escrevinhador

por Rodrigo Vianna

O que o brasileiro pensa?
09 de abril de 2016, 20h53

Perseguido por Moro e Globo, Lula sobe nas pesquisas e vira favorito pra 2018; tucanos despencam, e cai apoio ao impeachment de Dilma – diz DataFolha

O petista mostra, com essa reação, que tem lastro para se transformar em expectativa de poder futuro. Isso é vital na política. E pode decidir votação no dia 17.

por Rodrigo Vianna

A pesquisa DataFolha publicada neste fim-de-semana, a sete dias da votação do impeachment, é um balde de água fria para a oposição.

Depois de sofrer a mais dura campanha midiática movida contra um líder popular, desde o suicídio de Vargas em 1954, Lula é quem sobe em todos os cenários eleitorais. Ele e Marina lideram em todos os cenários. E o que é mais trágico para o PSDB: Aécio, Serra e Alckmin desabam nas intenções de voto.

Intenção de voto 2016

Num dos cenários propostos pelo DataFolha, em que concorrem os três tucanos, Sérgio Moro aparece à frente de Serra, e Bolsonaro tem mais votos que Alckmin.

eleicoes data folha 2016

Temer e Caiado – que recebem generosos holofotes da mídia, para berrar pela derrubada de Dilma – adquirem na pesquisa sua verdadeira estatura: são anões políticos, que aparecem com algo entre 1% e 2%, embolados com Luciana Genro.

Algumas conclusões:

  • o PSDB, que já perdera as ruas para a direita de Bolsonaro/Moro no dia 13 de março, agora perde também as urnas;
  • Marina pode, sim, surfar na onda da anti-política (mas é surpreendente que, poupada ao longo dos últimos meses, apareça atrás de Lula em vários cenários);
  • sem estrutura nem holofotes, Ciro se consolida como alternativa, e mostra ter viabilidade eleitoral como nome de centro-esquerda;
  • Lula é o único líder popular com lastro para se manter na luta, mesmo enfrentando a máquina midiática da família Marinho e a perseguição jurídica de Moro/Gilmar/Janot. 

Para completar o cenário trágico para a oposição: o apoio ao impeachment caiu de 68% para 61% neste último mês. Ou seja, a reação nas universidades, nas ruas, nas escolas e nas redes sociais deu resultado: o povo começa a perceber que há um golpe em curso.

Reparem que 61% de apoio é pouco, quando se sabe que o impeachment necessita de 2/3 dos votos no Congresso para prosperar. O apoio na sociedade está abaixo disso.

E mais: 58% dos entrevistados pelo DataFolha são favoráveis também à derrubada de Temer (número quase idêntico ao dos que pedem impeachment de Dilma). Ou seja: o jogo empatou. Temer não é alternativa a Dilma – clique aqui para saber mais.

Isso tudo tem importância na definição dos votos de parlamentares ainda indecisos ao longo desta semana. Agora, eles devem avaliar: vale a pena derrubar Dilma, num golpe que manchará a democracia, para colocar no lugar um anão político da estatura de Temer? O vice decorativo não tem votos e é tão rejeitado quanto Dilma (apesar de todo apoio que lhe presta a mídia).

De outro lado, surge a figura de Lula. É impressionante que Lula cresça no meio dessa tempestade. Para Aécio/Temer/FHC/Cunha/Skaf/Globo deve ser assustador ver que não mataram o inimigo. Ao contrário: a ação desastrada da direita mobilizou movimentos sociais e colocou o bloco lulista de novo na rua.

O petista mostra, com essa reação, que tem lastro para se transformar em expectativa de poder futuro. E isso é vital na política.

Quem pode ser poder, com apoio do povo? Temer? Ou Lula? FHC ou Lula?

Claro que os parlamentares indecisos serão constrangidos a votar contra Dilma. A máquina midiática e as falanges fascistas do MBL e outros seguirão atuando. Diante disso, parece claro que dificilmente o governo contará com mais de 140 ou 150 votos (se tanto) em plenário, para votar “Não” ao impeachment.

Mas podem acreditar: essa pesquisa DataFolha facilita a decisão de um número grande de parlamentares de centro-direita que darão apoio ao governo de forma indireta, faltando à sessão do dia 17 de abril – o que significará a derrota do impeachment.

Minha aposta hoje é de que a oposição consiga 300 a 320 votos. E o governo, cerca de 140/150. O quadro se completaria com 50/60 abstenções e/ou ausências.

O cenário indicado pelo DataFolha deve levar Moro/Cunha/Globo e parte da direita que embarcou no golpe a adotarem ações ainda mais tresloucadas nos próximos dias.

Vamos à lista de maldades e loucuras golpistas ainda por vir:

  • sindicalistas com quem falei nos últimos dias esperam, para segunda ou terça, uma ação espetaculosa de Moro contra centrais sindicais, tentando intimidar aqueles que articulam a resistência ao golpe de Cunha;
  • o plenário do STF pode endossar esta semana o veto de Gilmar/Janot a Lula no ministério (o que será inócuo, já que o ex-presidente seguirá articulando os votos contra o impeachment); mas a decisão jogaria Lula de volta a Curitiba e em tese abriria caminho para uma ação do juiz das camisas negras, na véspera da votação;
  • revistas semanais devem antecipar suas edições para quarta ou quinta, fornecendo material para que a Globo faça barulho em seus telejornais;
  • a Globo vai quebrar sua programação e transmitir a sessão do golpe comandado por Cunha no dia 17.

É o que alguns tucanos chamam de “a tempestade final”.

A essa altura, PSDB/Globo/Moro/Temer estão numa trilha sem volta.

Só o golpe salva essa gente.

No voto, terão que enfrentar um Lula que volta a crescer. Ou terão que se acertar com Marina.

Serra/Aécio/Temer: essa turma está morta no voto popular.

E minha aposta é de que o golpe será derrotado no dia 17. Por margem estreita.

Será preciso ter sangue frio e capacidade de resistência para aguentar a tempestade passar.

Dia 18 teremos um país ainda dividido, mas com uma direita definitivamente nas mãos dos Kataguris, Bolsonaros e Moros. O golpe de Cunha pode ser o canto do cisne para tucanos e peemedebistas.

O Brasil terá que decidir entre uma centro-esquerda renovada, ainda sob comando de Lula/Dilma, e uma nova direita alucinada. O PSDB vai cuidar de merendas e trens em São Paulo. E Temer voltará a ser o anão político, o mordomo de filme de terror.

Abaixo, mais números que devem fazer Ali Kamel, Merval Pereira e Serra arrancarem a calça pela cabeça ao longo das próximas horas…

datafolha dilma temer


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags