escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Fórumcast, o podcast da Fórum
19 de março de 2018, 10h44

Estado de exceção: polícia invade o Bip-Bip, bar mais famoso de Copacabana

O guarda da esquina acha que pode tudo; Moro abriu as portas do inferno do arbítrio

Na noite deste domingo, o dono do Bip-Bip (o bar que é uma espécie de templo do samba no Rio) foi “conduzido” para a delegacia.

Não. Ele não roubou um cliente na conta. Ele não bateu num garçom.

Alfredinho (foto), um personagem que promove rodas de samba e exige que os clientes fiquem em silêncio para ouvir os músicos, um sujeito que defende a democracia e a cultura, resolveu promover uma homenagem à vereadora Marielle.

Esse foi o crime de Alfredinho!

Um policial rodoviário (PRF) resolveu se insurgir contra a homenagem. E foi vaiado pelos presentes.

O tal policial se viu no direito de conduzir Alfredinho pra delegacia.

Pra isso, chamou uma viatura da PRF pra frente do bar. Um abuso. O abuso do guarda da esquina.

Mas não haveria o abuso do guarda da esquina sem os abusos de Moro – o juiz das camisas negras.

Vocês lembram da frase do Pedro Aleixo (vice-presidente de Costa e Silva na ditadura, dizendo porque não assinava AI5 (dezembro de 1968) que acabava com o sistema de garantias individuais que ainda sobrevivia (apesar da ditadura iniciada em 1964): “o problema não é o senhor, presidente.  O problema é o guarda da esquina”.

Hoje, no Brasil, não é só Moro que late seus desatinos, feito um cão de guarda do arbítrio.

Centenas de policiais/juízes/promotores (parte da casta jurídico-policial brasileira) sentem que não há lei que os detenha.

Eles são a lei.

A lei em movimento vale pra grampear advogado de Lula, vale para grampear presidente da República (Moro grampeou Dilma e avisou a Globo que botou grampo ilegal no ar) e para prender o Alfredinho de forma abusiva.

Pensem no absurdo: Polícia Rodoviária (eu disse “Rodoviária”) desloca uma viatura para “conduzir” o dono de um bar em Copacabana.

Qual estrada brasileira passa por Copacabana?

Pelo visto, a estrada do arbítrio e da barbárie.

Essa estrada começa em Curitiba, na vara presidida pelo cão raivoso, passa por São Bernardo (onde os cães querem prender – sem provas – o líder de todas as pesquisas eleitorais), faz uma curva pela Baixada Fluminense e a Maré (onde outros guardas da esquina se sentem poderosos para bater, matar e abusar do povo pobre), e passa em frente ao Alfredinho em Copacabana… até concluir seu trajeto em Brasília.

Na capital federal, outros cães (covardes, emparedados pela Globo) aceitaram o triste papel de – no STJ –  chancelar o arbítrio.

O arbítrio inaugurado por Moro permite ao guarda rodoviário da esquina conduzir o Alfredinho.

Se o juiz das camisas negras pode conduzir Lula na base da canetada, porque não levar o Alfredinho?

E vão levar cada um de nós!

Tirem as mãos do Alfredinho!


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum