escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
26 de Maio de 2014, 17h45

A opção dos franceses pela extrema-direita e a crise do Partido Socialista

O Front National (FN), de Jean-Marie Le Pen e seu discurso fascista, chegou na frente em 71 de 101 departamentos da França. O que estaria por trás dessa votação tão alta? Quem são as pessoas que elegeram a extrema-direita e por quê?

Marine Le Pen mudou a cara do partido com um discurso mais “moderado” e que, por “ser mulher”, inspiraria mais confiança

Por Maíra Kubik Mano, em seu blog

No início da semana passada, um político francês sugeriu que um surto do vírus Ebola, como o que enfrenta hoje a Guiné, poderia resolver “em três meses” o “problema” de “excesso” de “imigrantes” na Europa. No domingo (25/05), seu partido saiu como o grande vitorioso francês das eleições para o Parlamento Europeu, multiplicando simplesmente por oito o número de cadeiras que possuía em relação ao pleito anterior.

É impressionante. E assustador. O Front National (FN), de Jean-Marie Le Pen e seu discurso fascista, chegou na frente em 71 de 101 departamentos da França.

O que estaria por trás dessa votação tão alta? Quem são as pessoas que elegeram a extrema-direita e por quê? É apenas um reflexo da crise econômica?

Tais perguntas, que tem assombrado as mentes mais progressistas, são o mote do documentário “Ils ont voté Front National” (“Eles votaram Front National”), de 2013. O registro foi feito após as eleições de 2012, quando Marine Le Pen, filha de Jean-Marie, obteve mais de 6,5 milhões de votos para a Presidência da França.

O filme entrevista pessoas que, pela primeira vez na vida, optaram pela extrema-direita nas urnas e traz alguns dados interessantes. Moradores de redutos historicamente de esquerda e famílias inteiras que haviam participado da campanha de François Mitterrand na década de 1980 contam, diante das câmeras e sem embaraço, que o Partido Socialista não deu respostas a contento para solucionar o desmonte do Estado de Bem-Estar Social e para enfrentar a crise econômica. A “saída radical” foi, então, votar na extrema-direita.

Mas e o FN, quais propostas teria? “Restringir a imigração”, respondem, indicando que ao menos parte do discurso de Le Pen ecoa.

A xenofobia, por outro lado, parece mais “tímida”. A opinião que prevalece é que Marine Le Pen teria mudado a cara do partido com um discurso mais “moderado” e que, por “ser mulher”, inspiraria mais confiança. Desde que ela assumiu a direção, sentiram-se mais “confortáveis” em votar FN.

A mesma Marine Le Pen, porém, é a que apoiou, no início de 2014, manifestações contra a “teoria do gênero”, algo do que talvez não discordariam os terroristas do Boko Haram que sequestraram centenas de garotas na Nigéria para impedi-las de estudar. E colocou milhares nas ruas de Paris para protestar contra o casamento gay. Nada muito “moderado”, acredito eu.

O pano de fundo registrado pelo filme e que, ao que tudo indica, repete-se nessa eleição, é a incapacidade da Europa de reiventar-se. Em um momento em que o sistema capitalista balança, no lugar de procurar alternativas optam por reaplicar a mesma cartilha econômica e social conservadora que pode rapidamente descambar para experiências totalitárias. Inclusive o Partido Socialista, que disse ter “entendido o recado das urnas” e enveredou por um caminho anti-imigrantes.

O eleitorado francês fecha suas portas e lava suas mãos como se as riquezas que alimentam seu modo de vida não estivessem sujas de sangue africano, latino-americano ou asiático. E ainda por cima resolve culpar as pessoas que querem receber um pouco do dividendo desse mesmo bem-estar social que ajudaram a construir, sem compreender que o problema da crise é mundial e é encabeçado pela lógica de exploração implementada pelo próprio Ocidente.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum