escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
16 de janeiro de 2012, 13h12

Governo barra haitianos e cria precedente perigoso

Por Gilberto Maringoni: Na última sexta-feira, o Conselho Nacional de Imigração determinou que impedirá a entrada anual de mais de 1,2 mil haitianos que venham ao país em busca de melhor sorte. Nunca antes na história deste país houve uma determinação oficial que impusesse barreiras a estrangeiros, nem mesmo durante a ditadura militar.

Por Gilberto Maringoni, na Carta Maior

O governo da filha do imigrante búlgaro Pedro Rousseff, aqui chegado para tentar a vida no final dos anos 1930, acaba de determinar restrições a vinda de imigrantes ao Brasil.

Na última sexta-feira, o Conselho Nacional de Imigração, órgão vinculado ao Ministério do Trabalho, determinou que impedirá a entrada anual de mais de 1,2 mil haitianos que venham ao país em busca de melhor sorte. Trata-se de uma versão perversa da política de cotas raciais, defendida por varios setores da sociedade brasileira para possibilitar a afrodescendentes o acesso a universidade e a cargos públicos. Agora são cotas para tolher e não para facilitar.

Pressões históricas
Embora tenham ocorrido pressões contra a chegada de chineses no século XIX e de judeus nos anos do Estado Novo, nunca antes na história deste país houve uma determinação oficial que impusesse barreiras a estrangeiros, nem mesmo durante a ditadura militar.

A iniciativa ocorre depois de matérias alarmistas na imprensa, dando conta de um pretenso descontrole na chegada de haitianos através da fronteira do Acre com o Peru. Segundo tais reportagens, os ilegais seriam ligados a traficantes internacionais de drogas. No entanto, nenhuma prova consistente foi apresentada a respeito.

Como os haitianos que buscam trabalho no Brasil são todos negros e pobres, o governo acaba por introduzir, mesmo que involuntariamente, dois ingredientes perigosos na vida nacional: a xenofobia e o racismo. Tais características têm se destacado como essenciais da acelerada marcha à direita de países da Europa Ocidental, como Itália, Espanha, Itália e Inglaterra. Envoltos em uma gravíssima crise econômica, o ódio ao imigrante sem dinheiro e geralmente de pele escura – com perseguições, queimas de moradias, prisões e deportações – tem servido como elemento catártico para a satisfação de populações premidas pelo desemprego e pela falta de perspectiva. Partidos conservadores, auxiliados pela mídia, não se cansam de apontar o estrangeiro como concorrente na disputa pelos cada vez mais escassos postos de trabalho.

Nada disso ocorre ou ocorreu no Brasil. Ao contrário. Embora a situação dos imigrantes nunca tenha sido rósea em nosso país, as decisões oficiais desde o final do século XIX foram a de se incentivar a chegada de forasteiros para o trabalho, tanto na indústria quanto na agricultura.
É bem verdade que a primeira onda de imigração européia, ocorrida a partir dos anos finais da escravidão, tinha como propósito não apenas substituir o braço escravo, mas “embranquecer” o país, como pregavam teóricos como Silvio Romero e Nina Rodrigues.

Humanitarismo comovente

A diretriz governamental, que contou com o empenho do Itamaraty e do Ministério da Justiça por sua aprovação, evidencia o total fracasso da controversa missão de paz da ONU, a Minustah, capitaneada pelo Brasil, que ocupou militarmente o país caribenho desde 2004. A justificativa governamental feita à época era de auxiliar na reconstrução do país mais pobre da América Latina, em uma iniciativa essencialmente humanitária.

Vale a pena examinar que humanitarismo é esse.

Em 15 de agosto de 2008, o jornal Valor Econômico, em materia intitulada “Missão de paz abre oportunidades para empresas brasileiras no Haiti”, noticiava o seguinte:

“O Brasil é um reconhecido colaborador do processo de resgatar o Haiti. O país tem o direito de pleitear um tratamento preferencial”, disse ao Valor Josué Gomes da Silva, presidente da Coteminas e filho do vice-presidente José Alencar. O empresário já esteve pessoalmente no Haiti e conversou com produtores locais em busca de parceiros. (…)

Apesar da confusão institucional, o Haiti tem vantagens importantes para oferecer para uma empresa têxtil: proximidade e acesso diferenciado ao maior mercado do mundo, os EUA, e mão-de-obra barata. Uma costureira na capital Porto Príncipe recebe US$ 0,50 por hora. É uma remuneração infe rior aos US$ 3,27 pagos no Brasil e muito abaixo dos US$ 16,92 dos EUA, conforme a consultoria Werner. O valor é inferior até aos US$ 0,85 pagos no litoral da China e perde apenas para os US$ 0 ,46 do Vietnã e os US$ 0,28 de Bangladesh.

O plano da Coteminas é exportar o tecido do Brasil, confeccionar a roupa no Haiti, e vender com tarifa zero para os Estados Unidos, amparada pelo acordo de livre comércio”.

Como a Coteminas, outras empresas brasileiras se dirigiram para o Haiti em busca de bons negócios.

Veja bem
O plano, aparentemente não esta dando certo e agora os haitianos buscam refúgio junto ao país que lhes prometeu vida melhor, com direito a tropas, jogos de futebol e belos discursos no pacote. O governo deste pais solidário diz que não é bem assim.

O governo federal tem um ministério denominado Secretaria Especial de Politicas de Igualdade Racial. Até agora o órgão não se pronunciou sobre o tema. A Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da Republica tampouco tomou alguma atitude.

Lembrar é bom
Para terminar, vale uma lembranca. Há poucas semanas, voltou ao Brasil o padre italiano Vito Miracapillo. Ele foi expulso do Brasil em 1981, durante a ditadura, com base na famigerada lei dos Estrangeiros, promulgada em 1980. A norma legal envergonhou o país, ao possibilitar a expulsão de qualquer não brasileiro “considerado nocivo à ordem pública ou aos interesses nacionais”.

Seria bom o governo não dar continuidade a essa história por outras vias. Especialmente quando os estrangeiros em questão encontram-se do lado mais fraco da sociedade.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum