escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de agosto de 2014, 10h08

Força Aérea israelense realiza seis ataques contra palestinos em Gaza

Com o fim da trégua de 72 horas entre Israel e o Hamas, a Faixa de Gaza voltou a ser alvo nesta sexta-feira (08/08) de bombardeios por parte do Exército israelense, que ataca novamente a região após acusar milícias palestinas de lançarem dezenas de foguetes em seu território.

Ataque israelense no norte de Gaza nesta sexta-feira

Do Opera Mundi

Com o fim da trégua de 72 horas entre Israel e o Hamas, a Faixa de Gaza voltou a ser alvo nesta sexta-feira (08/08) de bombardeios por parte do Exército israelense, que ataca novamente a região após acusar milícias palestinas de lançarem dezenas de foguetes em seu território.

Segundo fontes ligadas ao setor da saúde, um menor morreu na Faixa de Gaza, e outros nove palestinos ficaram feridos, em um dos bombardeios israelenses na região, enquanto dois israelenses ficaram feridos após a queda de um foguete. O cessar-fogo terminou às 8h (horário local, 2h de Brasília) depois que porta-vozes do Hamas disseram na noite passada que as milícias não aceitavam uma prorrogação.

Minutos após terminar o cessar-fogo, a Jihad Islâmica e os Comitês Populares de Resistência dispararam uma dezena de foguetes contra cidades em Israel, que por enquanto chamou seus negociadores do Cairo com o argumento de que “não negocia sob fogo”.

A criança palestina morreu em um ataque a uma mesquita no campo de refugiados de Jabalya, disse Ashraf al Qidra, porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza. Fontes de segurança informaram que a Força Aérea israelense realizou hoje seis ataques em todos os setores da Faixa.

Segundo as mesmas fontes, Israel também atacou no norte da Faixa a partir de navios de guerra, assim como com sua artilharia. As vítimas em Gaza desta manhã se somam às que a operação israelense Margem Protetora tinha causado até a entrada em vigor na terça-feira da trégua de 72 horas pedida pelo Egito para negociar com as partes um cessar-fogo permanente. No total, 1.888 palestinos morreram e cerca de 10.000 ficaram feridos desde o dia 8 de julho.

Sem negociação

A delegação israelense que se encontrava no Cairo, a capital do Egito, para as negociações de um cessar-fogo com as milícias palestinas na Faixa de Gaza retornou a Jerusalém nesta sexta-feira para consultas, informaram fontes governamentais citadas pela imprensa local.

A delegação, que desta vez permaneceu no Egito por cerca de nove horas, chegou a Israel pouco antes do término do cessar-fogo de 72 horas. Fontes governamentais que pediram anonimato disseram ao jornal  Yedioth Ahronoth que Israel “não negocia sob fogo”.

A delegação tinha comparecido ao Cairo para acompanhar os contatos com o Egito, que atua como mediador frente ao Hamas, organização que Israel não reconhece e que considera por lei como um “grupo terrorista”. Durante os últimos três dias, os representantes do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, fizeram várias viagens entre os dois países enquanto as partes negociavam.

Medidas de emergência

A divisão de Defesa Civil das Forças de Defesa de Israel (IDF, sigla em inglês) instaurou novamente nesta sexta-feira as medidas de emergência em um raio de 40 quilômetros ao redor da Faixa de Gaza, reabriu os refúgios e proibiu a concentração de pessoas em um raio de 80 quilômetros. A medida afeta mais de um milhão de pessoas de Gaza até a cidade de Rishon Lezion, ao sul de Tel Aviv.

No sul de Israel, os prefeitos de quase todas as localidades emitiram ordens para que sejam evitadas as concentrações de pessoas e pediram que seus moradores permaneçam próximos dos refúgios. A Jihad Islâmica e os Comitês Populares de Resistência se responsabilizaram pelo lançamento dos foguetes depois do fim do cessar-fogo.

O Hamas se distanciou dos disparos de hoje e, sem confirmar uma prorrogação da trégua que terminou esta manhã, disse que as negociações continuam no Cairo, a capital do Egito, para um cessar-fogo permanente.

Deslocamento palestino

Em Gaza, milhares de civis começaram a deixar suas casas nas regiões norte e leste do território palestino por temerem ataques palestinos. Homens, mulheres e crianças estão abandonando suas residências nos bairros do leste da Cidade de Gaza, onde aconteceram os enfrentamentos mais violentos durante o mês de julho.

Durante várias semanas a aviação israelense submeteu esses bairros a intensos bombardeios, alegando que eram os lugares de onde foi lançada a maior parte dos foguetes. Seus moradores tinham retornado ao que restou de suas casas durante a trégua de 72 horas estipulada pelas partes.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum