Luana Araújo, a médica que abalou a CPI, já foi Luana Mariano na banda The Lioness e tocou na noite do Rio

Infectologista com mestrado na Universidade de John Hopkins começou a tocar piano aos 2 anos de idade

A médica Luana Araújo, infectologista com pós-graduação em Epidemiologia na Universidade de John Hopkins que marcou presença na CPI da Covid-19, nesta quarta-feira (3), já foi conhecida como Luana Mariano nas noites cariocas. Ela cantava na banda The Lioness e chegou a gravar um EP autoral (ouça abaixo).

A carreira como artista começou antes mesmo da Medicina, quando Luana tinha apenas 2 anos. Segundo reportagem do jornal Extra, ela aprendeu a tocar piano nessa idade. No Instituto Villa-Lobos, na capital paulista, foi orientada por professores de renome.

Aos 11, Luana participou do Festival de Inverno de Campos do Jordão, e logo depois ganhou uma bolsa de estudos para morar em Viena, na Áustria, onde se formou musicista.

Em 2016, morando em Belo Horizonte, Luana investiu no primeiro EP com a banda The Lioness. Antes de lançar seu próprio álbum, Luana também fez diversas participações em clubes de jazz europeus e americanos.

Na CPI da Covid-19, a médica chamou atenção por seus posicionamentos contra o “tratamento precoce”, método defendido pelo governo de Jair Bolsonaro na pandemia. A profissional defendeu limites à autonomia médica, princípio que tem sido defendido por bolsonaristas para que profissionais de saúde possam receitar remédios para pacientes infectados.

Em outro trecho de seu depoimento, Luana também criticou a “politização” que, segundo ela, está afugentando os “maiores talentos” para se trabalhar no enfrentamento à pandemia no governo Jair Bolsonaro.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR