Quilombo

por Dennis de Oliveira

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
13 de junho de 2016, 12h17

Brasil pratica genocídio, diz comissão do Senado

A Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado que investigou o assassinato de jovens, presidida pela senadora Lídice da Mata (PSB/BA) e com relatoria de Lindbergh Farias (PT/RJ) concluiu, no seu relatório (clique aqui), a existência de um processo de extermínio de jovens negros no Brasil.

“A cada 23 minutos um jovem negro é assassinado. Isso equivale à queda de um jato cheio de jovens negros a cada dois dias. Genocídio da população negra é a expressão que melhor se enquadra à realidade atual do Brasil”, afirmou o relator da comissão.

Para a presidenta da CPI, “a situação do Brasil é considerada pela ONU como um estado de endemia, por isso queremos a aprovação desses três projetos que estão em pauta no Congresso Nacional porque são bandeiras que nos ajudariam a combater o problema”.

Um dos pontos destacados no relatório é a necessidade do fim dos autos de resistência. No relatório aprovado, este instrumento permite que um crime de autoria reconhecida seja anulado culpando a vítima.

“O que mais nos mata é que parece que nossos filhos não eram nada. O Estado não dá respostas em termos de justiça. Quando meu filho morreu, ele não teve voz, e nós não podemos deixar esse silêncio se perpetuar”.

Este depoimento de Vera Lúcia Andrade, do Movimento Mães de Maio, dá a exata dimensão do que é este processo de extermínio.

O Estado brasileiro é estruturado com base em três pilares: concentração de riqueza e patrimônio, cidadania restrita e violência com prática política central. O racismo é o elemento ideológico legitimador deste tipo de Estado. É ele quem define quem tem e não tem a riqueza, quem é e não é cidadão e quem é o autor e a vítima da violência.

O extermínio de jovens negros não é uma prática pontual. É sistêmica. Os autos de resistência são instrumentos institucionais para manter esta prática.

O mais grave é que o governo golpista, ao sinalizar para um corte nas políticas públicas e uma política de maior concentração de renda, tenderá a intensificar o extermínio. A presença de Alexandre Moraes no Ministério da Justiça é um indicador disto. Ele foi um dos principais gestores da política do extermínio em São Paulo.

(Informações retiradas do blog Negro Belchior)


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags