o colunista

por Cleber Lourenço

#Fórumcast, o podcast da Fórum
22 de junho de 2019, 06h00

O nome do hacker: acesso remoto

Cleber Lourenço: "É fato! Nem o The Intercept Brasil, nem Leandro Demori (editor executivo do portal) chegaram a falar sobre quem ou como a fonte conseguiu acesso aos documentos da lava jato"

É fato! Nem o The Intercept Brasil, nem Leandro Demori (editor executivo do portal) chegaram a falar sobre quem ou como a fonte conseguiu acesso aos documentos da Lava Jato.

Quem surgiu com as teorias amalucadas sobre um suposto Hacker russo (soviético para alguns) foi Sérgio Moro e a MPF em Curitiba (apelidada carinhosamente por este colunista como Gestapo de Curitiba), a extrema-direita não perdeu tempo em validar a suposição com outras teorias mais vergonhosas envolvendo bitcoins, erros grosseiros de escrita em inglês e o fantasma da União Soviética.

Mas e se não existisse hacker algum? E se fosse na verdade um descuido, um ato falho que tenha desestruturado aqueles que se julgavam mais eternos que os diamantes?

Por um lado a teoria do  hacker é cômoda, permite aos envolvidos tentarem desmerecer os vazamentos, partidarizarem o tema e ainda satisfazer as hordas de malucos inquietos e que defendem todo e qualquer sinal de calamidade no Palácio do Planalto. Vamos aos fatos:

4 de junho de 2016

Isabel Groba – 07:39:57 – Alguém vai hoje ou amanhã na FT? Eu precisava que fosse ligado o computador que eu uso para fazer acesso remoto

Pelo visto o acesso remoto era comum no MPF de Curitiba, um ano depois da mensagem de Isabel Groba, Deltan mostra ligeira preocupação com o uso indiscriminado do acesso remoto nas mensagens com o colega Carlos Fernando.

13 de março de 2017

Deltan para Carlos Fernando

13:11:42 Deltan Não comenta com ninguém e me assegura que teu telegram não tá aberto aí no computador e que outras pessoas não estão vendo por aí, que falo

Isso explicaria a história bizarra do Hacker que tentou invadir o telefone do Moro dias antes da primeira denúncia do The Intercept Brasil.

Alguém, no caso certamente cantou a bola para o ministro, e então começou a construção da narrativa do “Hacker aqui” com Moro, aparentemente algo para resguarda-lo de alguma coisa que estaria por vir.

Agora, alguém acessou os PCs de quem ficava em acesso remoto e entregou tudo de forma delibera?

Resta saber se alguém internamente deixou o acesso remoto aberto para registrar tudo de propósito ou alguém se aproveitou de algum deslize e registrou as conversas.

Um caminho mais confortável, uma trama de nível internacional no lugar do desleixo de alguém. É algo muito mais plausível do que o vexame da Revista IstoÉ.

De todas as falhas que o jornalismo brasileiro já cometeu, desde o episódio envolvendo a escola base até o caso Eloá desta vez a revista se mostrou determinada em enterrar o pouco que havia sobrado de credibilidade do jornalismo brasileiro.

Uma teoria cheia de falhas, entre elas a mais gritante, a matéria diz:

“jornalista Glenn Greenwald, dono do site The Intercept Brasil”.

Acontece que o dono de fato do Intercept é Pierre Omidyar, fundador do eBay!

O pior de tudo é assistir grandes portais de jornalismo comprando uma narrativa digna de portais de extrema-direita, fazendo a realidade dobrar aos fatos.

Dentre as hipóteses estapafúrdias e delírios paranoicos, levanto a hipótese de trabalho interno, nada de hackers, espiões ou roteiros de filmes do 007, trago para vocês a vida real, menos emocionante, menos dinâmica e mais possível. Para a infelicidade da extrema-direita brasileira nome do hacker pode ser: Aceso remoto.

 

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum