o colunista

por Cleber Lourenço

O que o brasileiro pensa?
28 de fevereiro de 2020, 22h55

Moro: líder dos extremistas e inimigo da democracia

Leia na coluna de Cleber Lourenço: Moro é um extremista completo, forte contra os pequenos e fraco contra os poderosos. Anda de tanque de guerra e persegue punks enquanto esquece a existência das milícias.

Moro passeia de blindado em Brasília (Reprodução)

Enquanto milicianos e bandidos tomam conta do país, Moro decide se reafirmar como embaixador do extremismo de direita.

Eu tenho pena dos jornalistas que lá em 2018 falavam que o ex-juiz federal seria a voz da moderação, uma das forças de contenção dos vislumbres autoritários de Jair Bolsonaro.

Fui um dos poucos que não caiu no canto da sereia. Moro é um Bolsonaro arrumado, limpo e polido, porém mais perverso.

Até hoje onde Jair não avançou, Moro foi com unhas e dentes.

Já avançou contra jornalistas, já atuou contra os direitos humanos e a Constituição e já fez militância em prol da barbaridade no país com seu enfadonho pacote anticrime.

E agora, no auge do esgarçamento democrático, o ministro da Justiça decidiu aproveitar para passear de tanque pelas ruas ruas de Brasília.

Pergunto: em que ano, em que democracia um ministro da justiça sai desfilando em tanques?

Mas o problema não é apenas o ato em si. O contexto importa é muito!

A extrema-direita está agitando manifestações que pedem veladamente uma espécie de AI-5 com fechamento do Congresso e agitação da soldadesca, pedindo intervenção para generais e ditadura.

É nesse contexto, onde o presidente e seus filhos chancelam a sublevação de policiais militares ao redor do Brasil, que Moro decide passear de tanque.

E não só isso. A pasta pasta comandada pelo duce sulista pediu a abertura de inquérito para investigar roqueiros paraenses que organizam um festival de punk e hardcore chamado “Facada Fest”.

Sim, um Ministério decidiu gastar recursos e tempo contra um festival de música punk, daqueles que geralmente são em algum barzinho chinfrim de privadas sujas e cerveja barrada.

É com isso que o Ministério se preocupa, é demonstração de força.

Chega a ser tragicamente cômico e uma afronta ao estado democrático de direito a ação do ministro.

Se por uma lado Moro decide reduzir a pena de milicianos com seu pacote anticrime, por outro transforma um showzinho de bandinhas em questão de Estado.

No dia em que o miliciano Adriano da Nóbrega foi morto, Moro se manteve no mais absoluto silêncio indecoroso. Decidiu falar sobre programas infantis do século passado.

Ele não quer enfrentar de frente as realidades e questões de um país continental como o Brasil.

Onde estão os jornalistas que comentei no começo desse texto? Quem ainda colocará a mão na fogueira das reputações para afirmar que Moro é moderado?

Já deixou claro que não sente nenhum apreço pela institucionalidade constitucional.  E que é a mão que balança o berço da extrema-direita no país.

Moro é um extremista completo, forte contra os pequenos e fraco contra os poderosos.

Anda de tanque de guerra e persegue punks enquanto esquece a existência das milícias.

Até quando parcelas do jornalismo brasileiro irão se curvar para a delinquência institucional personalizada?

Hoje são punks e amanhã sabe-se lá quem mais será vítima do seu extremismo. Uma coisa é fato: ninguém sairá ileso.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum