escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de outubro de 2014, 10h28

Caso Youssef indispõe Folha e Globo por causa da “bala de prata” da capa da Veja

Ali Kamel disse que a Globo não repercutiu a capa de Veja pois não “confirmou com suas fontes o sentido do que fora publicado”

Da Carta Capital

A reportagem publicada pela revista Veja na quinta-feira 23, na qual constava a acusação de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta reeleita Dilma Rousseff (PT) sabiam do esquema de corrupção na Petrobras, provocou uma indisposição entre a Folha de S.Paulo e a TV Globo.

No domingo 26, o colunista Nelson de Sá publicou na Folha uma análise sobre o comportamento da emissora na qual destaca o fato de a Globo não ter repercutido a capa de Veja no dia seguinte à publicação da reportagem, a sexta-feira 24. O colunista lembra que a capa da revista Veja só apareceu no Jornal Nacional, o carro-chefe do jornalismo global, após o protesto da União da Juventude Socialista (UJS), entidade ligada ao PCdoB, em frente ao prédio da editora Abril, em São Paulo.

O JN deu a notícia no contexto de que as pichações na sede da editora que publica Veja consistiam ataque à liberdade de imprensa. Para a Sá, o fato de a Globo não ter repercutido a capa de Veja e não ter colocado em seus programas jornalísticos o conteúdo do último debate entre Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) seria uma indicação de que a Globo estava com “medo”.

Nesta segunda-feira 27, a Folha traz uma carta de Ali Kamel, diretor de jornalismo da Globo, na qual ele rebate o texto de Sá e faz duras críticas ao jornal e ao colunista. De acordo com Kamel, a Globo não repercutiu a capa de Veja na sexta-feira pois não “confirmou com suas fontes o sentido do que fora publicado” pela revista.

Da mesma forma, diz Kamel, a Globo não repercutiu a capa da Folha de sábado 25 – também sobre a suposta ciência de Lula e Dilma a respeito dos desvios – pois não apenas não conseguiu confirmar seu teor como recebeu de suas fontes o diagnóstico de que ela estava “distorcida”. Por fim, afirma o diretor da Globo, “ao confundir equilíbrio com medo, Nelson de Sá talvez se valha da própria experiência nos jornais em que trabalha ou trabalhou”.

A reportagem de Veja foi considerada a última “bala de prata” da oposição para tentar evitar a vitória de Dilma Rousseff. A revista trazia a acusação em declarações do doleiro Alberto Youssef à Polícia Federal, que o prendeu durante a realização da operação Lava-Jato. Youssef assinou um acordo de delação premiada com a Justiça para detalhar o esquema de corrupção em troca de benefícios. A própria revista afirmava que Youssef não apresentou provas das acusações, no entanto.

No horário eleitoral da sexta-feira, a candidata do PT prometeu processar Veja, e prometeu investigar a corrupção na Petrobras “doa a quem doer”. Na Justiça, o PT conseguiu proibir a editora Abril de veicular propagandas de sua capa, considerada “propaganda eleitoral”, e também o direito de resposta diante da reportagem.

Na sexta-feira e no sábado, panfletos com a capa impressa de Veja foram distribuídos em várias cidades do Brasil. Na madrugada de sábado 25 para domingo 26 começou a circular o boato de que Youssef, internado em Curitiba, teria sido envenenado. A Polícia Federal e o hospital em que ele esteve desmentiram a informação, que circulou pelas redes sociais em uma velocidade impressionante, assustando a militância petista na reta final da votação e provocando um impacto que dificilmente poderá ser mensurado.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum