escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de abril de 2014, 22h04

Bombardeio tira votos de Dilma, mas oposição não avança: isso pode mudar?

A conclusão mais óbvia é que uma parcela do eleitorado, antes disposta a votar em Dilma, migrou para posição cautelosa: parece decepcionada com o governo, mas em vez de mudar diretamente para Aécio ou Eduardo preferiu fazer uma “parada técnica” em nulos/brancos/não sabe.

por Rodrigo Vianna

A velha imprensa, reunida em torno do Instituto Millenium, comemorou os resultados das últimas pesquisas eleitorais – que apontaram ligeira queda na intenção de votos em Dilma.  Já os lulistas, pelo menos em público, preferiram destacar que Dilma seguiria a vencer a eleição em primeiro turno com os números atuais – já que os candidatos de oposição foram incapazes de capturar os eleitores que se desencantaram com o governo Dilma. No Ibope, Dilma tem 37%, Aécio 14% e Eduardo 6%. No Vox Populi, Dilma está com 40%, Aécio tem 16% e Eduardo 8%.

Na verdade, o quadro é mais complexo e indefinido do que fazem supor os mais exaltados nos dois lados da disputa. Com algo entre 38% e 40%, Dilma tem mesmo larga vantagem numérica sobre Aécio e Eduardo (juntos, os dois hoje não chegam a 25%). Mas é fato também que a aprovação ao governo sofre erosão – provocada pelo bombardeio em cima da Petrobras (Dilma e o governo passaram vários dias nas cordas, até que Lula aparecesse para dar o tom, e cobrar reações fortes), e por uma sensação difusa de mal-estar na economia e na vida cotidiana nos grandes centros urbanos.

A conclusão mais óbvia é que uma parcela do eleitorado, antes disposta a votar em Dilma, migrou para posição cautelosa: parece decepcionada com o governo, mas em vez de mudar diretamente para Aécio ou Eduardo preferiu fazer uma “parada técnica” em nulos/brancos/não sabe. A depender do andamento da campanha, esse eleitorado que abandona Dilma pode ir – sim -para Aécio e/ou Eduardo.

O tucano terá palanques fortes no Paraná, Minas, São Paulo e Bahia. Isso, por si só, deve garantir a Aécio um patamar em torno de 20% ou 22%.

Eduardo, aliado de Marina, também pode ser beneficiário da migração. Não tem palanques estaduais, mas tem a imagem de “terceira via”, de “amigo da Marina”, que certamente ajudará a conquistar eleitores nas franjas de classe média decepcionadas com o lulismo e com os “políticos” (como se Eduardo e Marina não fossem políticos profissionais!) – especialmente no Rio, Brasília e em capitais do Nordeste. Eduardo é conhecido por apenas metade do eleitorado. Quando for conhecido pela outra metade, o mais provável é que chegue a um patamar em torno de 15% dos votos.

Mas há um fator que não pode ser desprezado: nos últimos meses, a velha mídia tem falado quase sozinha no país. Não conseguiu alavancar seus candidatos, mas foi eficiente na estratégia de desgastar Dilma. Quando a campanha começar em agosto, a presidenta terá um tempo enorme de TV para fazer o contraponto ao Instituto Millenium. Portanto, é razoável que ela reconquiste pelo menos uma parcela dos eleitores hoje ressabiados diante do bombardeio midiático.

Dilma poderá mostrar que, se o país não vai maravilhosamente bem, está bem longe de caminhar para o buraco – como apontam as manchetes de jornais e telejornais.

De toda forma, se Aécio crescer para algo em torno de 20%,  se Eduardo chegar a 15% e se os chamados nanicos conquistarem cerca de 5%, Dilma teria que fazer 40% para vencer no primeiro turno; hoje, ela parece já ter caído para um patamar abaixo disso. Pode reconquistar alguma coisa com o horário de TV, barrando a sangria. Se houver um percentual de brancos/nulos em torno de 20% (como sugerem as pesquisas), 40% mais um dos votos totais seria suficiente para garantir vitória no primeiro turno. Mas isso é cada vez menos provável – apesar dos números favoráveis à petista hoje.

O quadro político geral, o bombardeio da mídia velha, as dificuldades do PT em vários Estados e as dúvidas na economia parecem indicar uma eleição em 2 turnos.

Dilma segue favorita para vencer, mas numa disputa que deve ser mais apertada do que mostram os números atuais de Ibope, Vox Populi e outros institutos. Como já escrevi aqui, essa é a primeira eleição – desde 89 – em que há um quadro confuso entre continuidade/mudança: o eleitor – de forma majoritária – deseja mudança. Mas a oposição parece pouco confiável para comandar a mudança; o que pode favorecer a continuidade de Dilma à frente do país.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum