Quilombo

por Dennis de Oliveira

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
02 de dezembro de 2019, 16h52

Excludente de ilicitude é legalizar os massacres que ocorrem na periferia

No Blog Quilombo, Dennis de Oliveira avaliou o massacre de Paraisópolis: “A democracia não chegou na periferia – e essa turma (Moro, Bolsonaro, Doria, Witzel) quer impedir a qualquer custo que ela chegue”

Doria e Moro - Foto: Divulgação

A chacina praticada pela Polícia Militar em Paraisópolis, que vitimou nove jovens e deixou outra dezena de feridos, seria “legal”, caso estivesse valendo o princípio do excludente de ilicitude previsto na primeira versão do pacote supostamente anticrime do ministro Sérgio Moro. Os policiais poderiam alegar estar sob violenta pressão e emoção para justificar estas mortes.

Interessante as argumentações dos defensores desta chacina. Criminalizam o funk, dizendo que a música faz apologia ao sexo. Mas o funk é tocado em muitas festas de adolescentes e jovens de classe média e não se vê a Polícia Militar entrando lá e arrebentando tudo. O sexo de forma quase explícita também está presente em vários outros tipos musicais – lembro a música “Depois das Dez” interpretada por Simone em que a cantora, no show, simula uma masturbação entre almofadas. Não me lembro da Polícia Militar invadindo os shows de Simone e botando para quebrar.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Fala que os fluxos de funk perturbam o silêncio. Pergunto se a PM também entra reprimindo cultos religiosos que ocorrem as madrugadas com som altíssimo. Ou mesmo as baladas ou raves que acontecem em bairros de classe média, inclusive nas ruas.

E as drogas que rolam no funk? Pergunto se isso não acontece também nas baladas e raves da classe média, em festas universitárias… Não me recordo de ações policiais desse tipo.

O que diferencia, de fato, é que a cara dos que fazem os fluxos do funk é preta ou quase preta de tão pobre e que o território é a periferia.

Em outras palavras, são as senzalas modernas que no olhar dominante servem apenas para executar os serviços a preços de banana. Lazer, nem pensar.

Para garantir que isso se normalize, a polícia age – reprimindo, ferindo, matando. E Moro, Bolsonaro, Doria, Witzel querem simplesmente legalizar tudo isso com o tal “excludente de ilicitude”.  É a legalização do “mirar na cabecinha e atirar”.  Porque para essa turma, os meninos e meninas de Paraisópolis e de todas as favelas e periferias brasileiras não merecem ser jovens. E as lágrimas das mães e pais não têm valor. Sequer o direito de se despedir é garantido, como foi o caso da mãe do menino Lucas, que pôde ficar só 15 minutos no enterro do seu filho e ainda algemada.

A democracia não chegou na periferia – e essa turma quer impedir a qualquer custo que ela chegue.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum