escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de março de 2011, 12h34

Metrô de S.Paulo: a interminável Linha 4

Por Antonio Martins: O governo de São Paulo acomodou-se ou tornou-se cúmplice: não exerce seu poder de exigir, da concessionária, atendimento à população. A mídia também “esqueceu” seu papel. Uma excelente pauta, trabalhosa mas muito promissora, é investigar a fundo as razões do atraso. Um caso emblemático de privatização de serviços públicos: a concessionária atrasa; o governo se omite; a mídia oculta.

Metrô de S.Paulo: a interminável Linha 4
por Antonio Martins, no Outras Palavras

Um caso emblemático de privatização de serviços públicos: a concessionária atrasa; o governo se omite; a mídia oculta

Os jornais de São Paulo deram grande destaque, no início da semana, a uma boa iniciativa da Companhia do Metrô: a reforma de trens em uso há trinta anos. As primeiras unidades reformadas entram em operação esta semana. Custam entre 30% e 40% a menos. Evitam que se produza um descarte monstruoso.

Já que se tocou no assunto, valeria a pena investigar as razões que mantêm virtualmente paralisada uma obra essencial para o transporte público metropolitano: a expansão da Linha 4, que deveria interligar todas as demais. Inauguradas há quase um ano, as duas únicas estações em funcionamento operam, até hoje, em caráter precário: apenas das 9h às 15h, de segunda à sexta. Prometidas para 2010, as estações de interligação de Pinheiros, Butantã e Luz estão vagamente prometidas para “meados de 2011″ — e não se sabe em que regime. Embora semiprontas, outras estações (Vila Sônia, Morumbi, Fradique Coutinho, Oscar Freire e Mackenzie) deverão ser abertas apenas em 2014.

A Linha 4 tem uma característica especial: não é operada pela Companhia do Metrô, mas por um consórcio privado — o CCR, constituído pelas empreiteiras Andrade Gutierrez, Camargo Correa e Serveng. As críticas feitas ao modelo concessão parecem ter sido certeiras: as empresas operadoras priorizam seus lucros, não o serviço público. O governo de São Paulo acomodou-se ou tornou-se cúmplice: não exerce seu poder de exigir, da concessionária, atendimento à população.

Mas a mídia também “esqueceu” seu papel. Uma excelente pauta, trabalhosa mas muito promissora, é investigar a fundo as razões do atraso. Exige examinar os contratos entre a concessionária e o Estado. Apurar por que não se cumprem os prazos — ou de que forma eles podem estar sendo alterados, para favorecer a concessionária. Expor os prejuízos diários à população. Embora não seja o mais importante, há também sinais de corrupção envolvendo negócios do governo do Estado. A fabricante de trens Alston foi condenada na França, país-sede, por praticar irregularidades em São Paulo — outro assunto convenientemente engavetado pelos jornalões.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum