“Representatividade LGBT está apenas no começo”, diz diretor da Marvel

Kevin Feige, diretor do Marvel Studios afirmou que o filme "Eternos", que terá um personagem gay, chega com muito atraso em relação aos quadrinhos

O diretor do Marvel Studios, Kevin Feige, declarou durante a première de “Eternos”, realizada na noite desta segunda-feira (18), em Los Angeles, que a representatividade LGBT nos filmes da produtora chegam com muito atraso em relação aos quadrinhos.

O chefe da Marvel se referia ao personagem Phastos, que está em “Eternos” e será o primeiro assumidamente gay nos filmes da MCU (Marvel Cinematic Studios).

“Nós tivemos super-heróis gays nos quadrinhos antes, e acho que já passou do tempo de isso acontecer nos filmes. É só o começo”, declarou Kevin Feige à Variety durante o tapete vermelho de Eternos.

Eternos

Os Eternos surgiram em 1976 nos quadrinhos e são uma raça de super-humanos criados pelos alienígenas Celestiais durante a sua vista à Terra. Mas, ao mesmo tempo em que conceberam este grupo, os experimentos genéticos dos Celestiais originaram também os Deviantes, uma espécie de “face corrompida” de suas primeiras criações.

Além do personagem Phastos, que será interpretado por Brian Tyree Henry, o elenco do longa conta com Angelina Jolie, Kit Harrington, Richard Madden e Salma Hayek, entre outros.

Além disso, o filme é dirigido por Chloé Zhao, que recebeu a estatueta do Oscar de melhor direção e filme por “Nomadland”.

O filme estreia no Brasil em 5 de novembro.

Com informações do Omelete.

Publicidade

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR