escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
03 de Maio de 2011, 16h05

Bin Laden e a disputa entre sauditas e Irã

Do Asia Times Online: "se, antes, a al-Qaeda recebia financiamento de ambos, sauditas e iranianos, nas atuais circunstâncias a al-Qaeda passou a ser mais importante para os interesses do Irã, do que para os interesses dos sauditas (...). À medida que a guerra fria entre sauditas e iranianos esquenta cada vez mais, Islamabad pode ir-se tornando mais interessante para Riad, como fonte de apoio militar."

 

Nos últimos anos, ele era apenas um peão na disputa entre Irã e Arábia Saudita?

Do Asia Times Online, com tradução do coletivo Vila Vudu

Muito mais surpreendente que o assassinato de Osama bin Laden na 2ª-feira foi saber que o homem vivia sem ser molestado numa casa em Abbottabad, cerca de 65 quilômetros ao norte de Islamabad, capital do Paquistão. Quantos militares paquistaneses e outros conheciam esse endereço? “Os EUA fazemos o que decidamos fazer”, disse o presidente Barack Obama, em voz robótica, ao comunicar o assassinato de Bin Laden, dia 1º de maio, em ataque conduzido por forças especiais dos EUA e do Paquistão.

A verdade é que nada aconteceu exatamente assim, os EUA nada fizeram sem ajuda dos amigos, e ajuda pela qual, de fato, foram obrigados a esperar muito.

Em situações normais, não gosto de especular sobre detalhes operacionais. Consultar fontes sobre assuntos secretos, mesmo as melhores fontes, é como dizer “Pinóquio, minta para mim!” Mas algumas das ideias que alinho aqui são óbvias e assim continuariam, mesmo que não nos faltassem todos os dados. É praticamente impossível não concluir que Bin Laden foi assassinado essa semana porque os vários que conheciam seu endereço decidiram que as autoridades dos EUA seriam informadas nesse exato momento. O que mudou? A resposta mais simples é: mudou tudo. A instabilidade do mundo muçulmano alcançou tais níveis que Bin Laden converteu-se em redundância.

A derrubada do presidente egípcio Hosni Mubarak e a iminente derrubada do presidente Ali Abdullah Saleh do Iêmen, além da instabilidade que se espalha por todo o mundo árabe, alteraram a posição relativa da al-Qaeda. Do ponto de vista privilegiado de Riad, Bin Laden passou a ser um incômodo; sempre foi considerado uma metralhadora giratória enlouquecida, mas jamais representou qualquer ameaça à posição estratégica da Arábia Saudita.

A família real saudita, já há muito tempo, optou por autorizar alguns dos seus membros com simpatias mais radicais a garantir apoio secreto a Bin Laden, em troca do acordo pelo qual a al-Qaeda deixaria em paz a Península Arábica. Como se leu em telegrama publicado por WikiLeaks, a secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton escreveu, em memorando, que “É preciso fazer mais, porque a Arábia Saudita continua a garantir apoio financeiro essencial à al-Qaeda, aos Taliban, ao LeT [Lashkar-e-Toiba] e a outros grupos terroristas.”

Com a desestabilização do Iêmen, esse modus vivendi tornou-se obsoleto. Como viu-se claramente no tenso comunicado diplomático feito pelo secretário de Defesa, do resultado de seu encontro com o rei Abdullah dia 6 de abril, os sauditas estão terrivelmente preocupados com a desestabilização do Iêmen pela al-Qaeda aliada ao Irã.

Na guerra civil que prossegue em forno baixo no Iêmen – praticamente amostra em pequena escala da guerra entre Riad e Teerã – a al-Qaeda está atuando como aliada do Irã. Não foi grave incômodo para Riad, enquanto o governo de Saleh aliado dos sauditas permanecesse intacto. Mas agora se aproxima o inevitável colapso do governo de Saleh. E esse colapso pode abrir espaço para que o Irã se implante mais firmemente na região da fronteira com a Arábia Saudita. (…)

Em resumo, se, antes, a al-Qaeda recebia financiamento de ambos, sauditas e iranianos, nas atuais circunstâncias a al-Qaeda passou a ser mais importante para os interesses do Irã, do que para os interesses dos sauditas. Apoiar terroristas é rua de duas vias:  exatamente porque “Arábia Saudita continua a garantir apoio financeiro essencial à al-Qaeda”, a inteligência saudita acabou por reunir alguma informação aproveitável sobre o grupo ao qual entrega tanto dinheiro.

Os sauditas, além do mais, têm muito interesse em por fim aos braços terroristas aliados dos militares paquistaneses. À medida que a guerra fria entre sauditas e iranianos esquenta cada vez mais, Islamabad pode ir-se tornando mais interessante para Riad, como fonte de apoio militar. O jornal Asia Times Online já informou que a Guarda Nacional do Bahrain já começou a recrutar mercenários paquistaneses (ver “Pakistan ready for Middle East role”, Syed Saleem Shahzad, Asia Times Online, 2/4/2011, em http://www.atimes.com/atimes/South_Asia/MD02Df01.html ).

Há também especulações de que a Arábia Saudita estaria a um passo de pedir ajuda do exército paquistanês; e Riad estaria disposta a financiar pesquisa de tecnologia nuclear no Paquistão, como meio para contrabalançar o programa nuclear iraniano. E a quem mais os sauditas poderiam pedira apoio no caso de guerra com o Irã? Os sauditas não confiam nos EUA. Já se sabe que o rei Abdullah enfureceu-se quando Obama abandonou Mubarak, aliado histórico dos EUA. E os sauditas tampouco confiam nos turcos, hoje convertidos em ‘risco’ para a região, do ponto de vista dos sauditas.

A capacidade militar dos paquistaneses e a urgente carência de dinheiro tornou o poder sunita mais maleável aos interesses dos sauditas; mais uma razão para prosseguir a faxina e tirar de campo elementos pouco confiáveis, como Bin Laden.

Por tudo isso, e por irônico que pareça, Bin Laden não passa, mesmo, de mais uma baixa no despertar árabe. Podemos, no máximo, tentar adivinhar como foram seus últimos momentos e é provável que a verdade jamais venha à tona. Mas pode-se concluir com razoável certeza que Bin Laden morreu esmagado entre as placas tectônicas que hoje se movem em todo o mundo muçulmano.

Essa conclusão torna ainda mais sem sentido a autolouvação, a autocongratulação dos norte-americanos, festejando um assassinato. As forças especiais dos EUA talvez sejam agentes, no máximo, dos tiros que assassinaram Bin Laden. Mas a causa eficiente da morte é o grande, importante, crucialmente estratégico levante árabe de 2011 – que os EUA absolutamente não entendem e ao qual não estão preparados para responder.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum