Quilombo

por Dennis de Oliveira

Fórumcast, o podcast da Fórum
11 de abril de 2012, 08h20

Questões nebulosas sobre a presença da PM no campus da USP

A Universidade de São Paulo, desde o ano passado, vem passando por um intenso debate acerca da segurança, principalmente no campus Butantã. Após a tragédia que vitimou um estudante da FEA, vítima de latrocínio, o tema segurança passou a ser agendado na opinião pública como o maior problema da instituição.  Cerca de três meses após a entrada da PM no campus, a reitoria e o governo do estado “comemoraram” a queda de 92% nas ocorrências. A notícia não esconde o que tem sido prioridade na política de segurança na ótica conservadora: os índices que mais caíram e foram “comemorados” pelas autoridades foram a queda nos roubos e furtos de veículos, indicando a preocupação com a preservação do patrimônio.

O agendamento da opinião pública teve um caráter classista. Não obstante o caráter trágico da morte do estudante da FEA, os índices de violência na USP são muito inferiores a qualquer bairro periférico. Porem, o discurso midiático praticamente “naturalizou” a violência na periferia e “tornou trágica” qualquer ocorrência nos lugares onde a classe média e alta frequenta.

Por esta razão, passou quase que despercebido pela maior parte da mídia hegemônica a reportagem veiculada no Jornal da Band no início de abril que fala do envolvimento de policiais do 16º. Batalhão de Polícia Militar com a organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).  Segundo a reportagem, elaborada pelo jornalista Sandro Barboza, investigações da Corregedoria e da Polícia Civil sobre o envolvimento de PMs com o crime organizado tem sido sistematicamente ignoradas pelo comando da corporação.

Nos relatórios da investigação, constam suspeitas de envolvimento de policiais do 16º. Batalhão com o crime organizado e o tráfico de drogas que atua nas imediações do campus Butantã, principalmente na comunidade do Jardim São Remo. Entre as várias coincidências, o jovem que confessou ter matado o estudante da FEA é morador da São Remo e quando se entregou à polícia estava acompanhado de um advogado que tem um histórico de atuações em casos que há suspeitas de envolvimento do crime organizado. Ficou famosa a sua frase neste episódio de que “bandido profissional tem ética”.

Por isto, o episódio da presença da PM no campus tem questões mais nebulosas: por que os relatórios que investigam o envolvimento dos policiais com o crime organizado têm sido ignorados pelo comando da corporação? Quais são as ligações do PCC, tráfico na São Remo e o 16º. Batalhão? Estas informações são de grande relevância e trazem novos elementos para a discussão sobre a segurança e a presença da polícia no campus. Principalmente quando se observa uma tendência à radicalização da militarização da segurança no local com a contratação de um ex-coronel da PM para dirigir a segurança interna do campus.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum