Quilombo

por Dennis de Oliveira

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de junho de 2012, 06h23

USP: Formar elites ou promover a justiça social?

A luta pela implementação de cotas na Universidade de São Paulo já está tendo um ganho: forçar os contrários à implementação destas medidas a se exporem publicamente e apresentar suas opiniões.

O Núcleo de Consciência Negra da USP (NCN-USP) está realizando uma série de debates nas unidades da universidade para discutir a questão. Em várias delas, há a participação de pessoas vinculadas à administração da universidade que apresentam os argumentos de serem contrários às cotas: a questão do mérito medido pelo vestibular, o risco de queda de qualidade, entre outros.

Porém, no debate realizado no Instituto de Química, na terça-feira, dia 13 de junho, apareceu o argumento principal, que tangencia o que eu tenho falado por aqui: a USP é um espaço de formação de uma elite acadêmica, científica e cultural e não de justiça social. A foto ao lado foi tirada de um dos slides expostos por um professor do Instituto de Química que fez uma defesa do Inclusp – programa que concede pequenos bônus a alunos oriundos de escolas públicas – defendido pelo docente como um “empurrãozinho para o pessoal que vem do ensino público”.

Em outros gráficos, o docente fez simulações sobre o desempenho de negros e indígenas no vestibular, sempre na perspectiva de que a implantação de cotas traria para a universidade alunos com desempenho fraco no processo seletivo da Fuvest, o que poderia comprometer a qualidade da universidade. Ainda insisto nesta questão: há algum estudo que comprove que existe uma relação direta entre desempenho no vestibular, desempenho acadêmico e, posteriormente, desempenho profissional?

Mas quero voltar à questão da formação de uma “elite”. A professora Marilena Chauí, na já antiga mas ainda atual obra Cultura e Democracia apontava que a ideologia no capitalismo se dissemina por meio do que ela chama de “discurso da competência”, definido por ela como aquela narrativa que se adequa e legitima estruturas burocráticas – tudo em nome do funcionamento da instituição, inclusive as hierarquias.

Ao opor formação de uma elite e justiça social, o docente em questão coloca justamente a ideia de que elitismo não combina com justiça social. Em outras palavras, a manutenção de hierarquias – e, portanto, de privilégios – é legítima para o funcionamento da atual ordem. Ou, de outra perspectiva, a promoção da justiça social põe em risco a formação de uma elite.

Por isto, insisto que o que está em jogo é a manutenção ou não das aristocracias universitárias, conforme falei em post anterior. Agregue-se, ainda, que o docente frisou que se trata de um espaço de formação de uma elite para o “estado de São Paulo”, uma visão um tanto provinciana para uma universidade que se gaba de ser a primeira do ranking na América Latina e tem sempre aspirações de internacionalização.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum