escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de novembro de 2014, 19h42

Com reforma política cenográfica, referendo levará à Constituinte

O referendo em torno da reforma política Vaccarezza será o momento central, quando a população admitirá uma proposta feita de cima pra baixo ou representará um salto à frente, com a deslegitimação do sistema político e a convocação da Constituinte.

Por Igor Felippe

A Dilma Rousseff que venceu as eleições não vai governar. E o Congresso Nacional será uma trincheira de oposição ao desejo de “mais mudanças” que ganhou a disputa no 2º turno.

Foi esse o recado que os setores conservadores, em especial o PMDB, deram aos setores progressistas 48 horas depois da vitória da petista, com a derrubada do Sistema de Participação Social na Câmara dos Deputados.

Dilma não terá opções fáceis daqui pra frente. E o quadro que se desenha para o próximo período é de uma profunda crise. Os analistas políticos dos setores conservadores já traçam cenários e se preparam.

No programa Painel, da Globonews, apresentado por William Wack, os cientistas políticos Murillo de Aragão e Marco Aurélio Nogueira e o historiador Marco Antônio Villa afirmam que o Brasil enfrentará uma “tempestade”.

A divulgação das investigações da Operação Lava Jato cairá como uma bomba no Congresso Nacional. Até 100 parlamentares, a maioria do PMDB, podem ser atingidos pelas denúncias.

Essa tempestade, segundo eles, vai “estraçalhar o sistema político”. E a saída é o Congresso fazer a sua reforma política.

Os setores conservadores já se antecipam ao vendaval. O PMDB quer a presidência da Câmara dos Deputados para enfrentar essa tempestade e livrar os seus.

O nome que tem maior força no peemedebismo é Eduardo Cunha, o rei do baixo clero. Famoso pelas suas relações com grandes empresas, como da área da telefonia, seria o fiador dos parlamentares envolvidos no escândalo.

Com apoio da oposição, Cunha presidirá a Câmara para colocar a artilharia contra o governo e o PT, repetindo o enredo construído pelos grandes meios de comunicação e pelo Poder Judiciário no caso do chamado Mensalão.

Assim, os setores conservadores querem transformar o colapso do sistema político na crise terminal do PT, além de obstruir o governo Dilma. A capacidade de resistência dos setores progressistas dentro desse Congresso é muito pequena.

O conservadorismo – que tem como um dos seus pilares o anti-petismo – tem hegemonia na Câmara. Serão mais de 250 deputados da bancada do atraso, somando ruralistas, pastores fundamentalistas e agentes da repressão, de acordo com o Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar). A bancada empresarial terá 217 deputados, com integrantes que se referenciam no anti-petismo.

O governo federal tem instrumentos para reorganizar a base aliada, mas a efetividade será pequena em um quadro de baixo crescimento econômico e recrudescimento da luta política, depois das jornadas de junho de 2013 e da eleição presidencial.

O PT pode insistir na tática de governabilidade institucional, via indicação de ministros dos partidos, divisão das diretorias das estatais e liberação de emendas, mas não terá nenhuma garantia de que o Congresso aprovará projetos de interesse do governo ou impedirá a criação de CPIs.

A questão central é que, se a tempestade estraçalhar o sistema político, Dilma não conseguirá governar. Assim, construir ou não uma base de sustentação será secundário, porque viveremos o salva-se quem puder.

O grande desafio das forças progressistas será sobreviver à crise institucional, que colocará em xeque o sistema político.

A maioria conservadora do Congresso, que tem dirigentes poderosos e que veem longe, já está preparando a vacina, que é a aprovação de uma reforma política ao seu gosto, ou seja, que não modifica os fundamentos desse sistema dominado pelo poder econômico.

O enredo que os setores conservadores, articulados nos grandes meios de comunicação e no Poder Judiciário, constroem é que apenas Congresso tem a legitimidade democrática e capacidade institucional para fazer a reforma política.

Um evidente contrassenso, na medida em que a sociedade exige uma reforma política profunda justamente pela falta de legitimidade de um Congresso eleito pelas regras vigentes, que colocam em xeque a institucionalidade.

A maioria conservadora quer fazer da aprovação da reforma política de Cândido Vaccarezza, com a benção do PMDB, a “redenção” do Parlamento, demonstrando que deputados e senadores admitem seus pecados e têm coragem para fazer as mudanças.

O que atravessou o samba foi a manutenção da proposta de realização de um plebiscito pela presidenta Dilma, voltado para deliberar sobre convocação de uma Constituinte do Sistema Político.

A campanha de Dilma à presidência teve como um dos eixos centrais a realização da reforma política com participação popular. Depois da vitória, a presidenta reeleita foi aos jornais de TV e reforçou a necessidade do plebiscito.

Diante dessa proposta, fortalecida pelo plebiscito popular das organizações da sociedade civil, que teve 8 milhões de votos, a maioria conservadora respondeu que essa não é a melhor forma de consultar a sociedade, mas aceitou fazer um referendo em torno do projeto aprovado no Congresso.

Depois da reação do Congresso, Dilma admitiu a realização do referendo, porque o que valeria é o conteúdo. O referendo para dizer “Sim” ou “Não” à reforma política aprovada pelos deputados e senadores, que muitos avaliam como um recuo da presidenta, pode ser o xeque mate que definirá o futuro da luta política no país.

O relatório apresentado por Vaccarezza é bastante superficial e trata dos seguintes pontos: voto facultativo; fim da reeleição; sistema eleitoral; sistema opcional privado, público ou particular para financiamento de campanhas eleitorais; fim das coligações partidárias e cláusula de desempenho partidária. (leia mais aqui)

A maioria conservadora fará da vitória do “Sim” a reconstrução da legitimidade perdida pelo Congresso, por meio da aprovação de uma reforma política que não modifica as raízes dos problemas do sistema político.

E os setores progressistas?

Às forças sociais que têm interesse em mudanças de verdade no sistema político, restará fazer a campanha pelo “Não”, uma vez que o projeto aprovado não representará as transformações que a sociedade cobra.

Assim, se colocará para o povo brasileiro a incapacidade do Congresso se auto-reformar e a necessidade de uma Assembleia Constituinte do Sistema Político. A vitória do “Não” à reforma política dos parlamentares será um não ao Congresso.

Assim, o referendo será o momento central, quando a população admitirá uma proposta feita de cima pra baixo ao gosto dos parlamentares que não querem mudar nada ou representará um salto à frente, com a deslegitimação do sistema político vigente e a convocação da Constituinte.

Os setores conservadores já atacam a proposta da Constituinte, acusando de bolivarianismo, chavismo e autoritarismo. Assim, querem enfiar goela abaixo da sociedade uma reforma política cenográfica, para conferir autoridade a um Congresso que será a trincheira da oposição ao governo Dilma.

Aos setores progressistas, o desafio é preparar desde já as bases para a legitimação dessa nova arena institucional, por meio da luta política e mobilização social, sob risco da esquerda perder a luta da reforma política e assistir o Congresso jogar no colo do governo Dilma a crise institucional que se instalará no próximo período.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum