escrevinhador

por Rodrigo Vianna

O que o brasileiro pensa?
11 de abril de 2016, 20h27

Áudio não vazou por acaso: Temer corre riscos porque sabe que no plenário não tem votos para dar o golpe

As contas mais realistas hoje são as seguintes: no plenário, a oposição tem cerca de 320 votos pelo impeachment; e o governo conta com 180 votos para barrar o golpe. Hoje, a oposição não tem votos suficientes para vencer. Se tivesse, Temer não arriscaria tanto – a ponto de passar para a história como um conspirador assumido. Na comissão, o golpe teve 38 votos (o equivalente a 58%, bem abaixo dos 67% que serão necessários em plenário no dia 17).

por Rodrigo Vianna

A mim parece evidente que o vazamento do áudio de Temer não foi acidental (clique aqui para saber mais). Aliás, isso pouca importa. O que interessa é saber se a manobra vai ajudar o peemedebista a dar o golpe, ou se vai atrapalhar.

Lembremos que a “carta chorosa” de Temer há alguns meses também foi vazada “por acaso”. Na verdade, era estratégia de comunicação, que depois se revelou desastrada.

O áudio agora vazado terá o mesmo destino? Transformar-se-á em mais um episódio patético a mostrar a pequenez de Temer? Essa é a narrativa em disputa nesse momento.

Aparentemente, pega muito mal junto à opinião pública o fato de Temer falar como “presidente” antes da votação final no dia 17. Ele fica com o carimbo, na testa, de golpista e conspirador. Sentou na cadeira antes da hora. Traiu, mostrou-se patético e pequeno.

Mas me parece que Temer resolveu correr o risco.

Com 1% nas intenções de voto (segundo o DataFolha), Temer não faz nesse momento uma disputa por popularidade. O objetivo dele é simplesmente conquistar votos indecisos, dentro o Colégio Eleitoral que – de forma indireta – pode dar o poder ao peemedebista, num golpe parlamentar comandado por Cunha e tolerado pelo STF.

Ninguém grava “por acaso” um discurso de 15 minutos. Temer planejou o vazamento, para convencer indecisos, ocupando espaço no JN nesta segunda-feira (11 de abril). Hoje, o noticiário estaria dominado pelos atos de rua contra o impeachment: Lula e os artistas no Rio, contra o golpe, estariam na tela.

Temer ofereceu a Ali Kamel 15 minutos, para dividir espaço com Lula.

Isso será suficiente para garantir os votos que hoje a oposição não tem? Difícil saber.

Na Comissão, o impeachment foi aprovado por 38 votos a 27, num total de 65 parlamentares. Isso significa 58% dos votos pela derrubada de Dilma. Agora, tudo segue para o plenário, onde serão necessários 67% (dois terços) dos votos para dar o golpe. Ou seja, mantida a proporção da comissão, o golpe será rejeitado. 

A votação final, dia 17, deve ser decidida no olho mecânico. As cúpulas partidárias (PSB, Rede e vários diretórios regionais do PP, sem falar no líder da bancada do PR) migraram nas últimas horas para uma defesa explícita do impeachment. Mas, na ponta do lápis, a conta não está fechada.

O governo conta com uma base firme de 110 deputados, à qual hoje pode agregar, na pior das hipóteses: 20 votos do PP (de um total de quase 50), 15 do PR, 15 do PSD e 10 do PMDB = 60 votos. Contará ainda com votos esparsos no PTB e nos partidos chamados de nanicos (totalizando mais 10 votos, talvez).

A máquina midiática, de um lado, tentará criar um clima de “já ganhou”a favor do impeachment. De outro, Lula nas ruas e nas articulações de bastidor tenta assegurar 60 ou 70 votos na centro-direita (especialmente nas bancadas do Norte/Nordeste), que seriam suficientes para barrar o golpe.

O áudio de Temer inscreve-se nessa estratégia. Tenta apontar a “expectativa de futuro” em torno de um “novo governo” – numa tentativa final de esvaziar essas bancada de 60 votos conservadores que Lula articulou, e que podem salvar o mandato de Dilma.

As contas mais realistas hoje são as seguintes: a oposição teria 320 votos pelo impeachment; e o governo teria 180 votos para barrar o golpe. Mas, provavelmente, haverá menos do que 180 deputados dispostos a ir ao plenário dia 17, para dizer “Não” à avalanche midiática pelo golpe. Ou seja, o “Não” se dividiria em 140 votos em plenário e mais 40/50 abstenções e ausências.

Temer tenta transformar essas ausências em votos pelo impeachment. Essa é a batalha.

Hoje a conta é essa: 320 sim x 140 não. E cerca de 40/50 abstenções/ausências.

O resto é terror midiático.

O lado de cá, que batalha contra o golpe, não deve se abater com as notícias de “deserções”, “desembarques”, “estouro da boiada”.

A mídia tentou criar esse clima quando o PMDB rompeu com o governo. E isso não se confirmou.

A batalha será dura. E hoje a oposição não tem votos pra vencer. Se tivesse, Temer não arriscaria tanto – a ponto de passar para a história como um conspirador assumido.

A sofreguidão do poder levou Temer ao extremo. É o que escrevi hoje no twitter: a ânsia pelo poder une Aécio e Temer. A diferença entre eles é que um aspira e o outro conspira.

Tudo indica que perderão. Abraçados.

E o país seguirá dividido. Mas com a esquerda crescendo nas ruas.

Esse é o cenário que vejo hoje. Sem triunfalismo, sem torcida.

 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags