Azenha entrevista PH Amorim: “O Quarto Poder” chega às livrarias

Os blocos de anotações do repórter: Paulo Henrique conta detalhes sobre os cinquenta anos de trabalho no jornalismo.

A capa do livro que Paulo Henrique Amorim lança hoje, em São Paulo
A capa do livro que Paulo Henrique Amorim lança hoje, em São Paulo

por Luiz Carlos Azenha, no VioMundo

Fomos correspondentes ao mesmo tempo, em Nova York. Ele, na Globo; eu, na TV Manchete. Na rede norte-americana CNN, ele me sucedeu como colaborador do programa World Report, que reproduzia reportagens de jornalistas estrangeiros baseados nos Estados Unidos. Temos o mesmo hábito: fazer anotações em blocos de notas sobre as conversas com entrevistados.

Pois Paulo Henrique Amorim, aos 50 anos de carreira, decidiu contar, a partir de suas anotações, os bastidores das coberturas jornalísticas que viveu.

Fez isso no livro O Quarto Poder — Uma Outra História, que será lançado na noite desta quinta-feira na Livraria Saraiva do Shopping Higienópolis, a partir das 19h30m.

Poucos leitores, ouvintes e telespectadores se dão conta de que, na carreira de um repórter, mais da metade do que ele vê, ouve ou apura nunca é publicado, seja por falta de confirmação imediata, por desagradar editores ou patrões. Detalhes saborosos — às vezes essenciais — da notícia acabam morrendo ali, no bloco de anotações.

Tenho um exemplo pessoal: quando Bonn ainda era capital e a Alemanha Ocidental existia, fui até lá entrevistar o então embaixador dos Estados Unidos, Vernon Walters. Na Segunda Guerra Mundial, ele foi o oficial de ligação entre o Exército dos Estados Unidos — Walters era coronel — e os soldados da Força Expedicionária Brasileira (FEB), despachados para lutar na Itália sob comando norte-americano.

Na entrevista, Walters foi só elogios à bravura e à capacidade dos soldados brasileiros. Desligada a câmera, passou a contar o “outro lado”: sem uniformes adequados para o inverno europeu e despreocupados com a guerra, os brasileiros acendiam fogueiras durante a noite para enfrentar o frio e ele tinha de despachar subordinados para explicar aos aliados que, com o fogo, se tornavam alvo fácil para a artilharia inimiga.

Em O Quarto Poder, Paulo Henrique narra episódios politicamente relevantes deste “outro lado”. Por exemplo, sobre seu vizinho de bairro, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Como se sabe, FHC fez mudanças importantes na Constituição durante seus dois mandatos.

Relembrando…

AS CINCO MUDANÇAS CONSTITUCIONAIS PROMOVIDAS POR FHC:

1) Mudou o conceito de empresa nacional. A Constituição de 1988 havia estabelecido uma distinção entre empresa brasileira de capital nacional e empresa brasileira de capital estrangeiro. As empresas de capital estrangeiro só poderiam explorar o subsolo brasileiro (minérios) com até 49% das ações das companhias mineradoras. A mudança enquadrou todas as empresas como brasileiras. A partir dessa mudança, as estrangeiras passaram a poder possuir 100% das ações. Ou seja, foi escancarado o subsolo brasileiro para as multinacionais, muito mais poderosas financeiramente do que as empresas nacionais. A Companhia Brasileira de Recursos Minerais havia estimado o patrimônio de minérios estratégicos brasileiros em US$ 13 trilhões. Apenas a companhia Vale do Rio Doce detinha direitos minerários de US$ 3 trilhões. FHC vendeu essa companhia por um valor inferior a que um milésimo do valor real estimado.

2) Quebrou o monopólio da navegação de cabotagem, permitindo que navios estrangeiros navegassem pelos rios brasileiros, transportando os minérios sem qualquer controle;

3) Quebrou o monopólio das telecomunicações, para privatizar a Telebrás por um preço abaixo da metade do que havia gastado na sua melhoria nos últimos 3 anos, ao prepará-la para ser desnacionalizada. Recebeu pagamento em títulos podres e privatizou um sistema estratégico de transmissão de informações. Desmontou o Centro de Pesquisas da empresa e abortou vários projetos estratégicos em andamento como capacitor ótico, fibra ótica e TV digital;

4) Quebrou o monopólio do gás canalizado e entregou a distribuição a empresas estrangeiras. Um exemplo é a estratégica Companhia de Gás de São Paulo, a COMGÁS, que foi vendida a preço vil para a British Gas e para a Shell. Não deixou a Petrobrás participar do leilão através da sua empresa distribuidora. Mais tarde, abriu parte do gasoduto Bolívia-Brasil para essa empresa e para a Enron, com ambas pagando menos da metade da tarifa paga pela Petrobrás, uma tarifa baseada na construção do Gasoduto, enquanto que as outras pagam uma tarifa baseada na taxa de ampliação;

5) Quebrou o Monopólio Estatal do Petróleo, através de uma emenda à Constituição de 1988, retirando o parágrafo primeiro, elaborado pelo diretor da AEPET, Guaracy Correa Porto, que estudava Direito e contou com a ajuda de seus professores na elaboração. O parágrafo extinto era um salvaguarda que impedia que o governo cedesse o petróleo como garantia da dívida externa do Brasil. FHC substituiu esse parágrafo por outro, permitindo que as atividades de exploração, produção, transporte, refino e importação fossem feitas por empresas estatais ou privadas. Ou seja, o monopólio poderia ser executado por várias empresas, mormente pelo cartel internacional.

Como registrado em O Quarto Poder, Paulo Henrique Amorim estava lá quando isso aconteceu.

Ele testemunhou a promessa de FHC, ex-ministro da Fazenda de Itamar Franco, de “entregar” a Petrobras ao Fundo Monetário Internacional como garantia da dívida brasileira.

Paulo Henrique registrou as palavras elogiosas de Michel Camdessus, o francês que era diretor-gerente do FMI, ao Príncipe da Sociologia — e da Privataria.

Segundo o repórter, foi o que pavimentou o caminho de FHC rumo ao Planalto.

Outras anotações iluminam aquele momento em que as câmeras estão desligadas.

Uma delas traz a palavra “idiotas” para descrever herdeiros de um império ameaçado de morrer.

Noutra, “cafetão” é dito pelo cacique baiano Antonio Carlos Magalhães para descrever um ex-ministro que supostamente fazia o papel de arranjar namoradas para o chefe.

No vídeo acima, Paulo Henrique explica quem é quem nas anotações. E conta os bastidores de seu embate com o banqueiro Daniel Dantas, acusado pelo jornalista de mandar espioná-lo e à sua família.

PS do Viomundo: Logo na edição do Agora mostrada no vídeo, tinha uma notícia sobre o Fluminense!

PS2 do Viomundo: Cobri as visitas de José Sarney a Ronald Reagan e de Fernando Collor a George Bush, mas não a de FHC a Clinton mencionada por Paulo Henrique no vídeo. Um leitor me mandou a “preciosidade” abaixo, de uma entrevista que dei à CNN na sala de imprensa da Casa Branca, falando sobre a visita de Collor:

Captura de Tela 2015-09-03 às 01.01.51