escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de outubro de 2014, 00h52

Manifesto de Marina por Aécio: ignorância, rancor e má-fé

Por Igor Felippe, no Escrevinhador

Votarei em Aécio e o apoiarei, votando nesses compromissos,
dando um crédito de confiança à sinceridade de propósitos do
candidato e de seu partido e, principalmente, entregando à
sociedade brasileira a tarefa de exigir que sejam cumpridos
Marina Silva – 12/10/2014

O candidato à presidência Aécio Neves (PSDB) apresentou no horário político o pronunciamento de Marina Silva em apoio ao PSDB. Assim, a candidata do PSB deu sua contribuição para o tucano, que quer conquistar uma fatia gorda dos seus mais de 20 milhões de votos.

O manifesto de Marina por Aécio, com um tom solene um tanto forçado, é uma lição de desconhecimento do país, misturado com um profundo rancor, pitadas de uma falsa ingenuidade e sinais de má-fé (para ler, clique aqui).

A candidata derrotada inicia colocando que o documento que Aécio Neves apresentou tem compromissos dirigidos à Nação, não a ela. Assim, Marina se coloca de forma humilde, buscando ofuscar o papel de protagonista – que, de fato, teve – na “adesão” do tucano aos tais compromissos.

Logo depois, de forma muito matreira, ela afirma que a sociedade que deve cobrar o tucano em relação às promessas. Dessa forma, exime-se de qualquer responsabilidade se for desrespeitada a plataforma que a teria levado a apoiar o PSDB.

Marina faz uma breve análise das eleições. Resgata a aliança com Eduardo Campos, a coligação de partidos “pela primeira vez” exclusivamente em torno de um programa.

Ignora o fracasso na tentativa de construção do Partido Rede, que a obrigou a se unir ao então governador de Pernambuco para participar das eleições. Superestima uma coligação de partidos médios e pequenos, em torno de um tal programa que mais atrapalhou que ajudou a sua campanha.

Esquece que a aliança política construída pelo PT na eleição de 2002, em torno de Lula, tinha como base um programa que incidia nos efeitos colaterais das políticas neoliberais. Inclusive, a candidata fez parte dessa construção.

Marina reclama também dos “ataques destrutivos de uma política patrimonialista, atrasada e movida por projetos de poder pelo poder, mantivemos nosso rumo, amadurecemos, fizemos a nova política na prática”.

O que Marina chama de ataques foi uma intensa disputa de ideias e propostas, relacionadas à independência do Banco Central e ao papel do pré-sal para o desenvolvimento do país. Isso é ataque pessoal? O que Marina queria? Que os candidatos adversários passassem a mão na sua cabeça e aceitassem as suas propostas?

Na verdade, a figura da candidata foi respeitada, sem questionamentos em relação à sua trajetória. Além disso, ela ignora que também foi criticada por Aécio Neves, que foi quem cunhou, por exemplo, a imagem de que seu programa tinha sido escrito a lápis e poderia ser apagado.

Antes de anunciar o já esperado apoio a Aécio Neves, ela faz uma introdução sobre o que entende por política, afirma que seria egoísmo se eximir neste momento e critica as velhas alianças pragmáticas. Na eleição de 2010, quando Marina ficou neutra no segundo turno, ela priorizou os interesses próprios em detrimento do que era melhor para o país?

O auge do pronunciamento de Marina é quando a candidata traça um paralelo da eleição de 2002 e, esta, de 2014. Ela compara o compromisso assumido por Aécio no documento “Juntos pela Democracia, pela Inclusão Social e pelo Desenvolvimento Sustentável” (leia aqui), um resumão de ideias genéricas, com a “Carta ao Povo Brasileiro”, lançada pelo então candidato Lula.

Em 2002, o sistema financeiro fez uma guerra especulativa ao candidato Lula, usando seus instrumentos para desestabilizar a economia e prejudicar a campanha do PT. Assim, arrancou os compromissos de Lula, que afirmou na carta que manteria a estabilidade econômica e não romperia contratos. No fundo, o que os bancos queriam é que o governo Lula não tocasse nos seus interesses.

Marina avalia que a carta de Aécio seria um compromisso similar ao de Lula, mas com a sociedade brasileira, em torno da democracia, da inclusão social e do desenvolvimento sustentável…

Assim, ela iguala o poder do sistema financeiro e o poder de uma sociedade dentro de uma concepção abstrata. A sociedade aos olhos da candidata é um corpo homogêneo em movimento com posições convergentes.

Marina demonstra um profundo desconhecimento da sociedade, da história e das contradições no processo de formação do Brasil. A “sociedade” não poderá cumprir o mesmo papel que o sistema financeiro desempenhou em 2002, porque existem contradições, inclusive antagônicas, no seu interior. É a boa e velha luta de classes, que alguns deixaram de acreditar, mas que resiste.

O melhor exemplo dessas contradições é a jornada de junho de 2013, que mobilizou jovens em todo o Brasil em torno da defesa do transporte público e contra a violência da polícia, mas que no processo congregou bandeiras antagônicas, como a luta pelo respeito aos direitos humanos e pela redução da maioridade penal.

Somente quem pode fazer avançar a luta pela democracia, a inclusão social e o desenvolvimento sustentável são as forças sociais organizadas com interesse de sustentar esses compromissos. Por isso, a plataforma de Aécio para ganhar o apoio de Marina não passa de um carro novo e moderno, mas sem um motor que possa fazê-la avançar.

O mais interessante é que a maioria das organizações que defendem os compromissos que Aécio “assumiu” a pedido de Marina apoia a candidatura de Dilma Rousseff (PT), mesmo sabendo dos limites do seu governo.

Essas organizações sabem bem que o PSDB, no governo FHC e nos governos estaduais, tem uma dura política de criminalização dos movimentos sociais. Ou seja, os tucanos atuam justamente para reprimir os atores sociais que protagonizarão as mudanças sociais.

Vale lembrar a ação da Polícia Militar, sob o governo do tucano Geraldo Alckmin, contra os protestos dos jovens pela redução da tarifa do transporte público em São Paulo, no ano passado. Vale lembrar da greve dos petroleiros em 1995, que foi reprimida pelas Forças Armadas a mando de FHC. Vale lembrar do Massacre de Eldorado dos Carajás, que deixou 17 mortos na conta da Polícia Militar do Pará, sob mando do governo estadual do PSDB.

Os bancos defenderam seus interesses em 2002 e obrigaram Lula a se enquadrar ao modelo econômico que subordina a indústria e o trabalho. Depois, o sistema financeiro continuou a fazer pressão sobre o governo. Ou seja, não foi a mágica carta de Lula que fez valer os interesses dos banqueiros. Foi a ação política de um dos mais poderosos setores da economia.

Agora, Aécio faz compromissos vagos, com evidentes interesses eleitorais, para atender Marina. Só que, sob um governo tucano, os sujeitos da luta social são reprimidos. Então, quem poderá fazer pressão para o governo Aécio respeitar tais compromissos? Marina acredita na sinceridade de Aécio, mas lavou as mãos e de antemão avisou que não tem nenhuma responsabilidade.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum