ONU pede proteção a mulheres e crianças vítimas de violência doméstica

"Infelizmente, muitas mulheres e crianças estão particularmente em risco de violência exatamente onde deveriam ser protegidas. Nas suas próprias casas. É por isso que hoje apelo por uma nova paz em casa, nas casas, em todo o mundo", afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres

De acordo com a Agência Brasil, o secretário-geral da ONU lançou um apelo global para que se protejam mulheres e crianças que estão em casa desprotegidas pelo confinamento provocado pela pandemia da covid-19, que vem aumentando os números de violência doméstica.

António Guterres pediu que fossem estabelecidos “sistemas de alerta de emergência em farmácias e lojas de alimentos”, locais que permanecem abertos na maioria dos lugares onde foi adotada a quarentena.

“Devemos garantir que as mulheres possam pedir ajuda de maneira segura, sem que os que as maltratam percebam”, disse ele.

“A violência não se limita ao campo de batalha”, afirmou o secretário em vídeo em inglês, com legendas em francês, árabe, espanhol, chinês ou russo.

“Infelizmente, muitas mulheres e crianças estão particularmente em risco de violência exatamente onde deveriam ser protegidas. Nas suas próprias casas. É por isso que hoje apelo por uma nova paz em casa, nas casas, em todo o mundo”, afirmou o secretário.

“Nas últimas semanas, à medida que as pressões econômicas e sociais pioraram e o medo aumenta, o mundo vive um surto horrível de violência doméstica”, disse Guterres.

“Peço a todos os governos que tomem medidas para prevenir a violência contra as mulheres e forneçam soluções para as vítimas, como parte dos seus planos de ação nacional contra a covid-19”, acrescento ele.

O novo coronavírus já infectou mais de 1,2 milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 68 mil. Mais de 283 mil pessoas são considerados curadas.

Publicidade

Avatar de Clara Averbuck

Clara Averbuck

Escritora e jornalista, autora de 9 livros.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR