escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
26 de agosto de 2014, 21h18

Depois de todo junho há um agosto

Com Marina Silva, a "não política" ganha um rosto. Ela virou favorita pra ganhar. Só a Política de outubro, na boca da urna, pode desfazer os enganos de junho e agosto.

Atrás de Marina Silva, há a sensação indefinida de que “algo não vai bem”. Há anos de bombardeio midiático a dizer que “a política não presta”. Marina, uma política profissional, que vive há mais de 30 anos da política, deu cara a esse sentimento difuso. Junho ganhou um rosto. E os neoliberais podem voltar ao poder, na garupa de Marina.

por Rodrigo Vianna

Narcisismo: a "não política" ganha um rosto...

Depois de junho, há sempre um… agosto. Sim, é como se este agosto de 2014 fosse a continuação inexata e algo surpreendente daquele junho de 2013 – que levou milhares às ruas.

O nome de Marina Silva não foi gritado nas ruas em junho de 2013. Não. Aquele foi um movimento inorgânico, um sintoma de que a grande mudança social operada no Brasil dos anos Lula havia gerado contradições quase insanáveis. E que o petismo estava mal preparado para lidar com elas.

Os manifestantes berravam contra a política em 2013 : “fora os partidos”, gritavam muitos jovens de junho. Ninguém me contou, eu vi nas ruas. Aquela foi uma miscelânea: justas reivindicações progressistas, lado a lado com o grito fascista de gangues – que surravam qualquer um de camisa vermelha pelas ruas. Isso foi junho de 2013. Eu vi. Ninguém me contou.

Dilma fez a leitura correta de junho. Foi à TV e propôs a Reforma Política – reconhecendo a esclerose de um sistema político dominado pelo peemedebismo que gera asco entre jovens e velhos, entre conservadores e esquerdistas. A única forma de derrotar a “não política” é com mais política…

Mas o PMDB e o tucanato, o conservadorismo bacharelesco e seus aliados midiáticos, juntos, barraram Dilma. A Reforma foi enterrada, a presidenta capitulou, não enfrentou o debate. Achou que seria possivel adiar tudo para um segundo mandato.

O mais irônico é que, apesar do governo mediano, que não empolga, tudo parecia seguir o roteiro traçado pelos marqueteiros e estrategistas de Dilma. No início de agosto de 2014, dentro da campanha tucana, começava-se a acreditar que Aécio não teria mesmo força pra deslanchar: ficava claro que o PSDB e mesmo Eduardo não conseguiriam empunhar a bandeira da “mudança”.

Dilma preparava-se para ganhar um segundo mandato, percorrendo uma passagem estreita, sobrevivendo ao mal-estar de junho e a seus erros. A Copa não fora o desastre previsto. A Economia tinha problemas, mas com os tucanos poderia ser até pior – reconheciam muitos. A avaliação popular do governo começava a melhorar.

Exatamente aí veio o 13 de agosto. No avião em que estavam Eduardo e seus assesores, naquela manhã terrível em Santos, estava também uma conjuntura política que não se vai refazer. Aécio e sua tentativa de “tucanismo renovado” caíram no avião, com Eduardo. A estratégia dilmista de ganhar sem disputa, quase sem política, também se esfacelou com o avião.

A velha UDN vai embarcar no vôo solo de Marina? Leia mais aqui

O IBOPE mostra Dilma com 34%, Marina com 29% e Aécio com 19%. Números forçados? Na margem de erro? Quem sabe… Mas o fato é que Marina Silva emerge de agosto como a favorita para vencer. Aécio se esborracha, e Dilma embica para baixo. Não está escrito nas estrelas que Marina vencerá. Mas ela é favorita. Não se deve brigar com os fatos.

Há – sim – certo temor (nas elites e nos setores orgânicos de trabalhadores) diante de uma candidata que mistura um discurso de defesa ambiental com um moralismo tosco e perigoso. Há a desconfiança diante de uma candidata que tem a  cara de junho, ou seja: pode ser tudo e nada ao mesmo tempo. Só que o cansaço com 20 anos de PSDB e PT parece ser maior ainda.

Desde que soube que o avião tinha caído, uma intuição me fez afirmar aos amigos mais próximos: a eleição caiu no colo da Marina. Ela só perde se errar muito. Ela só perde se o PT, Dilma e Lula fizerem (muita) politica em vez de terceirizarem a eleição para João Santana. O marqueteiro faz belos programas. É um craque. Mas isso não ganha eleição.

Ok, o IBOPE pode ter forçado a mão. Dilma pode ter dois pontos a mais, Marina e Aécio dois a menos. Ainda assim, o quadro não mudaria tanto.

Contradições do marinismo devem ser expostas ao país. Ainda assim, mesmo que a ex-ministra fique com algo em torno de 25% e Dilma se consolide com 37% ou 38% no primeiro turno, ainda assim, Marina será favorita no turno final.

“O espírito do tempo favorece Marina”, escreveu um sábio leitor no twitter (@xandebueno).

Depois de todo junho, há um agosto. Mas o messianismo de Marina (ah, a mão de Deus) não precisa confundir os brasileiros. Nem fazê-los crer que o destino quis assim. Não. Depois de agosto, há setembro e outubro para que o Brasil decida se – pela terceira vez na história (depois de Janio e Collor) – vai apostar numa liderança política que finge não fazer política.

Junho (2013) foi política em estado bruto, gente fazendo política nas ruas, mas berrando contra a política. Agosto (2014) parece ser a continuação desse engano. Há tempo de desfazer o engano? Pouco tempo.

Só a Política de outubro, na boca da urna, pode desfazer os enganos de junho e agosto. Só a Política pode evitar um mergulho que seria não rumo ao desconhecido, mas rumo a uma história que conhecemos tão bem.

2014, seu outro nome é 1960? Veremos em breve.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum