O vídeo da reunião impôs mais uma humilhação aos militares

Leia a análise de Cleber Lourenço sobre os efeitos da divulgação da reunião ministerial de Bolsonaro

Por anos, o poder de coação e intimidação do exército ficou apoiado na sua capacidade de garantir o monopólio do uso da força pelo Estado. Não é por menos que as forças armadas eram menos “problemáticas” nos governos que vieram antes do ex-presidente Lula assumir a presidência da república.

Sucateados, com falta de verba e orçamento. Não era desleixo, não era incompetência. Era prudência, os militares não devem em hipótese alguma se envolverem na sociedade civil.

Não é por menos que até 2002, tivemos menos “problemas” com generais do que nos anos seguintes.

Em 2015 (governo Dilma), investimos 31,9 bilhões de dólares em nossas forças armadas, mostrando que o país investiu até mesmo mais que Israel! Sem falar do uso excessivo das forças armadas em ações de segurança pública, algo que foi até mesmo banalizado por governadores e principalmente pelo estado do Rio de Janeiro.

Ainda em 2008 o próprio general Heleno já causava problemas e incômodos para a sociedade democrática.

Ele foi chamado à capital federal para esclarecer as críticas que fez no seminário Brasil, Ameaças à sua Soberania, no Clube Militar. Ele definiu a política indígena brasileira como “caótica” e “lamentável” e criticou a demarcação em área contínua da Reserva Indígena Raposa Serra do Sol.

E depois disso foi uma sucessão de problemas e embates com militares que não se contentável com suas obrigações e com a permanência em seus devidos moldes institucional, o auge disso tudo foi o já combalido General Villas Bôas ameaçando o Supremo Tribunal Federal na véspera do julgamento envolvendo o ex-presidente Lula. Deveria ter sido algemado e punido, infelizmente não foi.

Desde então a ousadia dos militares em interferir na sociedade civil não teve limites, a tal ponto que chegamos na situação onde estamos, onde os militares não conseguem sair do abismo em que se colocaram.

A revelação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril mostrou que o problema é muito mais grave.

Entre dois generais (Mourão e Braga Netto) Bolsonaro se sentiu confortável de afirmar que defende a “milicianização” do país, com população armada para fazer frente às forças de segurança.

Milícias são prejudiciais para as forças armadas pois competem com o seu monopólio de força e violência.  Além disso a criação de milícias armadas promove e estimula a insubordinação na tropa, algo que o presidente busca desde antes de assumir a presidência.

Mas vai ter golpe?

O apoio para uma intentona e avanço contra a democracia ainda não é um consenso entre a cúpula militar. Isso já ficou claro em mais de um momento, inclusive, este que vos fala já esqueceu uma penca de colunas sobre o assunto.

Acontece que agora temos mais uma informação interessante. Um grupo com 100 generais e coronéis da reserva defende posse de Alexandre Ramagem na Polícia Federal desrespeitando a suspensão de nomeação determinada por STF. Fazem uma espécie de “lobby” dentro das forças armadas.

A atuação do grupo deixa ainda mais estridente que ainda não existe um consenso entre os fardados para solaparem a democracia, mas ao mesmo tempo indica que mesmo sendo um grupo da reserva, militares já começam a serem seduzidos pelo canto da sereia golpista.

Vamos para mais uma discordância na cúpula. A colunista do UOL, Carla Araújo publicou a declaração em off de um general da ativa que afirmou: “fogo se apaga com água, mas não falta quem jogue gasolina. É lamentável. Um gesto faz cruzar uma linha, que provoca uma reação e assim por diante”.

Por enquanto tudo é muito incerto, a única coisa que sabemos é que os militares estão emparedados. Já falei aqui, terão que escolher entre a pátria e Bolsonaro.

Avatar de Cleber Lourenço

Cleber Lourenço

Não acho que o debate politico e o jornalismo precisem distribuir informação de forma fria e distante dos leitores, notícias são somente úteis no contexto do cotidiano e é nisso que acredito.

E-mail: cleber@ocolunista.com.br

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR