Potência Política

por Adriana Mendes

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de março de 2020, 12h42

Podem dar flores e bombons, mas preferimos votos

Leia no blog Potência Política, de Adriana Mendes: "Aqui somos 52% da população e mães de todo o resto. Por que tão pouca representatividade nas câmaras, assembleias e no Congresso?"

Reprodução

A primeira vez que uma mulher votou no Brasil foi em 1880. A dentista Isabel de Mattos Dillon foi a pioneira, que aproveitou uma brecha da Lei Saraiva, na legislação brasileira. A lei, de 1880, dizia que todo brasileiro possuidor de um título científico poderia votar. E Isabel Dillon exerceu seu direito e solicitou sua inclusão na lista de eleitores do Rio Grande do Sul. Mas logo mudaram a lei e apenas homens com títulos tinham o direito ao voto. O primeiro país que garantiu o voto feminino foi a Nova Zelândia, em 1893, graças ao movimento sufragista liderado por Kate Shepard. No Brasil, somente em 24 de fevereiro de 1932, no governo de Getúlio Vargas, o voto feminino no Brasil foi assegurado.

Aqui somos 52% da população e mães de todo o resto. Por que tão pouca representatividade nas câmaras, assembleias e no Congresso? Com essas angústias e inquietações, o Coletivo Vote Nelas, do qual sou co-fundadora, realizou uma pesquisa qualitativa sobre mulheres candidatas, de 14 partidos e de todas as regiões do Brasil.

A Jornada da Candidata foi lançada em São Paulo e agora estamos levando os resultados para vários estados e cidades do País. As barreiras são muitas quando uma mulher resolve se candidatar, a começar pela falta de apoio familiar (“política é coisa de homem”, “pra que vai se meter em política?). Mas todas, as eleitas e não eleitas, não se arrependem e consideram a experiência transformadora.

Na semana passada, estive em Vitória (ES), para apresentar a Jornada da Candidata e foi impressionante o número de mulheres interessadas a se candidatar e, mais do que isso, em se eleger. E também a quantidade de homens querendo apoiar uma candidatura feminina. Na sequência já fui convidada para fazer a mesma apresentação em tempo maior. O homem que me convidou disse que precisamos de mais mulheres, líderes comunitárias, de associações, que também se vejam como candidatas.

Nesta semana estivemos no Instituto Federal de SP/Hortolândia, eu e a relações internacionais Amanda Brito, também co-fundadora do Vote Nelas. Foi gratificante ver tantos jovens, garotos e garotas, interessados em política e na representatividade feminina. Percebo, quanto mais falo com essa geração em que muitos que terão seu primeiro voto em 2020, como estão mais abertos, dispostos e igualitários.

Quanto mais eu vou a esses encontros e seminários, mais percebo como as mulheres estão interessadas em participar mais efetivamente da política, decidindo. Elas começam a ver seu destaque, seu valor na sociedade.

Nossa jornada seguirá até agosto, quando as candidaturas serão apresentadas. Até lá queremos mostrar que a igualdade nos locais de poder faz uma sociedade mais justa. O Brasil não é “homem branco”, queremos ver mulheres no poder, mulheres negras, mães, indígenas.

Vocês podem continuar dando flores e bombons no dia 8 de março, mas preferimos o seu voto em mulheres, neste ano de eleições tão importantes.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum