o colunista

por Cleber Lourenço

Fórum Educação
01 de março de 2020, 13h30

Moro, o extremista, decide agitar os milicianos do Ceará e do Brasil

Cleber Lourenço: “O que temos hoje é um governo trabalhando contra o próprio país, contra os próprios brasileiros”

Sérgio Moro - Foto: Pedro França/Agência Senado

Encapuzados que roubam viaturas, decidem impor toque de recolher contra a população local, ameaçam a Constituição do país com suas próprias ações e atiram contra senadores da República.

A descrição acima pode parecer de um grupo terrorista, mas, na verdade, são os policiais militares do estado do Ceará, que decidiram se comportar como milicianos cariocas, condecorados pela família Bolsonaro.

É essa gente que o ex-juiz juiz federal Sérgio Moro disse que não deve ser tratada como criminos.

A fala não surpreende e, infelizmente, sequer causa revolta, pois é esperado esse tipo de comportamento de quem está obstinado em ser o representante da extrema direita brasileira.

A fala de Moro, hoje, tem como único e exclusivo motivo chancelar, dar um ar de civilidade e validar a delinquência que tomou conta da polícia cearense.

Moro foi apenas um agitador. Que é o papel que lhe cabe dentro deste governo, de agitador e agressor constitucional.

O flerte de Moro e Jair Bolsonaro aos policiais amotinados no Ceará pode trazer consequências graves para o país.

A falta de uma resposta firme e contundente do governo federal aos amotinados é também um recado aos demais policiais e milicianos agitados ao redor do país.

“Aqueles que entrarem em uma sublevação contra seu governador serão afagados pelo governo federal”.

Agora que eles (o governo) sabem que não terão o apoio das forças armadas em suas intentonas inconstitucionais, restou voltar os olhos para o efetivo de mais de 500 mil homens das polícias militares ao redor do país.

É um jogo perigoso, tão grave e preocupante que já mobiliza governadores dos demais estados da federação e que temem a barbárie.

Bolsonaro estendeu a GLO no Ceará não por acreditar que os policiais estão errados ou por ser contrário ao motim. Ele fez isso pois queria evitar a humilhação de ver uma coalizão entre os governadores Flávio Dino, Rui Costa, Wilson Witzel e João Doria enviar tropas de seus estados para ajudar o Ceará.

Seria o atestado de incompetência que faltava para a gestão Bolsonaro, além da perda de apoio da imprensa, da população e dos poderes que lhe faltava para ser expurgado do Palácio do Planalto.

Bolsonaro precisa disso para agitar as baixas patentes e policiais militares.

E enquanto Jair não se inviabiliza eleitoralmente, Moro segue pelas beiradas ganhando a simpatia da banda podre da política nacional.

O que temos hoje é um governo trabalhando contra o próprio país, contra os próprios brasileiros.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum