Aécio nega ter contestado vitória de Dilma em 2014 e diz que foi o último, junto com FHC, a aderir ao impeachment

Aécio defende que PSDB abra mão da cabeça de chapa em 2022 e ironiza Doria, que teria um conselho para dizer que "o terno estava bonito, a gravata belíssima e o cabelo bem penteado". "Aí ele dorme na ilusão de que é o sujeito mais querido do Brasil"

Alçado à presidência da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional na Câmara, substituindo Eduardo Bolsonaro em um grande acordo com a base governista, Aécio Neves (PSDB-MG) deixou o ostracismo e foi levado de volta às páginas políticas – e não policiais – dos jornais em longa entrevista a Igor Gielow, na edição deste sábado (13) da Folha de S.Paulo.

Em tom diplomático, Aécio negou ter questionado o resultado das eleições de 2014, em que foi derrotado por Dilma Rousseff (PT), e afirmou que foi o último, junto com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a aderir ao impeachment da presidenta em 2016.

“Eu não questionei o pleito, tanto que liguei para Dilma e a cumprimentei. Questionamos se havia manipulação nas urnas e não houve resposta conclusiva. Em relação ao impeachment, faço uma confissão. As duas últimas pessoas a aderir foram eu e o Fernando Henrique Cardoso”, afirmou, antes de confessar a participação no golpe, iniciado justamente quando não aceitou a derrota eleitoral. “O que ocorreu é que a paralisação do Brasil foi tamanha que sobrou para nós a responsabilidade de liderar. Foi uma onda gigante, o PSDB não faria nada sozinho”.

Eleições 2022
Rejeitando a pecha de bolsonarista – dizendo que não vê só “as agruras” no governo Jair Bolsonaro onde “há virtudes nas questões econômicas -, Aécio afirmou que não será mais candidato à presidência.

O deputado ainda defendeu que o PSDB abra mão da cabeça de chapa em 2022, desferindo várias estocadas no governador de São Paulo, João Doria, que o teria procurado pela primeira vez para pedir a presidência da Embratur no governo José Sarney, onde o paulista foi acusado de desviar 6 milhões de cruzados entre 1987 e 1988.

Em declaração recheada de ironias, Aécio diz que Doria “constituiu em torno de si o que chamamos de CCC, o Conselho do Cargo Comissionado”.

“São pessoas com funções de confiança do governo e que têm função partidária também. Eles se reúnem à noite com o governador para dizer que está tudo bem, que o terno estava muito bonito, a gravata era belíssima e o cabelo estava bem penteado. Aí ele dorme na ilusão de que é o sujeito mais querido do Brasil. Acho que foram esses conselheiros que levaram ele ao equívoco de que poderia tratar o PSDB como uma legenda qualquer. Ele cometeu um erro de avaliação e acho que aprendeu. O governador tem virtudes, mas sua obsessão pelo marketing impede que muitas dessas virtudes possam ser vistas”, afirmou.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR