governadores e quem mais aparecesse pela frente.

Assinaram notas intimidando a democracia e Bolsonaro mesmo usou as Forças Armadas como baioneta de suas ameaças mais de uma vez.

Porém, não tiveram sequer coragem de mentir em uma investigação. Na primeira “prensa” institucional abandonaram o “representante”.

A análise política se faz com uma leitura em 360 graus. Não só de um fato isolado, mas de todo um panorama.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum