escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de setembro de 2011, 09h58

Lisbon revisited: globalização e incêndio

Passo nesse momento pela capital portuguesa em direção à Espanha, onde já não venho há alguns anos. A primeira impressão que se tem é de que realmente a globalização é um êxito, ou seja, há bolsões de miséria por todas as grandes capitais do mundo, sendo que Lisboa e Madrid não fogem à regra.

Lisbon revisited
Por Izaías Almada

O título lembra-me um dos poemas de Fernando Pessoa escrito, se não estou em erro, sob o heteronimo de Álvaro de Campos. Passo nesse momento pela capital portuguesa em direção à Espanha, onde já não venho há alguns anos.

A primeira impressão que se tem é de que realmente a globalização é um êxito, ou seja, há bolsões de miséria por todas as grandes capitais do mundo, sendo que Lisboa e Madrid não fogem à regra. Nesse particular, e me desculpem o trocadilho, a “globalização” da televisão portuguesa é espantosa: suas telenovelas, horrorosas por sinal, cheiram a Rede Globo. Os programas de auditório, idem. O telejornalismo, canhestro e preconceituoso.

A península ibérica enfrenta maus momentos provocados pela crise que solapa por dentro algumas das grandes economias mundiais. Por aqui é o início do ano de trabalho, da volta às aulas, e sente-se por todo lado o temor de que o pior ainda não passou. Ao contrário. Portugal promete um corte de austeridade econômica que ascende a um bilhão e trezentos milhões de euros. Os salários estão congelados até finais de 2014. Famílias retiram seus filhos das escolas privadas e transferem-nos para as escolas publicas, que são gratuitas. Mais de 15 mil professores não conseguem se reintegrar em seus postos de trabalho. Os produtores de uvas para o Vinho do Porto reclamam do corte na produção. Há promessas (não aprendem mesmo os neoliberais…) de novas privatizações de empresas públicas portuguesas, incluindo-se a tradicional Rádio e Televisão Portuguesa (RTP), sendo a vizinha Espanha uma das candidatas a comprar a preço de banana algumas dessas empresas.

A possibilidade de aumento de impostos para os mais ricos já é chamada cinicamente pelo governo português de imposto da solidariedade. Solidiariedade dos mais ricos aos mais pobres, bem entendido. O capital irresponsável causa estragos por todo lado, apresenta a fatura aos pobres e, uma vez que poderão abrir mão de algumas migalhas de seus indecentes lucros, o fazem com um “espírito de solidariedade”…

A península iberica é apenas uma amostra do que se passa em outros países europeus e a imagem que se forma é que ainda não está nada resolvido em termos econômicos. A imagem que me vem à cabeça, aproveitando as cidadezinhas medievais que reencontro, é a de um início de incêndio em uma delas no passado, com os moradores a encherem tinas e baldes de água que vão passando uns aos outros para apagar o fogo que cresce. A água chegará para tanto? Esperemos bem que sim, mas dentre os escombros, o mundo com certeza já não será mais o mesmo… Com ou sem a revista Veja, é bom que se diga…

*Texto originalmente publicado no Blog da Boitempo


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum