o colunista

por Cleber Lourenço

O que o brasileiro pensa?
21 de julho de 2020, 22h25

Onde estavam Tabata Amaral e o Todos Pela Educação na defesa do CAQ?

Leia na coluna de Cleber Lourenço: "Na madrugada de hoje houve um grande alvoroço entorno da medida que estaria sob o risco de ser removida da votação do Fundeb pelas mãos da base de apoio do governo federal e com a leniência de alguns movimentos que buscam renovação política"

Tabata Amaral (Reprodução)

Hoje tivemos um marco, a aprovação do Fundeb à contragosto do governo federal e de alguns partidos “novos” na praça.

Entre todos os pontos o mais importantes, se tornou imperativo implementar o Custo Aluno Qualidade – CAQ como parâmetro para o financiamento da educação de todas etapas e modalidades da educação básica, a partir do cálculo e do acompanhamento regular dos indicadores de gastos educacionais com investimentos em qualificação, remuneração e investimento em estrutura para escolas e estudantes.

Em outras palavras, definirá um investimento mínimo por estudante no país. Segundo especialistas da área da educação, a medida é fundamental para a redução da desigualdade, assegurando que todos os estudantes do Brasil tenham condições mais justas e reconhecendo que deve existir um nível de qualidade padrão para todas as escolas.

Na madrugada de hoje houve um grande alvoroço entorno da medida que estaria sob o risco de ser removida da votação do Fundeb pelas mãos da base de apoio do governo federal e com a leniência de alguns movimentos que buscam renovação política.

No auge do debate, não tivemos nenhum posicionamento claro da deputada Tabata Amaral e tampouco da presidente do movimento Todos Pela Educação, Priscila Cruz.

Leia também: Uma educação em maus lençóis

Na verdade, o que houve foi uma verdadeira ginástica nas redes para evitar o assunto. Mesmo com o clamor de eleitores e seguidores, o debate se manteve afastado.

No caso de Tabata o caso seria ainda mais grave. A sugestão (de número 12) defendida por ela e pelos deputados Raul Henry, Felipe Rigoni, Tiago Mitraud, Pedro Cunha Lima, Marcelo Calero e Israel Batista era de jogar o CAQ em segundo plano.

“Propomos que seja retirada a menção ao Custo Aluno Qualidade e à responsabilidade solidária do texto como forma de se evitar judicializações.”

O texto ainda diz que o assunto seria de legislação infraconstitucional, uma velada minimização da importância deste dispositivo.

Para a nossa sorte o CAQ agora estará na Constituição Federal e não será pelas mãos da “defensora” da educação.

Do que adianta enfrentar os escabrosos ministros da Educação do governo Bolsonaro se não buscar revolucionar a educação de maneira concreta?

Gostaria de lembrar que Tabata, no ano passado, durante seu embate com o ex-ministro Velez Rodriguez, disse que o seu planejamento para o Fundeb era uma mera carta de boas intenções. Pergunto agora: quem está munido apenas de boas intenções? Quem não está defendendo um sistema mais justo e igualitário de distribuição de recursos?

Conversei também com a acadêmica Priscylla Silva, que sugeriu a leitura da página 19 do texto da Professora Dorinha (DEM-TO), relatora do texto do Fundeb. Segundo ela, lá fica explícito o quanto esses movimentos de renovação, na verdade, querem é mudar o dono da bola, mas não o campo do jogo.

Além disso, ela também aponta que a proposta de bonificar com um adicional de 10% do montante da complementação da União ao Fundeb, as redes de ensino dos entes federados que “alcançarem evolução significativa em processos e resultados educacionais” é uma outra cilada, podendo promover o efeito inverso, punindo professores e escolas com baixos resultados em teste e exames. Veja a argumentação completa aqui.

Em tempo: por qual motivo a presença de pesquisadores de universidades, sindicatos e organizações estudantis é escassa nos projetos “pela” educação tocados por Tabata?

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags