escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Entrevista exclusiva com Lula
29 de julho de 2011, 19h06

Após 40 anos da morte de militante, a luta por justiça

No mês em que se completam quarenta anos da morte do jornalista e militante Luiz Eduardo Merlino, sua família luta para obter o reconhecimento, por parte do Estado, de seu assassino. O jovem jornalista de apenas 23 anos era militante do POC (Partido Operário Comunista) e foi preso na casa de sua mãe, após retornar de uma viagem à França. O alvo da ação por danos morais é o Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que já foi declarado torturador pela Justiça paulista. Entre 1969 e 1973, Ustra foi responsável por comandar um dos principais centros de tortura do período da ditadura, o DOI-CODI de São Paulo.

Por Juliana Sada

No mês em que se completam quarenta anos da morte do jornalista e militante Luiz Eduardo Merlino, sua família luta para obter o reconhecimento, por parte do Estado, de seu assassino. O jovem jornalista de apenas 23 anos era militante do POC (Partido Operário Comunista) e foi preso na casa de sua mãe, após retornar de uma viagem à França.

O alvo da ação por danos morais é o Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que já foi declarado torturador pela Justiça paulista. Entre 1969 e 1973, Ustra foi responsável por comandar um dos principais centros de tortura do período da ditadura, o DOI-CODI (Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna) de São Paulo. Foi nas dependências deste órgão que Merlino teria sido torturado e assassinado em julho de 1971.

Na última quarta-feira, a Justiça ouviu testemunhas que presenciaram a tortura e morte de Merlino. A audiência, realizada no Fórum João Mendes, foi realizada à portas fechadas e puderam participar apenas advogados, testemunhas e familiares de Merlino. No corredor, um aglomerado de pessoas – familiares de testemunhas, ex-militantes e jornalistas –  tentaram em vão entrar e acompanhar a sessão.

Apesar do caráter reservado, nem o Coronel Ustra nem suas testemunhas participaram da audiência. Aliás, não compareceram nem os advogados que assinam sua defesa, Sergio Luiz Villela de Toledo e Paulo Alves Esteves. Foram enviadas duas advogadas como representantes do militar.

A juíza Claudia de Lima Menge escutou das testemunhas que o Coronel Ustra tem responsabilidade na tortura e morte de Merlino. Deram seus depoimentos o ex-ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vanucchi; o escritor Joel Rufino dos Santos; e os ex-militantes do POC  Otacílio Cecchini, Eleonora Menicucci de Oliveira, Laurindo Junqueira Filho e Leane de Almeida. As testemunhas relataram que Merlino não sobreviveu às sessões de tortura, das quais Ustra teria participado pessoalmente.

Já as testemunhas de Ustra serão ouvidas por meio de cartas precatórias, foram arrolados militares da reserva, o senador José Sarney e o ex-ministro Jarbas Passarinho.

Do lado de fora, manifestante pediam a condenação do Ustra

Do lado de fora, manifestante pediam a condenação do Ustra


Esta é a segunda ação movida contra Ustra, pela ex-companheira de Merlino, Angela Mendes de Almeida, e sua irmã, Regina Maria Merlino Dias de Almeida. A primeira, de caráter civil declaratório, foi extinta em 2008. Agora, a família entrou com uma nova ação na área cível, que prevê indenização.

Ausência sentida
Para marcar os 40 anos da morte de Merlino, será realizada amanhã, sábado às 14h, uma homenagem ao jovem militante. Estarão presentes Angela Mendes de Almeida; João Machado,economista e militante da Quarta Internacional e do PSOL; Valério Arcary, historiador e militante do PSTU ; Joel Rufino dos Santos, escritor; e o jornalista Tonico Ferreira. O evento integra a programação do Memorial da Resistência.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum