sexta-feira, 25 set 2020
Publicidade

Revelação do Intercept coloca família Bolsonaro no caso Marielle (novamente)

A reportagem deste sábado (25) do The Intercept Brasil revelou que o filho de Jair Bolsonaro lucrou com a construção ilegal de prédios erguidos pela milícia usando dinheiro público. É o que mostram documentos sigilosos  aos quais o portal teve acesso.

O andamento dessas investigações é um dos motivos para que o presidente tenha pressionado o ex-ministro Sergio Moro pela troca do comando da Polícia Federal no Rio, que também investiga o caso, em Brasília.

Antes de começarmos, recomendo que leia minha coluna do ano passado onde falo sobre os 16 anos de Bolsonaro com as milicias.

Vamos ao que importa. Para que tudo faça sentido, precisamos focar no discurso destrambelhado do presidente que foi feito nesta sexta-feira (24) em replica ao discurso de Sergio Moro. Aqui, já pegamos algo interessante: Bolsonaro admitiu que pediu troca da PF no Rio por caso Marielle.

O começo do discurso não trazia grandes novidades quanto à loucura do presidente. Contudo, acabou virando uma tentativa desesperada de desvencilhar-se dos mais de 16 anos de elogios e aproximações com milícias e milicianos.

O desespero começou aqui: “Será que é interferir na Polícia Federal quase que exigir, implorar a Sergio Moro, que apure quem mandou matar Jair Bolsonaro? A PF de Sergio Moro mais se preocupou com Marielle do que com seu chefe Supremo”. E continuou: “Cobrei muito deles isso daí. Não interferi. Eu acho que todas as pessoas de bem no Brasil querem saber. Entendo, me desculpe senhor ex-ministro: entre meu caso e o da Marielle, o meu está muito menos difícil de solucionar”.

O que o presidente diz não fez sentido, se ele queria tanto respostas sobre o caso Adélio Bispo, por qual motivo a defesa do presidente não recorreu contra decisão que absolveu o agressor?

Foi quando ele mencionou o caso das gravações do porteiro: “Será que é pedir à Polícia Federal, quase implorar, via ministros, que fosse apurado o caso Marielle, no caso porteiro da minha casa 58, na avenida Lúcio Costa, 3100?”

A coisa fica pior ainda quando lembramos que o MP carioca desmentiu o tal do porteiro que incluiu Bolsonaro no caso Marielle sem perícia o computador onde estavam os arquivos.

Além disso, a planilha de acesso ao condomínio só se tornou alvo da investigação em outubro, quando peritos conseguiram acessar dados do celular de Lessa. O aparelho foi apreendido em março, no dia da prisão, mas estava bloqueado por senhas.

Ao conseguir desbloquear o celular, os investigadores notaram que a mulher de Lessa enviou em janeiro para o marido uma foto da planilha de entrada do condomínio que indicava acesso à casa 58, que é a casa de Jair Bolsonaro. Para piorar, o porteiro que liberou a entrada do miliciano não era o mesmo que prestou depoimento.

Em nenhum momento Moro ligou Bolsonaro a milícias em sua despedida. Então, por qual motivo o presidente se desesperou em comentar todos os episódios que envolvem as milícias e sua família? Acha que estou exagerando? Confira a íntegra do discurso do ministro.

No final de 2019, Bolsonaro agiu de forma semelhante ao afirmar, do nada, o seguinte: “Vocês sabem o caso do Witzel, foi amplamente divulgado aí, inteligência levantou, já foi gravado conversa entre dois marginais citando meu nome para dizer que eu sou miliciano. Armaram”.

E mais! Quem seria essa “inteligência” que Bolsonaro menciona, a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN)? O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI)? Fiz todas estas perguntas em uma coluna na ocasião.

Uma semana antes Bolsonaro já havia falado sobre a mesma coisa, algo que também pontuei: “No caso Marielle, outras acusações virão. Armações, vocês sabem de quem”.

A horda bolsonarista ficou em pânico por dias e o Palácio do Planalto também. Bolsonaro e apoiadores tentaram tirar o foco de tudo com uma história sobre um câncer de pele do presidente.

É agora que pegamos o pulo do gato! Bolsonaro sancionou uma lei que dispensa o Habite-se, documento obrigatório para escrituração de imóveis. A nova lei permite que famílias situadas em áreas de baixa renda registrem seus imóveis sem a apresentação da certidão do Habite-se.

Morte encomendada

Em dezembro de 2018, o general Richard Nunes, que era secretário da Segurança Pública do Rio, afirmou que a morte de Marielle estava encomendada desde 2017. Segundo palavras do general: “Milícia matou Marielle pela ocupação de terras”.

Agora, em uma confluência de coincidências, o The Intercept Brasil revelou que a investigação do Ministério Público carioca aponta que Flávio se beneficiava das ocupações de terras e construções de edifícios pelas milícias.

Reforço! A matéria apontou que a rachadinha no gabinete estava financiando a ocupação e construção ilegal pelas milícias, segundo o MP.

A investigação mostra que a mãe e a mulher de Adriano movimentaram ao menos R$ 1,1 milhão no período analisado em paralelo com a rachadinha por meio de contas bancárias e repasses em dinheiro a empresas, entre elas, uma loja de material de construção

Adriano da Nóbrega e dois outros oficiais da PM integrantes do grupo – o tenente reformado, Maurício da Silva Costa, e o major Ronald Paulo Alves Pereira – usaram, segundo os promotores, nomes de moradores de Rio das Pedras para registrar as construtoras na junta comercial do Rio.

Sabe quem é Ronald Paulo Alves Pereira? Suspeito de envolvimento no assassinato de Marielle Franco. Para onde ia o dinheiro segundo a investigação? Para a milícia acusada de organizar e planejar a morte da vereadora.

Dados do inquérito que o The Intercept teve acesso comprovam que Adriano, Costa e Ronald Pereira eram os “donos ocultos” das construtoras ConstruRioMZ, São Felipe Construção Civil e São Jorge Construção Civil. As três empresas foram registradas na junta comercial no segundo semestre de 2018.

Tanto Adriano quanto Ronald foram condecorados por Flávio Bolsonaro. Isso quando já estavam sendo acusados de envolvimento em uma chacina. Segundo um ex-colega de cela do miliciano morto Adriano Magalhães, Flávio era um visitante costumaz da carceragem.

Um outro ponto que chama a atenção nesse caso todo é a morte do miliciano Adriano Magalhães.

Eduardo esteve em Salvador no mesmo final de semana em que o miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega foi morto em uma operação da polícia na cidade de Esplanada, na região rural do Estado da Bahia, que está a cerca de quatro horas de distância da capital Salvador.

Eduardo inclusive suspendeu, dias antes, na mesma sexta-feira, sua agenda pela região Nordeste, conforme um vídeo divulgado para seus apoiadores. Se você ainda não acha que a revelação do Intercept foi grave, tenho uma péssima noticia: perdemos a noção de gravidade nesse país.

 Tudo que foi publicado hoje é grave. Infelizmente, temos um presidente que comete barbaridades diariamente e banalizou isso. Entendam. Diferente dos apoiadores de Jair Bolsonaro, eu jamais irei trabalhar com a presunção de culpa, são todos inocentes até que se prove o contrário. Porém, o que mais me incomoda nisso tudo são as “coincidências”.

Essa publicação tem como fonte uma série que publiquei no meu Twitter:

Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum

Cleber Lourenço
Cleber Lourenço
Não acho que o debate politico e o jornalismo precisem distribuir informação de forma fria e distante dos leitores, notícias são somente úteis no contexto do cotidiano e é nisso que acredito. E-mail: [email protected]