o colunista

por Cleber Lourenço

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
25 de junho de 2019, 06h00

Os fantasmas de 2013: PEC 37

Cleber Lourenço: “Se a moda pegar, eu, você e qualquer um que precise da justiça sofreremos com a amizade entre um juiz e um procurador e a politização de um judiciário ávido por punir”

Dallagnol e Sergio Moro (Foto: Arquivo)

Uma hora seria inevitável falar sobre 2013, mais especificamente um episódio em particular: a PEC 37. Mas, antes de tudo, o que era?

A PEC buscava retomar o sistema de pesos e contrapesos na organização do Estado, de forma que não houvesse um descompasso que pudesse atingir os direitos e as garantias dos cidadãos, dentro do sistema penal brasileiro. A PEC propunha um novo parágrafo na constituição, o 10º ao Artigo 144 da Constituição:

§10. A apuração das infrações penais de que tratam os §§ 1º e 4º deste artigo incumbem privativamente às policias federal e civis dos Estados e do Distrito Federal, respectivamente.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

A PEC que foi apelidada por “PEC da impunidade” ganhou este título de forma injusta, pois ela apenas previa algo que agora com os vazamentos ficou ainda mais evidente: o problema da concentração do poder de investigação nas mãos do Ministério Público e o desequilíbrio que isso causa entre acusação e defesa. Provas que favoreçam o acusado podem ser “esquecidas” ou deturpadas, porque a missão do promotor é postular a punição. Assim como assistimos neste final de semana com Moro e Deltan, que tentaram esconder uma planilha da Odebrecht, pois esta teria políticos, logo o caso teria que ir ao STF, saindo das mãos da “Gestapo de Curitiba”.

Acontece que no Brasil em que vivemos os fins justificam os meios, mesmo que isso signifique estrangular o Estado Democrático de Direito e a Constituição. Qualquer sociedade séria repudia a máxima de que se pode condenar a qualquer preço. Esta lógica é de exclusividade de ditaduras e ditaduras disfarçadas de democracia (Turquia mandou abraços). Acontece que, além disso tudo, ainda temos um MP que julga possuir o monopólio do combate à corrupção, se consolidando como uma espécie de 4º poder, superior aos outros três. E sempre que um poder (mesmo que o MP não seja um poder) decide se posicionar acima dos demais, há um risco sério para os cidadãos, para a democracia, para a sociedade como um todo.

Infelizmente em 2013 já era possível ver o aparato político que se construía no MP. O órgão e seus membros fizeram propagandas na TV, articularam com movimentos de rua e fizeram até manifestações, passeatas e campanhas nas redes sociais. Tudo para desmerecer a PEC 37. E o pior: boa parte da esquerda brasileira embarcou em fazer oposição para algo que poderia ter parado a Lava Jato ali.

Basta ver pela sua votação: apenas nove deputados votaram em defesa da PEC, enquanto outros 430 foram contra. É claro que o lado do “sim” não ajuda, entre eles temos Valdemar Costa Neto.

Porém, a mesma esquerda que encampou o fim da PEC 37 e principalmente o PT (que esteve em peso entre os 430 votos) assistiram de camarote a uma perseguição jamais vista antes, com núcleo no MP na vanguarda de uma campanha jamais vista, com abuso de autoridade, mais do que nas polícias civis e Federal, alvos de acusação do MP na ocasião.

Note: o PT, que foi alvo da sanha lavajatista no topa tudo para prender Lula, foi o mesmo que assistiu uma epidemia de encarceramento em massa nos seus governos.

Palavra do então presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, Alexandre Camanho, que, na ocasião, disse que a polícia não tem isenção nem estrutura para monopolizar investigações criminais.

Agora todo mundo entende por que o jogo foi tão pesado pra barrar a PEC? Alguém que distorceu as informações na época pra não deixar a PEC ser aprovada vai se retratar? Claro que não.

Não é por menos que a operação teve início em 17 de março de 2014, pouco menos que dez meses após a queda da PEC. E assim criou-se com a operação o Partido Lavajatista.

Tenho arrepios só de pensar na teoria amalucada de agentes da CIA por trás dos protestos de 2013, mas é inegável que agentes políticos do próprio Brasil trabalharam ativamente para manobrar as manifestações em prol de seus próprios interesses.

Afinal de contas, o que seria do Partido Lavajatista sem a sua PEC 37?

Vejam só no monstro que a operação se tornou, mesmo com a existência de um Conselho do Ministério Público para coibir abusos, os mares de vazamentos, de manipulações e ações milimetricamente programadas para atingir a política brasileira e rebaixá-la para o que vivemos hoje.

Pior ainda é ver procuradores agindo como tietes de um juiz, que era conhecido do coordenador da operação, chegando a determinar, inclusive, quem deveria ou não estar nas inquirições e cobrar operações dentro da LJ!

A coisa é tão absurda que, em pleno ano eleitoral, o Ministério Público acusou Fernando Haddad de enriquecimento ilícito, acusação que caiu por terra em maio do ano seguinte, uma ilação feita apenas e unicamente com o objetivo de prejudicar aquele que seria o substituto de Lula no pleito de 2018.

Logo, não seria a hora de trazer de volta para a mesa a PEC 37? E acima de tudo punir os envolvidos na criação do Partido Lavajatista? 2013 já passou, mas seus fantasmas ainda nos assombram. Porém, ainda temos a oportunidade de repararmos alguns erros.

O quão profundo a Lava Jato precisará empurrar o país para que a sociedade se espante com o monstro que foi criado? Não ache que apenas os políticos são os atingidos. Se a moda pegar, eu, você e qualquer um que precise da justiça sofreremos com a amizade entre um juiz e um procurador e a politização de um judiciário ávido por punir, não importa quem. Eles precisam apenas exibir cabeças.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum