escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de agosto de 2011, 11h31

Murdoch e o enterro do jornalismo liberal

Por Silvio Miele: Nos últimos dias, um certo rebuliço instaurou-se entre os defensores de Murdoch e de sua lógica. No fundo, o temor preventivo dessa estrutura que domina a mídia global é que o escândalo potencialize os movimentos por uma maior regulação dos meios de comunicação de massa. E, na mesma toada, ajude a conscientizar-nos a todos sobre os excessos de um mundo feito de muita luz, mas pouca clarividência.

Murdoch e o enterro do jornalismo liberal
Por Silvio Miele, do jornal Brasil de Fato

Um dos marcos da virada empresarial do jornalismo foi a introdução da imprensa rápida, em 1814, pelo diário londrino The Times, que, ironicamente, foi incorporado em 1981 pela News Corporation Group, império do megaempresário australiano/estadunidense Rupert Murdoch.

Pouco depois, a partir de meados do século 19, teve início uma fase de acumulação primitiva da indústria cultural, através do crescimento exponencial da imprensa, da publicidade e da produção do espetáculo, áreas que foram se articulando num mercado gigantesco, cada vez mais concentrado e monopolizado, precursor do atual complexo de entretenimento global.

Pulemos do século 19 para a recente explosão do escândalodas gravações ilegais utilizadas pelo tabloide britânico News of the World, propriedade do próprio Murdoch. Afinal, qual a novidade no fato de um veículo da mídia liberal burguesa estabelecer relações promíscuas com o governo e com a polícia de plantão?

A resposta nos obriga a voltarmos ao século 19. A reportagem sempre andou de mãos dadas com o formato policialesco do interrogatório e a linguagem jurídica do inquérito. Mas, além disso, desde que o jornalismo transformou-se em negócio (os primeiros grandes jornais foram fundados entre 1780 e 1880) e a informação passou a virar uma commodity, a fronteira entre imprensa, governos e corporações se esfumaçou de vez. Em nome da transparência, da iluminação da verdade e do livre mercado, jornais violaram privacidades, tramaram contra movimentos coletivos e traficaram interesses escusos ao longo dos últimos séculos.

Nesse contexto, o escândalo da mídia britânica — que inclusive envolveu a escuta de familiares do brasileiro Jean Charles de Menezes, assassinado no metrô pela polícia londrina em 2005 — não representaria nada de muito novo mesmo, exceto por um motivo. Vindo de onde veio, sua simbologia configura, pela riqueza de detalhes e pelo vínculo carnal com o poder institucional, o enterro simbólico da era do jornalismo liberal tal como o conhecemos. E isso não é pouca coisa.

Nos últimos dias, um certo rebuliço instaurou-se entre os defensores de Murdoch e de sua lógica, inclusivea partir de muitos analistas brasileiros que andaram repercutindo um texto do articulista Roger Cohen (publicadona edição de 12 de julho do New York Times), onde pode-se ler a seguinte pérola: “Esse homem (referindo-se a Murdoch) é uma força da natureza, e suas incansáveis inovações têm sido, em equilíbrio com as ressalvas, boas para a mídia e para um mundo mais aberto”.

No fundo, o temor preventivo dessa estrutura que domina a mídia global é que o escândalo potencialize os movimentos por uma maior regulação dos meios de comunicação de massa. E, na mesma toada, ajude a conscientizar-nos a todos sobre os excessos de um mundo feito de muita luz, mas pouca clarividência, que está deslocando o jornalismo para uma dimensão muito diferente daquela herdada pelos ideais da Revolução Francesa.

O fim deste “modelo de jornalismo” não significará o “fim do jornalismo”. Existem fontes alternativas de energia informacional que ainda precisam ser exploradas e democratizadas. Afinal de contas, Millôr Fernandes tinha razão quando dizia que “jornalismo é oposição, o resto é armazém de secos e molhados”. Oposição ao poder, onde quer que ele esteja e em qualquer formato que ele se apresente.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum