o colunista

por Cleber Lourenço

O que o brasileiro pensa?
08 de junho de 2020, 22h13

Um governo de cristal e uma saída difícil

Leia na coluna de Cleber Lourenço: A saída desse problema, com nome e sobrenome, que o Brasil se meteu, não será simples ou fácil. É uma construção, e até lá vamos penar bastante com os descalabros do governo

Foto: Isac Nóbrega/PR

Já faz algumas semanas (ou até meses) que uso essa minha coluna tirar vocês do que eu chamo de “política do hype”. Pintar um inimigo maior do que ele é para tentar dar algum senso de urgência em algumas pautas ou debates e achar que existem soluções fáceis para problemas complicados.

Infelizmente a política não é a arte do que é “ideal”, mas sim, do que é possível de se construir para todos.

Bolsonaro recuou quanto à divulgação dos dados da pandemia. Além dessa derrota, sua ação inicial propiciou que outras instâncias do Estado brasileiro se fortalecessem, principalmente para no que diz respeito à descentralização do governo, dando mais autonomia e força para prefeitos e governadores. O que é excelente para a democracia.

O problema é que essa movimentação é uma faca de dois gumes. Bolsonaro, infelizmente, fortalece instâncias regionais ao mesmo tempo em que depreda e fragiliza a confiança da população nas instituições do Estado.

Além disso, Bolsonaro, de pouquinho em pouquinho vai esgarçando a democracia. Já falei: não estamos próximos de um golpe militar, ele nem mesmo está no horizonte das especulações possíveis, mas algumas situações estranhas começam a acontecer.

Até mesmo o risco de “golpe” com a PM está se dissolvendo e virando coisa do passado. Os devidos aumentos salariais para policiais militares já foram distribuídos. De barriga cheia, ninguém arruma briga.

E mais, o Exército já deixou claro que não irá embarcar uma intentona direitista contra a democracia. Estão acomodados no aparelhamento da máquina estatal com os “ilibados” políticos do centrão. Bastam algumas cacetadas nas instituições e as corriqueiras ameaças ao STF e pronto! Já são atendidos sem botar um tanque na rua.

Leia também: Tropa vê Bolsonaro como alucinado e Braga Netto como presidente

Logo, o problema do esgarçamento da democracia não é algo para nos preocuparmos com Bolsonaro, mas sim para o caminho que poderá estar abrindo para quem seja capaz de solapar a democracia. Este alguém não é o presidente Bolsonaro.

O vai e vem com os dados da Covid-19 no Brasil e até mesmo a desistência de Carlos Wizard em participar do governo só deixaram estridente o quão Bolsonaro é frágil.

Leia também: O vídeo da reunião impôs mais uma humilhação aos militares

Além disso, a sociedade brasileira como um todo precisa saber que não existe uma “bala de prata” contra o bolsonarismo. Na política não existem soluções fáceis para problemas difíceis e, para ser franco, todo o mote da campanha de Jair Bolsonaro foi baseada nisso, até mesmo a gestão da crise com a Covid-19 (cloroquina de Jesus) é pautada com esse norte.

O impeachment é uma solução para um problema, por isso não existe outra interpretação, deve ser utilizado quando necessário, quando não restar dúvidas de sua efetividade.

As instituições vêm fazendo o seu bom trabalho de contenção do bolsonarismo. Até mesmo a pressão social de um boicote que afastou Carlos Wizard do Ministério da Saúde e as manifestações de rua contra o governo fez isso.

A saída desse problema, com nome e sobrenome, que o Brasil se meteu, não será simples ou fácil. É uma construção, e até lá vamos penar bastante com os descalabros do governo.

Porém, se a gestão da Covid-19 se manter inalterada, certamente o governo não chegará em 2022.

Diversas pesquisas mostram que a atual base de apoio do presidente da República gira em torno de 30%, ou seja, ainda há um longo caminho pela frente.

Ninguém melhor que os políticos para falar sobre política, não é por menos que ainda não há uma campanha aberta por ele, nem mesmo pela oposição, que fez sua parte fazendo os pedidos e aguardando o momento em que será necessário.

Notem: Rodrigo Maia (DEM-RJ) não arquivou nenhum pedido, nem mesmo sinalizou qualquer tipo de movimentação. Ele não quer reforçar a narrativa vitimista do bolsonarismo de perseguição.

É um governo frágil com um presidente fraco e que não sabe se articular, vide que as negociatas com o centrão foram manobradas pelos militares, não pelo presidente.

Bolsonaro não será mais eterno que os diamantes.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum