escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
07 de julho de 2014, 11h07

Mercado faz campanha especulativa contra Dilma

O que fica claro é que, nessas eleições, Dilma representa maior compromisso com o interesse público e com a soberania nacional, enquanto as candidatura de Aécio Neves e Eduardo Campos são porta-vozes das frações da burguesia que querem o neoliberalismo ortodoxo.

Do Escrevinhador

O modelo neoliberal, implementado por FHC no Brasil, teve três eixos centrais: flexibilização das leis trabalhistas, privatizações das empresas estatais e abertura da economia para o capital financeiro.

Os governos de Lula e Dilma não reverteram esse modelo econômico, que representaria a proibição das terceirizações, a retomada das empresas privatizadas e a regulamentação do mercado de capitais.

No entanto, esses governos brecaram o aprofundamento do processo que estava em curso, representando um obstáculo para as frações da burguesia, como o rentismo, que defendem o neoliberalismo.

O melhor exemplo dessa leitura é a reportagem da Folha de S. Paulo com a manchete “Queda de Dilma nas pesquisas gera ganho de US$ 4,8 bilhões em ações”.

A matéria reproduz pesquisa que aponta que quanto pior as pesquisas eleitorais para a presidente Dilma Rousseff, mais as ações das empresas estatais Petrobras, Banco do Brasil, Eletrobras, Cemig e Cesp sobem na Bolsa de Valores.

O levantamento, que tem como base o desempenho dos papéis de cinco estatais nos dias da divulgação das últimas 19 pesquisas Ibope e Datafolha, mensura que cada ponto da popularidade da presidente vale US$ 801 milhões (cerca de R$ 1,7 bilhão).

A postura dos acionistas é uma reação ao que consideram intervenções do governo nas empresas estatais, que prejudicam a rentabilidade das suas ações.

O que o mercado classifica “intervenção do governo” é, na verdade, a predominância do interesse público sobre a rentabilidade privada e a soberania nacional diante do capital internacional.

O mercado quer mesmo é que essas empresas sejam privatizadas, dando exclusividade ao capital privado para a exploração desses segmentos da economia.

A existência de empresas sob controle estatal no setor petrolífero, bancário e energético representa um obstáculo para a dinâmica econômica dos oligopólios que controlam esses segmentos.

Já que essas empresas são mistas, com controle estatal mas capital aberto na Bolsa de Valores, o mercado faz pressão para que sejam geridas como se fossem empresas privadas.

Com isso, a rentabilidade de um punhado de acionistas ficaria em primeiro lugar, em prejuízo do povo brasileiro, que é o “acionista” majoritário do Estado brasileiro.

Um parênteses: esse é a forma de gestão do governo do Estado de São Paulo na Sabesp, que deu no que deu: altos lucros para os acionistas, falta de investimentos na empresa e eminência de falta de água para a população.

O que fica claro com o boicote do mercado é que, nessas eleições, Dilma representa maior compromisso com o interesse público e com a soberania nacional.

Aécio Neves e Eduardo Campos, que agradam os acionistas, são porta-vozes das frações da burguesia que querem o neoliberalismo ortodoxo, ou seja, flexibilização das leis trabalhistas, privatizações das empresas estatais e abertura da economia para o capital financeiro.

Abaixo, leia reportagem da Folha de S. Paulo:

Queda de Dilma nas pesquisas gera ganho de US$ 4,8 bilhões em ações

Por David Friedlander e Mariana Carneiro, na Folha

A disputa presidencial mais acirrada dos últimos 12 anos detonou uma onda de especulação com ações de estatais. O mercado aposta que, quanto piores forem as pesquisas eleitorais para a presidente Dilma Rousseff, mais as ações dessas empresas sobem na Bolsa de Valores.

Os investidores têm o pé atrás com a presidente porque avaliam que as intervenções do governo nas estatais prejudicam sua rentabilidade. Na visão do mercado, Brasília sacrifica o ganho dessas empresas para controlar preços e estimular o consumo.

Esse “efeito Dilma” foi medido num levantamento sobre o desempenho dos papéis de cinco estatais nos dias da divulgação das últimas 19 pesquisas Ibope e Datafolha. Segundo o estudo, cada ponto da popularidade da presidente vale US$ 801 milhões (cerca de R$ 1,7 bilhão).

Esse foi o ganho de Petrobras, Banco do Brasil, Eletrobras, Cemig e Cesp a cada ponto de aprovação que Dilma perdeu. A conta foi feita pelos economistas do Insper Sérgio Lazzarini, Bruna Bettinelli Alves e João Manoel Pinho de Mello, também analista da gestora Pacífico.

Editoria de Arte/Folhapress

A cada ponto que a aprovação de Dilma perdeu nas pesquisas, as ações dessas empresas subiram em média 0,5 ponto percentual acima da média do mercado, calculada pelo índice Ibovespa.

Neste ano, somente o “efeito Dilma” produziu um ganho, médio, de US$ 4,8 bilhões (R$ 10,6 bilhões) no valor dessas cinco estatais. Segundo o estudo, isso ocorreu porque de fevereiro a julho, a aprovação da presidente caiu de 41% para 35%.

A ansiedade do mercado com o resultado das eleições não era tão evidente desde 2002, quando Lula despontou como favorito na disputa pela Presidência.

Na época, bancos criaram indicadores para estimar como a vantagem de Lula afetaria aplicações atreladas ao dólar e à taxa de juros. O mais famoso foi o lulômetro, do banco Goldman Sachs.

“Na eleição do Lula, a dúvida era se o sistema econômico seria alterado. Já o governo Dilma foi marcado pelas intervenções pesadas nas empresas estatais. Com a reeleição, o mercado acredita que isso vai continuar”, afirma Lazzarini, do Insper.

Essa diferença faz com que a especulação se concentre, desta vez, na Bolsa de Valores. Outro fator que desencoraja apostas com o dólar é que o Banco Central tem reservas muito maiores que em 2002.

PESQUISAS E BOATOS

O mercado financeiro é um terreno nervoso por natureza, com profissionais que se dedicam a saltar sobre informações relevantes antes dos outros para ganhar dinheiro. Nesse ambiente, a eleição virou motivo para apostas, movidas a pesquisas eleitorais, consultorias e boatos.

“É especulação pura e da pior qualidade. Ao fazer essa aposta, o investidor busca um ganho de curtíssimo prazo e subestima a capacidade do atual governo de fazer as pazes com o mercado num segundo mandato”, afirma Ricardo Lacerda, do banco de investimentos BR Partners.

Editoria de Arte/Folhapress

Na última quarta-feira, a especulação sobre números positivos para Dilma no Datafolha fez a ação da Petrobras cair 1,1% em 45 minutos. “Os preços das ações estão sendo ditados pelas eleições. Os fundamentos econômicos ficaram de lado”, diz Daniel Cunha, da XP Investimentos.

O cenário político passou a interferir mais intensamente na Bolsa do começo do ano para cá. Se a corrida pela Presidência continuar disputada, será assim até outubro


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum