escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de outubro de 2013, 13h02

Com Marina no PSB, Campos joga xadrez refinado; e se Aécio Neves desistir?

por Rodrigo Vianna

Confirmada a filiação de Marina ao PSB, Eduardo Campos mostra uma capacidade de articulação refinada. Mais que isso: mostra ser um jogador de xadrez com a habilidade dos russos, capaz de jogar agora, calculando os movimentos das peças três ou quatro lances adiante.

PT e PSDB tentaram submeter as candidaturas Campos e Marina à lógica da velha polarização entre tucanos e petistas… Ao PSDB, interessava a existência de várias candidaturas para dividir os votos, e assim forçar um segundo turno. Marina, indo para o PSB, quebra essa lógica. Mais que isso: ao escolher o PSB (e não o PPS) ajuda a consolidar um novo pólo, fora da órbita de tucanos e petistas.

Eduardo Campos tem sido muito habilidoso em seus movimentos. Aproximou-se de Aécio, mas sem ceder um milímetro de sua autonomia e de sua estratégia à lógica tucana. Saiu do governo petista, entregando os cargos, mas não atacou Lula nem o lulismo. Não aceitou a lógica do PSDB, de transformar-se em linha auxiliar do tucanato. Fez isso com maestria, apesar das defecções de Cid e Ciro no Ceará e de certo mal-estar com adesões conservadoras ao PSB Brasil afora.

Passada a eleição de 2012, eu já escrevera neste blog que o PSDB gostaria de transformar Eduardo Campos e o PSB em linha auxiliar do tucanato, mas era mais provável que acontecesse o contrário…

Claro, os tucanos têm máquina poderosa nos Estados, têm parceria com empresários, têm certa tradição. Mas não têm discurso. Eduardo Campos pode, sim, apresentar-se como o lulista que segue a admirar o legado do ex-presidente mas apostando em uma renovação, no tal “o Brasil pode mais”. Sozinho, talvez estivesse fadado a ser apenas coadjuvante, assumindo o papel de tirar 10% dos votos de Dilma no Nordeste (o suficiente pra levar a eleição e Aécio pro segundo turno). A parceria com Marina (quem será presidente e quem será vice?) faz com que Eduardo Campos e o PSB sejam muito mais que isso: transformam-se de fato no desaguadouro de uma “terceira via”.

Marina perde parte de sua aura de “reserva moral”, e de “diferente de tudo que está aí”. Enquadra-se na lógica eleitoral. Por isso, Eduardo Campos ganha muito mais que Marina com a parceria. Vira gente grande na política, ainda que Dilma siga favorita.

E quanto aos tucanos? Amigos mineiros juram que Aécio ainda vai desistir da candidatura a presidente, para se lançar ao governo mineiro em 2014. O PSDB está sem candidato em Minas, Pimentel do PT é o favorito. Seria um risco grande demais para Aécio perder o feudo mineiro, correndo ainda o risco de ficar em terceiro na eleição nacional.

Não foi por outro motivo que Serra decidiu ficar no PSDB. Serra está vivo. Aécio pode desistir, e aí os tucanos iriam com uma candidatura “guerreira” pra 2014. Veríamos de novo as jogadas e ações de Serra – que todos conhecemos.

Já vejo gente apressada supondo que Aécio e os tucanos poderiam fechar uma grende frente com o PSB já no primeiro turno. Não acredito que prospere. Para o PSB, seria bom ter o PSDB até o fim na campanha (com Serra ou Aécio). Campos /Marina tendem a gorma, anhar força se deixarem Serra ou Aécio batendo no PT, enquanto o PSB entraria só na “boa” – como “terceira via”. Aécio e o PSDB acabarão, nesse quadro servindo de linha auxiliar para o PSB.

De toda forma, Dilma segue favorita. Mas Campos e Marina (e não mais os tucanos) ganhariam cacife para constituir a verdadeira oposição pra 2018; longe do discurso ranheta e conservador, seria a construção de um “pós-lulismo” (contra Lula em 2018? Isso é que não encaixa bem…)

Por fim, o PT e seu marqueteiro precisam rever o discurso. João Santana deu uma entrevista lamentável, chamando os concorrentes de Dilma de “anões”. Soberba desse tipo foi o que levou a eleição de 2010 ao segundo turno.

Tucanos e petistas já não jogam sozinhos. Não adianta dizer que Campos e Marina fazem o jogo dos tucanos – como vejo alguns lulistas a berrar nas redes sociais. Além de inútil, essa gritaria não bate com os fatos. Campos e Marina não fazem o jogo dos tucanos. Fazem o jogo próprio – com um grau de autonomia que não permite chamá-los de “anões”, nem enquadrá-los no papel de coadjuvantes para levar tucanos ao segundo turno. O jogo ficou mais complexo, escapando (aparentemente) da velha polarização.

Resta ver como o eleitor reagirá a esse xadrez refinado.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum