escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
20 de agosto de 2014, 17h48

CPI da Sabesp começa os trabalhos; PSDB manobra para obstruir investigação

Para o vereador Laércio Benko (PHS), o contrato da Sabesp com a cidade não está sendo cumprido. “O principal objetivo é fornecer água, o que não está ocorrendo”, afirmou, no dia em que a instalação da comissão foi aprovada.

Vereador Laércio Benko (PHS) cobra Alckmin: "Contrato da Sabesp com a cidade não está sendo cumprido. O principal objetivo é fornecer água, o que não está ocorrendo"

Por Rodrigo Gomes, da RBA

A Câmara Municipal de São Paulo inicia nesta quarta-feira (20) os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o fornecimento de água pela Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) para a capital paulista.

Proposta pelo vereador Laércio Benko (PHS), a comissão não vai investigar as causas da falta d’água, mas sim o cumprimento do contrato da companhia com a prefeitura. “Na cidade toda, temos falta: na Vila Madalena, Parque Edu Chaves, no Itaim Paulista, na Brasilândia. Só não existe grave crise hídrica para quem não quer ver”, justificou Benko.

Aprovada em plenário no dia 6, a comissão só poderá iniciar o trabalho nesta quarta-feira devido a uma manobra dos parlamentares do PSDB, que não indicaram o membro do partido. O prazo para indicação se encerrou segunda-feira (18) e o presidente da casa, vereador José Américo (PT), teve de indicar o vereador Mário Covas Neto (PSDB) para a comissão. O partido pode substituí-lo no decorrer dos trabalhos. Os parlamentares do PSDB votaram contra a CPI, que consideram eleitoreira.

Para Benko, o contrato da Sabesp com a cidade não está sendo cumprido. “O principal objetivo é fornecer água, o que não está ocorrendo”, afirmou, no dia em que a instalação da comissão foi aprovada.

A comissão terá, além de Benko e Covas Neto, os vereadores: Reis (PT), José Police Neto (PSD), Milton Leite (DEM), Roberto Trípoli (PV), Paulo Frange (PTB), Nelo Rodolfo (PMDB) e Ari Friedenbach (PROS). Amanhã será realizada a eleição para presidente, vice-presidente e relator da comissão. Os parlamentares também devem elaborar uma agenda de atividades e propor convocações de representantes da Sabesp, do governo municipal, entre outros. A CPI terá 120 dias para concluir os trabalhos.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) resiste a admitir a possibilidade de racionamento. Mesmo com diversos relatos de falta d’água em diversos horários, em regiões diferentes da cidade, o governador garante que não há cortes de água, nem risco disso até março de 2015.

A Assembleia Legislativa não aprovou nenhuma investigação sobre o tema até agora. Só o Ministério Público Federal (MPF) cobra que a medida seja declarada e posta em prática para evitar um colapso do sistema de abastecimento.

Desde o início do ano, o estado de São Paulo vive uma crise abastecimento de água, com reservatórios atingindo níveis cada vez mais baixos, mês a mês. Em maio, o Sistema Cantareira, que atende 8 milhões de pessoas na capital e na região metropolitana, passou a usar água do chamado “volume morto”, uma reserva que só pode ser captada com bombas de sucção na superfície.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum