escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Fórumcast, o podcast da Fórum
19 de junho de 2012, 09h03

Rio+20: Economia verde x economia solidária

Da Carta Maior: Em entrevista à Carta Maior, o professor e coordenador de Extensão do Centro Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Sidney Lianza, falou sobre Economia Verde, um dos principais conceitos discutidos na Rio+20, e a função da universidade no debate político e social do desenvolvimento sustentável.

Sidney Lianza, da UFRJ, defende paradigma da Economia Solidária e ataca Economia Verde
Por Caio Sarack, na Carta Maior

Em entrevista à Carta Maior, o professor e coordenador de Extensão do Centro Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Sidney Lianza, falou sobre Economia Verde, um dos principais conceitos discutidos na Rio+20, e a função da universidade no debate político e social do desenvolvimento sustentável.

O professor vê o espaço proposto pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da UFRJ, mais conhecido como Coppe, para a Rio+20, como algo relevante, mas critica a setorialização do debate nas instituições, uma vez que ele deveria ser feito diretamente com a sociedade. Para Lianza, a economia é arena da política e, por isso, deve ser pública. Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

Carta Maior – Como o senhor vê o debate sobre o tema da sustentabilidade na Coppe e na academia?
Sidney Lianza – A universidade não tem expressado pensamento crítico sobre a tragédia socioambiental. Ter esse espaço para se colocar desta forma é interessante. No entanto, o problema tem sido a divisão do debate, você tem unidades que prestam serviços, parcerias com o governo por licenças ambientais, com comunidades que tenham problemas com projetos públicos, mas não um pensamento crítico aberto e feito com a sociedade. A universidade tem esse papel que é fundamental e é uma de suas funções primordiais. Olhe aqui (apontando para o panfleto do evento, onde ficam os patrocinadores): General Eletronics, Braskem, Santander… Não podemos esquecer disto, não podemos esconder isto. Temos que pensar sobre isto.

CM – O que o senhor pensa sobre a Economia Verde?
SL – A economia verde é um oxímoro. A economia verde não é mais que o mesmo, só que pintado. Não tem como falar sobre sustentabilidade quando temos um capitalismo com modelo de crescente consumismo, com obsolescência de produtos de consumo e transporte centrado no automóvel individual. Não adianta pintar isso tudo de verde. Eu prefiro falar em economia solidária.

CM – O senhor acha que “economia” e “social” são conceitos paradoxais?
SL – Para quem pensa a economia como gestão de escassez, como dizia o sociólogo Karl Polanyi, sim.

CM – Como o senhor vê esse encontro de campos aparentemente distantes, da tecnologia e da justiça social?
SL – Acho que eu mudaria um pouco o tema desta conferência da Coppe, não chamaria de “Tecnologia e Inovação para uma economia verde e a erradicação da pobreza”, eu adicionaria a palavra social depois de “inovação”. A erradicação da pobreza demanda tecnologia e inovação social para uma economia solidária com justiça ambiental. A economia solidária é fazer com que a sociedade participe das decisões, é reabilitar a economia como política e não como mercado. Trazer capilaridade nas decisões sobre a economia, porque ela é uma coisa pública.

CM – Pode nos dizer mais sobre isto?
SL – A gente vive a privatização da natureza e dos bens comuns. Tem uma professora italiana, Giovanna Ricoveri, que escreveu um livro chamado “Bens Comuns vs. Mercadoria”, lá ela traz desde os romanos o conceito de bem público até hoje. Temos nós que conceituar este termo hoje. A tecnologia da informação, por exemplo, é importantíssima, todos deveriam ter o acesso a ela. Na segurança alimentar, o mercado influencia na produção direta de alimentos, e espaços que poderiam produzir muito mais são pagos para produzir em menor quantidade. Na energia, o programa Luz para Todos é um exemplo de que é crucial para o bem-estar da sociedade que ela tenha acesso como bem comum. O desafio a ser enfrentado é reconhecer estes bens comuns, conceituá-los e lutar por eles.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum