escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
11 de junho de 2015, 10h46

Dilma repudia intervencionismo: “Rechaçamos qualquer sanção contra a Venezuela”

A presidenta enfatizou que não considera “virar as costas” para a Venezuela e disse que não é a favor de interferências em países irmãos. "Colocar a Venezuela como sendo uma ameaça aos Estados Unidos não é algo que contribua para maior democracia na Venezuela”.

Por Marcelo Brandão, da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff disse ontem (10), em Bruxelas, na Bélgica, durante a II Cúpula de países da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e da União Europeia, que os países latino-americanos “rechaçam” quaisquer sanções contra a Venezuela.

“Não admitimos medidas unilaterais, golpistas e políticas de isolamento. Sabemos que tais medidas são contraproducentes, ineficazes e injustas. Por isso, rechaçamos a adoção de quaisquer tipos de sanções contra a Venezuela. A Unasul trabalha arduamente para promover o diálogo político na Venezuela, buscando contribuir para o pleno respeito, por todos, ao Estado Democrático de Direito e à Constituição”.

Ontem (9), em entrevista à empresa de radiodifusão alemã Deutsche Welle, a presidenta já tinha abordado o assunto. Ela enfatizou que não considera “virar as costas” para a Venezuela, e citou o exemplo de Cuba. Ela disse que não é a favor de “interferências em países irmãos”. “Acho que muita gente gostaria que virássemos as costas para a Venezuela, como durante muito tempo foi feito com Cuba. Com Cuba, nós sempre nos recusamos. Nós somos um país eminentemente pacífico. Colocar a Venezuela como sendo uma ameaça aos Estados Unidos não é algo que contribua para maior democracia na Venezuela”, acrescentou.

Na entrevista, Dilma considerou um “ônus insignificante” as pressões que vem recebendo, de parte da sociedade, após o escândalo de corrupção na Petrobras, envolvendo PT, PMDB e PP. Dilma voltou a enfatizar que o Brasil investiga mais a corrupção do que em outros tempos.

“Esse ônus é insignificante, perto do fato de que, eu posso te garantir, o Brasil, nesta área, mudou. Nunca no Brasil, antes, quem corrompia era preso. Nem tampouco quem era corrompido”, disse ela, e aproveitou para falar da reforma política e do financiamento empresarial de campanha. O governo defende o fim dessa modalidade do financiamento, mantida pela Câmara.

“É óbvio que o Brasil precisa fazer uma reforma política. É óbvio. Nós do governo somos contra financiamento empresarial de campanha. A contribuição tem de ser de pessoa física, e não de pessoa jurídica. Infelizmente, não passou isso no Congresso”, ressaltou.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum