Com Marina no PSB, Campos joga xadrez refinado; e se Aécio Neves desistir?

por Rodrigo Vianna Confirmada a filiação de Marina ao PSB, Eduardo Campos mostra uma capacidade de articulação refinada. Mais que isso: mostra ser um jogador de xadrez com a habilidade dos russos, capaz de jogar agora, calculando os movimentos das peças três ou quatro lances adiante. PT e PSDB tentaram submeter as candidaturas Campos e […]

por Rodrigo Vianna

Confirmada a filiação de Marina ao PSB, Eduardo Campos mostra uma capacidade de articulação refinada. Mais que isso: mostra ser um jogador de xadrez com a habilidade dos russos, capaz de jogar agora, calculando os movimentos das peças três ou quatro lances adiante.

PT e PSDB tentaram submeter as candidaturas Campos e Marina à lógica da velha polarização entre tucanos e petistas… Ao PSDB, interessava a existência de várias candidaturas para dividir os votos, e assim forçar um segundo turno. Marina, indo para o PSB, quebra essa lógica. Mais que isso: ao escolher o PSB (e não o PPS) ajuda a consolidar um novo pólo, fora da órbita de tucanos e petistas.

Eduardo Campos tem sido muito habilidoso em seus movimentos. Aproximou-se de Aécio, mas sem ceder um milímetro de sua autonomia e de sua estratégia à lógica tucana. Saiu do governo petista, entregando os cargos, mas não atacou Lula nem o lulismo. Não aceitou a lógica do PSDB, de transformar-se em linha auxiliar do tucanato. Fez isso com maestria, apesar das defecções de Cid e Ciro no Ceará e de certo mal-estar com adesões conservadoras ao PSB Brasil afora.

Passada a eleição de 2012, eu já escrevera neste blog que o PSDB gostaria de transformar Eduardo Campos e o PSB em linha auxiliar do tucanato, mas era mais provável que acontecesse o contrário…

Claro, os tucanos têm máquina poderosa nos Estados, têm parceria com empresários, têm certa tradição. Mas não têm discurso. Eduardo Campos pode, sim, apresentar-se como o lulista que segue a admirar o legado do ex-presidente mas apostando em uma renovação, no tal “o Brasil pode mais”. Sozinho, talvez estivesse fadado a ser apenas coadjuvante, assumindo o papel de tirar 10% dos votos de Dilma no Nordeste (o suficiente pra levar a eleição e Aécio pro segundo turno). A parceria com Marina (quem será presidente e quem será vice?) faz com que Eduardo Campos e o PSB sejam muito mais que isso: transformam-se de fato no desaguadouro de uma “terceira via”.

Marina perde parte de sua aura de “reserva moral”, e de “diferente de tudo que está aí”. Enquadra-se na lógica eleitoral. Por isso, Eduardo Campos ganha muito mais que Marina com a parceria. Vira gente grande na política, ainda que Dilma siga favorita.

E quanto aos tucanos? Amigos mineiros juram que Aécio ainda vai desistir da candidatura a presidente, para se lançar ao governo mineiro em 2014. O PSDB está sem candidato em Minas, Pimentel do PT é o favorito. Seria um risco grande demais para Aécio perder o feudo mineiro, correndo ainda o risco de ficar em terceiro na eleição nacional.

Não foi por outro motivo que Serra decidiu ficar no PSDB. Serra está vivo. Aécio pode desistir, e aí os tucanos iriam com uma candidatura “guerreira” pra 2014. Veríamos de novo as jogadas e ações de Serra – que todos conhecemos.

Já vejo gente apressada supondo que Aécio e os tucanos poderiam fechar uma grende frente com o PSB já no primeiro turno. Não acredito que prospere. Para o PSB, seria bom ter o PSDB até o fim na campanha (com Serra ou Aécio). Campos /Marina tendem a gorma, anhar força se deixarem Serra ou Aécio batendo no PT, enquanto o PSB entraria só na “boa” – como “terceira via”. Aécio e o PSDB acabarão, nesse quadro servindo de linha auxiliar para o PSB.

De toda forma, Dilma segue favorita. Mas Campos e Marina (e não mais os tucanos) ganhariam cacife para constituir a verdadeira oposição pra 2018; longe do discurso ranheta e conservador, seria a construção de um “pós-lulismo” (contra Lula em 2018? Isso é que não encaixa bem…)

Por fim, o PT e seu marqueteiro precisam rever o discurso. João Santana deu uma entrevista lamentável, chamando os concorrentes de Dilma de “anões”. Soberba desse tipo foi o que levou a eleição de 2010 ao segundo turno.

Tucanos e petistas já não jogam sozinhos. Não adianta dizer que Campos e Marina fazem o jogo dos tucanos – como vejo alguns lulistas a berrar nas redes sociais. Além de inútil, essa gritaria não bate com os fatos. Campos e Marina não fazem o jogo dos tucanos. Fazem o jogo próprio – com um grau de autonomia que não permite chamá-los de “anões”, nem enquadrá-los no papel de coadjuvantes para levar tucanos ao segundo turno. O jogo ficou mais complexo, escapando (aparentemente) da velha polarização.

Resta ver como o eleitor reagirá a esse xadrez refinado.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR