escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
03 de fevereiro de 2014, 09h19

Igor Fuser: Celac depende de governos progressistas

A 2ª Cúpula da Celac, realizada em Havana na semana passada, representa a consolidação de uma inovadora instituição internacional. Leia entrevista com o jornalista Igor Fuser, professor do curso de Relações Internacionais da UFABC.

Por Igor Felippe, no Escrevinhador

A 2ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), realizada em Havana na semana passada, representa a consolidação de uma inovadora instituição internacional, com a participação de 33 países da região e a presença do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon.

Criada em 2010 como alternativa à Organização dos Estados Americanos (OEA), controlada pelos Estados Unidos, a Celac é um fato consumado no jogo da geopolítica e cria um ambiente favorável à integração dos países do continente.

Essa é a avaliação do jornalista Igor Fuser, professor do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC) e doutor em Ciência Política pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (2011).

“O futuro da Celac depende, em primeiro lugar, da manutenção dos atuais governos progressistas diante da crise econômica global e das próximas eleições presidenciais e, em segundo lugar, do próprio rumo que esses governos percorrerão no próximo período”, avalia.

Abaixo, leia entrevista concedida ao Blog Escrevinhador.

Qual a sua avaliação sobre a 2ª cúpula da Celac?

A reunião da Celac em Havana deixou um saldo muito positivo, ao consolidar a existência essa inovadora organização internacional. A partir de agora, já não se perguntará mais se a Celac vai “vingar”. Ela se tornou um fato consumado. Um sinal disso, além da participação de todos os governos das Américas do Sul e Central, México e Caribe, foi a presença do secretario-geral da ONU, Ban Ki-Moon.

O que você destaca na reunião?

Dois tópicos importantes que fazem da reunião de Havana um evento vitorioso, do ponto de vista da soberania e do avanço político da região no rumo da justiça social e da efetiva democratização, foram o papel de Cuba como anfitriã, o que marca mais um passo na plena reintegração da ilha socialista ao conjunto dos Estados latino-americanos, e a declaração da América Latina como uma região de paz, contrariando frontalmente a postura estadunidense de militarização do continente.

Quais os principais desafios para a consolidação da Celac?

A Celac é um fruto direto da existência simultânea de vários governos pós-neoliberais na região, principalmente na América do Sul, mas também na América Central, com a Nicarágua, por exemplo, sem falar na sobrevivência de Cuba revolucionária a todas as tempestades do pós-Guerra Fria. Assim, a própria continuidade dessa nova instituição e, sobretudo, se ela terá um papel político relevante ou ficará como uma simples sigla, dependerá da correlação de forças em âmbito regional e continental.

O que isso significa?

O futuro da Celac depende, em primeiro lugar, da manutenção dos atuais governos progressistas diante da crise econômica global e das próximas eleições presidenciais e, em segundo lugar, do próprio rumo que esses governos percorrerão no próximo período, avançando em direção a reformas estruturais em favor dos trabalhadores e da soberania nacional, ou, ao contrário, abrindo espaço para o fortalecimento das forças burguesas, conservadoras e pró-imperialistas. Aí reside o principal obstáculo.

E o papel dos Estados Unidos…

Há que se considerar também a atuação permanente dos Estados Unidos em sabotar a Celac e demais organismos de integração regional do qual o imperialismo se vê excluído, como a Unasul, o Mercosul e o Conselho de Defesa Sul-Americano. O império estadunidense usará a Aliança do Pacífico como contraponto às iniciativas de integração soberana e conta, para isso, com seus aliados na América Latina, uma vasta rede que inclui não só governos como os do México e Colômbia, mas também as forças direitistas no interior de cada um dos nossos países.

A Celac poderá atuar como um contraponto às ações golpistas na América Latina e Caribe, como aconteceu em Honduras (2009) e no Paraguai (2012)?

Sem dúvida, podemos esperar dessa instituição um papel duplamente positivo, primeiro no sentido dissuasório, ou seja, de elevar o custo político de operações dessa natureza e, segundo, como agente de defesa da democracia, ao facilitar a articulação política e diplomática para combater e reverter as ações golpistas, que invariavelmente assumem um caráter reacionário.

A instituição pode se consolidar como um instrumento político para a integração continental?

A integração continental pode ser facilitada pela formação de instituições criadas com essa finalidade, mas o fator principal para que a integração aconteça se situa no jogo político efetivo, do qual as mudanças institucionais são mera decorrência. Assim, é ilusório esperar avanços dramáticos de integração regional ou continental no curto prazo. O que se pode, sim, esperar da Celac é que ela proporcione um ambiente mais favorável a iniciativas de integração com base em práticas solidárias e cooperativas, como o Banco do Sul.

Poderá contribuir resistindo às ofensivas do imperialismo…

Uma instituição como a Celac é importante não só pelo que ela poderá apresentar como realizações efetivas, mas também pelos projetos nefastos que poderá dificultar ou mesmo evitar que se apresentem. O velho plano imperialista que atrelar o continente a uma área de livre-comércio do tipo ultraliberal enfrentará maior resistência se as forças progressistas da América Latina conseguirem consolidar uma rede firme de instituições integracionistas marcadas pelo protagonismo de outras concepções, soberanistas, socialistas e desenvolvimentistas.

A Celac surgiu como um contraponto à OEA, que tem forte influência dos Estados Unidos. Qual a importância dos países latino-americanos construíram uma nova instituição?

Desde o início do século 19, quando a dominação ibérica deu lugar a um conjunto de países independentes, trava-se uma disputa em torno da identidade da nossa região. Bolívar defendia a união das antigas colônias espanholas, e mais tarde o cubano José Martí defendeu o conceito de Nuestra América, o que inclui, naturalmente, o Brasil. Tanto Bolíviar quanto Martí tinham muito clara a necessidade de evitar o domínio da região pelos Estados Unidos, que, sobretudo no final do século 19, já deixavam evidente sua opção pelo imperialismo. A atuação estadunidense nesse debate se dá no sentido oposto.

Especialmente, com a Doutrina Monroe…

O presidente James Monroe, ao lançar a doutrina que leva seu nome, inaugurou um enfoque com base na ideia do Hemisfério Ocidental. Essa é a origem do pan-americanismo, que entende as três Américas como um espaço em que a liderança política e econômica só poderá ser exercida pelos Estados Unidos. Já a ideia de América Latina recupera os ideais de Bolívar e Martí ao ressaltar a identidade comum dos povos de língua espanhola, portuguesa e indígenas, uma história que é cultural e também política, alicerçada no jugo neocolonial e imperialista, e também econômica, na medida em que compartilhamos a inserção periférica no sistema capitalista global.

Como esse processo se deu nas últimas décadas?

Nas décadas de 1980 e 1990, quando o imperialismo estadunidense estava em plena ofensiva na região, e também no mundo, seus porta-vozes fizeram de tudo para diluir o conceito de América Latina, substituído pela ideia falaciosa das Américas, ou simplesmente o Hemisfério Americano. A partir de 2000, a mudança na correlação de forças regional, em favor das forças de esquerda e das propostas progressistas de um modo geral, trouxe consigo uma defesa revigorada da ideia de América Latina, da qual a Celac é a expressão mais contundente.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum