escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de junho de 2013, 01h19

“Folha” e “Estadão” pediram ordem: Alckmin atendeu

Alckmin gostou das sugestões. Seguiu a recomendação dos ex-jornalões. E os jornalistas sentiram na pele, nos olhos e - espero - no coração que o interesse do patrão não se confunde com o interesse de quem escreve, apura, reporta.

 

Repórter da "Folha" experimenta o "rigor da lei", pedido pelo jornal

por Rodrigo Vianna

“Folha” e “Estadão” são velhos defensores da ordem. Em 64, defenderam uma “ordem” curiosa: em nome da Democracia, era preciso atentar contra a Democracia. A gloriosa imprensa nacional implorou pelo golpe. E foi atendida. Nos anos seguintes, jornalistas foram presos, torturados. Na época, a maioria dos jornalistas tinha noção exata de que o interesse do patrão não era o interesse do jornalista. Os dois não se confundiam.

Os anos 90 transformaram os jornalistas em “novos-ricos”, apesar de quase sempre mal pagos. O novo-riquismo se expressava em um jeito “moderno” de se vestir, que eu vi de perto na Redação da Barão de Limeira: chefes com calça pula brejo, gravatas coloridas, um jeito espalhafatoso que alguns chamavam de “yuppie”. Muitos, mesmo sem ser chefes, embarcaram no modismo. Vestiram roupa dos chefes, passaram a pensar como os patrões. Jovens recem-saídos da faculdade chegavam às redações achando que eram sócios da “liberdade de imprensa” dos patrões.

Muitos jornalistas defendem as idéias do patrão porque se confundem com o jornal ou a revista (ou a TV, ou a rádio, ou o Portal da internet) em que trabalham. Claro que há exceções, há lucidez aqui e ali. E há aqueles que, simplesmente, lutam para sobreviver em redações cada vez mais insanas.

“Folha” e “Estadão”, nas últimas semanas, forneceram um ensinamento importante. A opinião do dono do jornal não se confunde com o interesse do jornalista. Representantes do pensamento (?!) oligárquico, os dois ex-jornalões paulistanos passaram os últimos dias a implorar ao governador bandeirante: “bote ordem no coreto”, “prenda e arrebente”.

Alckmin gostou das sugestões. Seguiu a recomendação dos ex-jornalões. E os jornalistas sentiram na pele, nos olhos e – espero – no coração que o interesse do patrão não se confunde com o interesse de quem escreve, apura, reporta. O pau comeu na Paulista. Jornalistas conheceram o tratamento de choque que tantos, na classe média, preconizam como solução contra a violência. Foi o Pinheirinho na Paulista – leia mais aqui.

Ah, mas que coisa antiga chamar o empregador de “patrão”. Somos todos “colaboradores”, certo? Hum, pergunte aos jornalistas que levaram bala no olho, aos jornalistas que sentiram o gás invadir olhos e pulmões, o que eles acham da opinião de seus doutos chefes e diretores!

“Folha” e “Estadão” são sócios desse Pinheirinho da Paulista, promovido pelo governador bandeirante para reprimir quem protestava contra os aumentos nas tarifas de ônibus. A ordem está mantida. Parabéns à “Folha” e ao “Estadão”. A liberdade de imprensa venceu!

Lino Bocchini, em seu blog na CartaCapital, foi quem lembrou dos textos publicos pelos dois ex-jornalões:

“Chegou a hora do basta”, O Estado de S. Paulo:

“A PM agiu com moderação, ao contrário do que disseram os manifestantes, que a acusaram de truculência para justificar os seus atos de vandalismo (…) A atitude excessivamente moderada do governador já cansava a população. Não importa se ele estava convencido de que a moderação era a atitude mais adequada, ou se, por cálculo político, evitou parecer truculento. O fato é que a população quer o fim da baderna – e isso depende do rigor das autoridades (…) De Paris, onde se encontra para defender a candidatura de São Paulo à sede da Exposição Universal de 2020, o governador disse que “é intolerável a ação de baderneiros e vândalos. Isso extrapola o direito de expressão. É absoluta violência, inaceitável”. Espera-se que ele passe dessas palavras aos atos e determine que a PM aja com o máximo rigor para conter a fúria dos manifestantes, antes que ela tome conta da cidade.”

“Retomar a Paulista”, Folha de S. Paulo:

“É hora de pôr um ponto final nisso. Prefeitura e Polícia Militar precisam fazer valer as restrições já existentes para protestos na avenida Paulista (…) No que toca ao vandalismo, só há um meio de combatê-lo: a força da lei”.  

 

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum