Vídeo: Multidão saúda Lula durante show de Chico Cesar e Geraldo Azevedo

Antes disso, o nome do ex-presidente Lula já havia sido celebrado durante a confraternização de um bloco de Carnaval, também no centro do Rio de Janeiro

Publicidade

O ex-presidente Lula (PT) foi ovacionado por milhares de pessoas ao final do show lotado dos músicos Chico César e Geraldo Azevedo.

A apresentação dos artistas foi realizada neste sábado (4), no tradicional Circo Voador, casa de espetáculos histórica da Lapa, no Rio de Janeiro.

Publicidade

A imensa maioria do público presente gritou “Olê, olê, olê, olá. Lula, Lula”, como mostram vídeos que circulam nas redes sociais.

Antes do show de Chico Cesar e Geraldo Azevedo, o nome de Lula também foi celebrado durante a apresentação de um bloco de Carnaval, também no centro do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Em 2018, Chico Cesar divulgou um poema para denunciar a prisão injusta de Lula

O cantor e compositor Chico César, sempre foi apoiador de Lula. Em 2018, ele divulgou um poema no dia em que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) confirmou a condenação do ex-presidente e aumentou sua pena para 12 anos e um mês de prisão. Acompanhe:

“Aos idiotas
Antipatriotas
Vendilhões do templo-nação
Digo não
Aos canalhas
E à toda tralha
Que odeia quem trabalha
Digo: Vês, chegará vossa vez
E a vocês restará o lixo da história
Ao juiz
Magistrado pau-mandado
Atolado na toga alugado
Te digo: infeliz meretriz algoz voraz
Tua alma sem paz
Tua casa sem calma
Tua palma à palmatória
Tua fala fina alegrando a escória
Teus dias de triste glória
Tudo finda e ainda tua gala espúria
Aos donos das tvs e dos jornais aliás não digo
Grito: inimigo!
Teu castigo com vigor virá e vigorará
A falência
A concordata
O preço da cocaína
A fuga de anunciantes
E as empresas claudicantes mediante e mendicantes à ruim ruína
Ao construtor do novo e seu motor
Digo amor amante avatar avante
Irradia radiante a ira que doravante empinarás pelas ruas
Que todo pelego em desassossego se torne assustado
Para dormir um olho aberto e outro fechado
Para comer temer o veneno
Para trepar temer o punhal
Em todo pipoco esperar a bomba a bala o terror
Que a cruviana do tempo sopre e alopre até arrancar os telhados de vidro”.

Publicidade
Publicidade
Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.