escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de dezembro de 2011, 20h50

Mídia e a Privataria: silêncio ensurdecedor

Do Observatório da Imprensa: O livro de Amaury Ribeiro Jr. reúne escândalos para todos os gostos e, dentre estes, alguns mais suculentos que outros, mas sempre um prato cheio para todos os que conseguem ver o mundo da política apenas em preto e branco, colocando em preto todos os bandidos, mortos ou vivos e, em branco, todos os que se encontram em franco processo de beatificação.

O silêncio ensurdecedor
Por Washington Araújo, no Observatório da Imprensa

A Privataria Tucana, de Amaury Ribeiro Jr. e editado pelo selo Geração Editorial, reúne escândalos para todos os gostos e, dentre estes, alguns mais suculentos que outros, mas sempre um prato cheio para todos os que conseguem ver o mundo da política apenas em preto e branco, colocando em preto todos os bandidos, mortos ou vivos e, em branco, todos os que se encontram em franco processo de beatificação.

Ribeiro Jr. se veste como Sherlock Holmes e investe pesado no ativo humano mais valioso desde que o mundo é mundo: o tempo. E foram 12 anos de investigações para preencher suas 334 páginas. Os ingredientes básicos, porque ainda não consegui receber um exemplar do livro – em Brasília encontra-se esgotado antes mesmo de ser lançado (!) –, são esses:

** Negociatas na venda de empresas estatais de grande e médio portes ao longo de dois mandatos presidenciais;

** Envolvimento de familiares de um ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, e de um por duas vezes candidato à Presidência da República, José Serra, em negócios mal contados e em que é lapidado o patrimônio público;

** A paradisíaca Ilhas Virgens Britânicas em sua face mais frequentada de paraíso fiscal de fortunas sem origem explicada;

** Um banqueiro onipresente e sempre assíduo em noticiários que envolvem escândalos financeiros – Daniel Dantas;

Mercado informal
Apenas com esses quatro ingredientes, o que está escrito nas 334 páginas do livro já assegurariam alguma mínima mobilização na grande imprensa. E já teria tempero suficiente para escalar as manchetes dos telejornais da TV Globo, as páginas amarelecidas da revista Veja, a cadeira do Jô Soares, o lugar da baleia branca e do mico leão dourado no Globo Repórter, o rosto indignado e algo fake do âncora Boris Casoy em seu jornal na Band, os comentários dramáticos de Lúcia Hippolito e Merval Pereira em clima de “o mundo, caro ouvinte, se não fechar para balanço hoje, acaba, no máximo, até segunda-feira”, e completa ausência de seus fragmentos nas colunas de Janio de Freitas e Clóvis Rossi, para citar apenas os mais importantes colunistas de política do jornalismo impresso brasileiro.

Mas nada disso aconteceu. Por que será? E aquele compromisso de empresa de comunicações dizendo do respeito à pluralidade de opiniões, de não se submeter a qualquer interesse político-partidário e de total busca da verdade?

Pela primeira vez no Brasil vemos o mundo real se recusar a ser puxado pelo mundo virtual: nas redes sociais, nos blogues ditos sujos e às vezes limpos, e nos milhares de comentários colocados ao final da menção do livro do Amaury Ribeiro por qualquer sítio independente, o assunto é um só: o livro de Amaury.

Para que o tema não passasse em brancas nuvens, a edição da Folha de S.Paulo de segunda-feira (12/12) não se furtou a tratar de escândalos políticos, mas não tão recentes assim. Na página A8 do caderno “Poder” temos, abrindo o noticiário, “Livro de Dilma liga Serra a ataques anônimos em 2010”, como o subtítulo “Obra associa tucano a e-mails sobre aborto; ele diz que acusação é falsa”. Não fica por aí e, então, temos uma lição viva sobre a arte de requentar escândalos na página A9 do mesmo caderno, toda esta dedicada ao assunto de seu único e principal título: “Collor recebeu dossiê Cayman, afirma PF”, como o subtítulo “Inquérito diz que papeis forjados em 1998 contra tucanos foram entregues nas mãos do ex-presidente em Maceió”.

O caso Cayman, na Folha, teve direito a foto de Collor e a retrancas didáticas como “O que foi o dossiê”, “Negociações”, “Prisão”, “Acervo”, “Quem foi citado” e “Outro lado”. Sobre o livro do Amaury Ribeiro Jr. nenhuma linha e, a continuar nesse passo, logo teremos uma manchete bradando que “Gregório Fortunato é o verdadeiro autor do atentado da Toneleros”.

No mundo real, uma primeira edição de nada desprezível tiragem de 15 mil exemplares do livro simplesmente sumiu das vitrines e das prateleiras da mais importante livraria do país. E em não mais que 24 horas.

A Privataria Tucana é a versão literária do filme Tropa de Elite, ao menos quanto à sua forma de recepção: o filme de 2007, dirigido por José Padilha, primeiro virou sucesso de público e logo depois, de crítica, após vazar inicialmente no mercado informal da privataria, ops!, digo, da pirataria digital. E chegou a ser uma das maiores bilheterias do cinema brasileiro de todos os tempos. O subtítulo no cartaz do filme de Padilha: “Missão dada é missão cumprida”.

Omissão da imprensa
Mas as comparações param por aqui. O filme tem o capitão Nascimento usando de todas as armas – literalmente – para combater o tráfico de drogas nos morros cariocas e também dentro da hierarquia das forças de segurança pública no estado do Rio de Janeiro.

O livro tem o jornalista Amaury Ribeiro Jr. dedicando 12 anos de sua vida para esmiuçar segredos muito comentados da República, mas sempre interditados na grande imprensa – que, rasgando todos os princípios que devem nortear o bom jornalismo, resolve ter uma crise de sua já detectada bipolaridade: por um lado ignora de forma sumária o livro e, por outro, investe contra o autor, desqualificando-o como profissional e também como cidadão (ver, neste Observatório, “A natureza bipolar da imprensa“).

O filme teve uma continuação, o Tropa de Elite 2, mas o livro fica a dever sua continuação ou… enfeixará na forma de livro os melhores textos que transitam no mundo virtual tratando principalmente da omissão da imprensa ao conteúdo do livro. Daí poderá surgir A Privataria Tucana – Quando a imprensa se faz passar por túmulo, tendo como subtítulo “O barulhento silêncio da mídia”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum