escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de janeiro de 2011, 19h15

Lily Marinho, o beijo e as demissões

Ontem, escrevi aqui sobre a (lenta) decadência da TV Globo. Por uma (triste) ironia, no fim do dia foi anunciada a morte da viúva de Roberto Marinho, Lily. Também no fim do dia ficamos sabendo que o Big Brother terá - na próxima edição - um travesti em cena. Qual a ligação entre os três fatos? Vou tentar explicar...

Ontem, escrevi aqui sobre a (lenta) decadência da TV Globo.

Por uma (triste) ironia, no fim do dia foi anunciada a morte da viúva de Roberto Marinho, Lily. Também no fim do dia ficamos sabendo que o Big Brother terá – na próxima edição – um travesti em cena.

Qual a ligação entre os três fatos?

Vou tentar explicar.

Quinze anos atrás, na velha sede paulista da TV Globo, na praça Marechal, deu-se o rebuliço: a direção da emissora no Rio queria a demissão dos responsáveis pela cena “chocante” levada ao ar um dia antes, no “Fantástico”. Qual era a cena “chocante”? O beijo de dois (ou duas) “drag queens”. Um conhecido repórter do programa resolvera mostrar uma festa num evento gay que acontecia em São Paulo: a transmissão era ao vivo e, lá pelas tantas, deu-se a cena (sobre isso, há mais detalhes aqui, no blog “Doladodelá”).

A história que corria pelos corredores da TV na época era a seguinte: Lily Marinho vira a cena no “Fant[ástico” e considerara uma afronta à família brasileira; pediu providências ao Roberto Marinho. E aí vocês imaginam o resto da história. Quem pagou o pato? Hugo Sá Peixoto (cinegrafista que mostrou a cena) e Amaury Trolize (que, além de ótimo cinegrafista e responsável pela coordenação de imagens na Globo, cumprira naquele dia a função de diretor de TV, fazendo no caminhão o corte de imagens). Os dois perderam o emprego. Eram tempos em que drag queens beijando na boca estavam vetadas. Eram tempos em que a voz aristocrática de Lily Marinho ainda se fazia ouvir na poderosa emissora. Eram tempos, também, de uma hipocrisia violenta.

O que dona Lily diria se soubesse (ou se visse) o travesti que Boninho (diretor do Big Brother) resolveu escalar pra aumentar a audiência do BBB?  Provavelmente, a opinião dela hoje não contaria muito. Nos corredores do poder da Globo, dona Lily já estava morta. Tanto que – contrariando a linha oficial dos filhos de Roberto Marinho – resolveu abrir a velha mansão do Cosme Velho para receber Dilma durante a recente campanha eleitoral.

Não sei se o Brasil ficou um país melhor porque agora a presença de um travesti já não é considerada uma “afronta” na Globo. Provavelmente, sim. O que sei é que hoje o Hugo e o Trolize não perderiam o emprego se filmassem o beijo.

A decadência pode ter suas vantagens: não é preciso mais prestar contas à hipocrisia.

Mais uma página virada.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum