escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de outubro de 2011, 12h34

Lula: em inglês, espanhol ou francês

Recebo, de um jornalista que prefere não se identificar, breve análise sobre a relação da velha imprensa com Lula. O autor do texto se indigna com um fato inegável: jornais franceses, argentinos ou sites dos Estados Unidos acompanham os passos do ex-presidente de uma forma muito mais competente do que os jornais brasileiros.

Doutor Lula: a imagem fere a sensibilidade das elites que dominam os jornais brasileiros

por Rodrigo Vianna

Recebo, de um jornalista que prefere não se identificar, breve análise sobre a relação da velha imprensa com Lula. O autor do texto se indigna  com um fato inegável:  jornais franceses, argentinos ou sites dos Estados Unidos acompanham os passos do ex-presidente de uma forma muito mais competente do que os jornais brasileiros.

Ele conclui: “hoje, para acompanhar matérias boas sobre o Lula, tem que ler inglês, francês e espanhol.” E eu penso com meus surrados botões: a velha mídia (e a “Folha” em especial, na pessoa do seu diretor Otavio Frias Filho) “acusava” Lula de não saber inglês (o que impediria que fosse um bom presidente). Lula podia ligar pro Otavinho agora  e dizer: “eu devia mesmo ter estudado inglês; pelo menos assim eu poderia ler, sobre mim, notícias que não chegam carregadas com o ódio e o desprezo que os jornais brasileiros me devotam.”

Mas nem precisa. Aqui nos blogs a gente traduz. E espalha por aí. Os bons textos sobre Lula (escritos no exterior) são o maior atestado da incompetência (e do caráter anti-nacional) da velha imprensa brasileira, como soubemos pelo “Página 12” semana passada.

===

Oi, Rodrigo

Cá entre nós, gostaria de externar um pensamento: semana passada a “Folha” não deu uma linha em sua versão impressa sobre o doutor “honoris causa” de Lula. As melhores matérias foram do “Página 12” [argentino] e do “Le Monde” [francês]. E idem sobre o prêmio de Lula na Polônia (sequer o encontro com Sarkozy foi citado). O jornal sabia de ambos os eventos com antecedência, e é bem mais fácil mandar alguém para a Europa, ou de Paris ou Londres para a Polônia, do que cobrir África ou América do Sul. Mas não quiseram acompanhar direito.

Resultado. O melhor texto sobre o prêmio recebido pelo Lula saiu no Huffington Post [dos Estados Unidos] –
http://www.huffingtonpost.com/benjamin-r-barber/as-president-lech-walesa_b_992913.html

Hoje, para acompanhar matérias boas sobre o Lula, tem que ler inglês, francês e espanhol.

Sei que não tem surpresa nenhuma nisso. Todos jornais, e a “Folha” em particular, publicam sobre Lula apenas nos termos que lhes interessa.
Mas o dia-a-dia disso, pra quem acompanha de perto, é algo que impressiona: nos bastidores (e isso não é nem em “off”) a direção do jornal  reclama de ter “pouco Lula”. Não é que tem pouco Lula, tem pouco Lula nos termos que eles gostariam de ter: rompendo com a Dilma ou se metendo mais no governo, por exemplo…

O desinteresse (ou falta de recursos?) para acompanhar eventos positivos, como o World Food Prize, dia 12 de outubro em Iowa (interior dos Estados Unidos, logo exige recursos para ser coberto), é tremendo.

Mas pode ver como qualquer evento no Instituto FHC ganha páginas e páginas em todos os jornais. Eu só me divirto: parte da imprensa brasileira (é sacanagem generalizar) se tornou provinciana.

Pena.

==

Volto eu. A imprensa brasileira sempre foi provinciana (com raríssimas exceções). O jornal que durante décadas exerceu o papel de porta-voz da elite paulista, por exemplo, trazia “Província” no nome (o “Estadão” durante décadas chamava-se: “A Província de S. Paulo”).

Agora, há mais do que provincianismo; essa gente não suporta que o país tenha melhorado num governo que não teve anuência nem o apoio da elite provinciana brasileira. A Casa Grande (e os jornais que a representam) está em crise existencial.  (RV)


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum